Seguindo a mesma linha de Uma Aventura LEGO, o novo filme da franquia de blocos acompanha o herói da DC Comis dentro desse universo divertido e irreverente; a história é básica, Batman vive salvando as cidades das loucuras do Coringa, que após descobrir que o Batman não é seu arqui-inimigo, passa a elaborar um plano com os maiores vilões do universo LEGO.

maxresdefault2-1024x576 Crítica | LEGO Batman: O Filme

Apesar de ser uma história simples, o roteiro consegue ser preenchido de piadas boas e certeiras, que embora sendo uma  animação infantil, em nenhum momento apela para piadas bobas e forçadas, tendo até mesmo piadas especificas para nichos diferentes, que vão de brincadeiras com a Marvel, passa por referências de vídeos virais brasileiros (isso graças a equipe de dublagem do filme, que localizou muito bem os diálogos) e termina na metalinguagem referenciada em piadas envolvendo o Esquadrão Suicida e as outras encarnações do Batman vividas em filmes do Zack Snyder, Christopher Nolan e do seriado dos anos 60.

Chris McKay, já trabalhou com animações em Robot Chicken, e aqui mostra que sabe o que está fazendo, deixando o filme dinâmico e divertido, conseguindo equilibrar bem entre os momentos cômicos e os momentos leves (porém, comoventes) de drama. Esses momentos mais dramáticos envolvem o Batman/Bruce Wayne e o fato dele ser órfão, o que leva ao seus conflitos internos de ter medo de aproximar-se das pessoas, por isso decide se isolar do mundo em sua Batcaverna. Uma bela mensagem é passada no final do terceiro do ato, sobre família e amigos, que para os fãs do personagem, ou até para alguém que passou algo parecido com o protagonista, pode se emocionar e derrubar algumas lágrimas.

O ritmo do filme é rápido e frenético em alguns momentos, podendo perder algum plano ou outro, mas nada que atrapalhe sua experiência. Essa ritmo é emplacado pela fotografia do filme, que apresenta cores fortes e vivas, alegrando a experiência.

lego4-1024x429 Crítica | LEGO Batman: O Filme

LEGO Batman: O Filme é a melhor adaptação do Batman (desculpa Nolan), e um dos filmes mais divertidos dos últimos anos, que tira sarro de si mesmo  com piadas de lego e brinca até com os logotipos que antecedem o começo do filme. O ritmo rápido e frenético, junto a fotografia de cores fortes e vivas, melhoram esse frenesi do filme, que é uma diversão garantida para todas as idades.