[s3r star=3.5/5]

O mercado cinematográfico de Hollywood encontrou duas galinhas de ouro em termos de arrecadações de bilheteria: os super-heróis e também as adaptações de livros voltadas para o público adolescente. Essa febre que começou com o sucesso de Crepúsculo em 2008 (nos cinemas, pois particularmente é um dos piores filmes que já vi), hoje é responsável por transformar livros em grandes e rentáveis franquias de sucesso nas telonas, tais como: a própria A Saga Crepúsculo, Maze Runner, Jogos Vorazes, Harry Potter e a série Divergente.

Mas temos que ser sinceros: não são todas as adaptações que conseguem ser sucesso entre o público. Diversas séries tiveram apenas o primeiro livro adaptados e logo na sequência suas continuações foram canceladas, como os fracassos de Dezesseis Luas, Ender’s Game, Os Instrumentos Mortais (neste caso, a série de livros transformou-se em um seriado para a televisão), Percy Jackson, Academia de Vampiro e até mesmo Desventuras em Série (assim como a outra série citada, esta ganha um seriado previsto para o final do ano na Netflix). E ainda falando sobre adaptações, a primeira que chega às telas do cinema em 2016 é A 5ª Onda e podemos dizer que ela cumpriu bem o prometido.

A história mostra que a Terra repentinamente sofreu uma série de ataques alienígenas. SPOILER: Na primeira onda de ataques, um pulso eletromagnético retira a eletricidade do planeta. Na segunda onda, um tsunami gigantesco mata 40% da população. Na terceira onda, os pássaros passam a transmitir um vírus que mata 97% das pessoas que resistiram aos ataques anteriores. Na quarta onda, os próprios alienígenas se infiltram entre os humanos restantes, espalhando a dúvida entre todos. Com a proximidade cada vez maior da quinta onda, que promete exterminar de vez a raça humana, a adolescente Cassie Sullivan (Chloe Grace Moretz) precisa proteger seu irmão mais novo e descobrir em quem pode confiar.

O responsável por comandar a adaptação é o inglês J. Blakeson e podemos dizer que o diretor captou a alma e a essência do livro de Rick Yancey, pois todo aquele clima de claustrofobia, desconhecido e assustador está presente em tela. O diretor opta por tomadas ágeis e dinâmicas, fazendo com que a plateia fique tensa e com os olhos fixos para o que está acontecendo em tela.

CHLOE-750x400 Crítica | A 5ª Onda

Na trama, a jovem Cassie Sullivan (Chloë Grace Moretz) e sua família estão em busca de refúgio para onde eles acreditam estar livres da zona de ataque dos alienígenas, que chegam em uma espécie de espaçonave que fica sobrevoando a cidade onde Cassie mora. Nessa busca, Cassie e seu irmão Sam (Zackary Arthur) acabam ficando sem a proteção de seus pais, devido a incidentes que tragicamente lhes tiram a vida. Com isso, Cassie passa a ser o porto seguro de seu pequeno irmão, mas um mal entendido provoca a separação deles e a principal jornada da garota começa: resgatar com vida Sam. No percurso ela conhece o misterioso Evan (Alex Roe), que salva sua vida e lhe ajuda na sua jornada.

Como toda adaptação de roteiro, há algumas diferenças da obra literária, porém não tirando a qualidade e dinâmica empregada ao filme. Muita emoção, efeitos bem produzidos e a direção do longa é assinada por J. Blakeson em parceria com o produtor Tobey Maguire. A 5º Onda ainda conta com a participação de  Ron Livingston, Maggie Siff, Alex Roe, Maika Monroe, Maria Bello (como Sargento Reznik) e Liev Schreiber (como Coronel Vosch).

Talvez o que deixe a desejar são alguns efeitos especiais, mas convenhamos que já vimos efeitos muito piores em outras produções. Um ponto que vale destacar é que o filme poderia ser lançado em 3D, mas – pelo bem da nação e também do filme – a ideia foi descartada logo no começo. Olhando hoje, podemos dizer que não seria necessário, já que a produção não traz nada de especial para fazer a conversão.

A Sony ainda não se pronunciou a respeito das duas sequências do filme: Mar Infinito e A Estrela Perdida, mas dependendo da bilheteria do filme, quem sabe não tenhamos a primeira franquia adolescente do estúdio?

A 5ª Onda promete agradar aos fãs e aos que também não conhecem a série, pois tem uma história que mantém a atenção do público desde o começo até os minutos finais. Não é um filme voltado para o público mais jovem, devido a sua violência, mas os adolescentes que se sentem órfãos de Jogos Vorazes ou que esperam a primeira parte da conclusão de Divergente, podem encontrar seu mais novo guilty pleasure com A 5ª Onda.