Iniciamos Outubro com o grande prazer em poder entrevistar Angel Spaniol, essa cosplayer/cosmaker que desde pequena já aprendeu gostar de costura com a avó e criar partes de seus cosplays com o apoio da família em geral. Tem preferência por fazer cosplays customizados (com seu toque pessoal) e não os totalmente fiéis ao original. Angel nos disse que tenta fazer seu trabalho sempre com material reciclável e que nunca uma de suas roupas ultrapassou um valor mínimo estipulado por ela. Mesmo assim, na minha opinião, conseguiu provar que algumas pessoas preferem mais criatividade do que originalidade, pois seu último cosplay, de Mulher Maravilha, foi elogiado por Lynda Carter (que dispensa apresentações) e Christie Marston, neta do criador da Mulher Maravilha.

E.N. : Angel nos conte como tudo começou.

   A.S. : Olá, primeiramente obrigada por essa oportunidade, me sinto honrada pelo convite e espero que gostem das minhas besteiras (risos). Respondendo à pergunta, o início foi na infância, quando  gostava de brincar com panos e fazer roupas de boneca. Vendo isso, minha avó me ensinou a costurar. Em 2011, fui no meu primeiro evento de animes e cultura nerd, onde tive contato com o cosplay e fiquei encantada. Naquele dia, eu decidi que precisava fazer isso. A partir daí, fui nos eventos seguintes, usando estilos como roupas góticas e uma roupa de maid (empregada japonesa) que utilizei por muito tempo. Meu primeiro cosplay de fato foi de Misa Amane de Death Note, que na minha opinião ficou péssimo kkk. Mas o início é sempre mais complicado. Depois de um tempo ensaiei um pseudo cosplay da Harley Quinn, com poucos recursos, que apesar da pouca qualidade, teve boa aceitação. A Harley foi melhorada, fiz o pokémon Umbreon, que foi reconhecido pela Jessica Nigri *0* (quase morri, senpai me notou), e por último, com a venda dos trajes anteriores, fiz a Wonder Woman.

Ang%C3%A9lica-Spaniol Entrevista | Angel Spaniol

E.N. : Você comentou que toda sua família te apóia por ser cosplayer, mas esse apoio vai além disso, eles te ajudam até com idéias e confecção correto ?

  A.S. :  Correto. Eles super me apoiam e me ajudam com ideias, pois como faço meus cosplays com material reciclável, às vezes ocorre de eu fazer uso de objetos inusitados, e não saber ao certo como conseguí-los ou manuseá-los. Por exemplo o escudo da Mulher Maravilha foi feito com uma calota de carro que minha dinda encontrou na rua, minha mãe conseguiu dois cintos para fazer o suporte para pendurar, meu avô ajudou a pregar,  meu namorado pintou, e minha irmãzinha fez a estrela do centro. É quase sempre um trabalho de equipe!

E.N. :  Angel, você estipulou um valor para os cosplays que vai usar nos eventos e procura não ultrapassá-lo porque sua prioridade é sua filha, mesmo assim já foi elogiada por Jessica Nigri e recentemente Lynda Carter e Christie Marston. Nos conte um pouco sobre seu trabalho como cosmaker e a emoção de ter esse reconhecimento.

 

   A.S.: Pra falar a verdade, me sinto lisonjeada por esse tipo de reconhecimento e um pouco incrédula, pois existem pessoas que gastam muito dinheiro, usam materiais de qualidade e esse tipo de “milagre” não acontece. Aí eu penso “Poxa, eu fiz minha espada com o resto do berço da minha filha e a Lynda Carter elogiou? Será que ela está enxergando direito?” É claro que é uma felicidade sem tamanho por ter o meu trabalho bem reconhecido, mas ao mesmo tempo, penso que o impossível gosta de me surpreender de vez em quando, pois, não me considero uma cosmaker excelente. Há muito o que eu preciso aprender e evoluir ainda, mas acredito que a receita tenha grandes doses de amor pelo que faço. A dedicação e a determinação fazem coisas incríveis, você só precisa acreditar nisso.

E.N.: O fato de ser mãe mudou suas escolhas de personagens para cosplay ? Isso no sentido de passar alguma mensagem para sua filha, ou é por simpatia ao personagem mesmo?*

   A.S.: O fato de eu ser mãe e também professora de crianças pesa bastante nas minhas escolhas. Por exemplo, eu não me permitiria fazer um personagem exageradamente sensual, com vestes curtas demais ou caráter erotizado, pois acredito que isso não condiz com o meu estilo de vida, carreira profissional e com a maternidade. A simpatia pelos personagens é obrigatória para a confecção de qualquer cosplay, e todos os que fiz até hoje são personagens aos quais tenho certa estima, embora a Mulher Maravilha tenha tido bastante a influência dos gostos da minha filha. Ver a admiração nos olhinhos dela não tem preço! Eu agora, sou de fato, a heroína dela.

5 Entrevista | Angel Spaniol

E.N.: Você tem algum ídolo que te inspire, que te faça querer ser sempre melhor, seja com super poderes ou como ser humano, que seja fictício ou real ?

   A.S.: Meu ídolo humano é Stephen Hawking, e minha admiração por ele vem do fato de sua capacidade de superação das dificuldades, sua genialidade e empenho no trabalho, além de ser capaz de enfrentar a vida sempre com um sorriso no rosto. Já falando de personagens fictícios, tenho no momento uma inspiração no personagem All Might, do anime Boku No Hero, por sua capacidade de proteger e inspirar a todos, independentemente dos sacrifícios que isto implica.

E.N.: Hoje em dia existem dois grupos que infelizmente vem crescendo muito. Esses grupos estão espalhados em todos segmentos, mas vamos focar em cosplays, filmes e séries. Um é o dos que não fazem nada, mas criticam tudo. Eles não tem opinião formada, o lance deles é ir contra todos. E o segundo grupo é o dos que são fãs, antigos ou novos, e que meio que “adotam” o personagem. Sentem ciúmes, não aceitam cosplayers pq não parecem com o ator ou atriz, fazem críticas ofensivas etc. Qual sua opinião a respeito ? Tem horas que dá vontade de desistir como muitos fazem ? De onde vem a força p/ continuar ?

   A.S.: Posso dizer por experiência própria que quase desisti por conta desse tipo de fã. Quando fiz a Mulher Maravilha, estava tão feliz que queria mostrá-la ao mundo! Postei meu trabalho em diversos lugares, e recebi muito apoio e elogios, mas infelizmente, também muitos comentários ofensivos e pejorativos a respeito da minha aparência. Eu tenho um histórico longo e monótono de bullying na infância, e isto afetou minha percepção de mim mesma. Logo, minha autoestima é baixa, e os comentários me acertaram em cheio! Tudo em função da minha óbvia diferença física com Gal Gadot. Eu realmente gostaria de me parecer com ela, óbvio! Mas meu biotipo não permite tal feito, o que não dá direito a ninguém de ser ofensivo e maldoso. Ninguém escolhe a própria genética, e ninguém deve ser penalizado por isso. Milhares de pessoas morrem todos os dias por conta desse tipo de padronização, que transforma pessoas em bonecos feitos para agradar ao senso estético. Eu então tinha retirado todas as fotos do meu perfil pessoal, mas meus amigos se ressentiram com isso e resolveram revidar aos haters postando fotos comigo. Eles flodaram o Facebook de amor e apoio. Recebi mensagens, fotos, e até um vídeo de homenagem. Nunca me senti tão querida, e isso me deu forças para levantar e lutar contra todas as ofensas. E foi por conta dessa mobilização dos meus amigos e seguidores, que as fotos chegaram tão longe.

E.N.: Qual dica você daria para alguém que está ingressando no meio cosplay?

   A.S.:  Primeiramente, se liberte do medo da opinião alheia. Eu mesma quase desisti por conta disso. Você não existe para agradar ao mundo, mas para ser feliz com quem você é! Seu cosplay ficará incrível se você empregar amor no que estiver fazendo. É para ser divertido! Não se esqueça disso. Outro fato importante é que se você não optou por confeccionar seu próprio traje, procure por algum cosmaker de confiança! Investigue feedbacks em grupos de venda de cosplay, pois infelizmente existem muitas pessoas desonestas no mundo, e talvez o resultado acabe em perda de dinheiro e frustrações. É importante também entender que, nem sempre algo caro é necessariamente algo perfeito. Dá para fazer um cosplay bem bacana com poucos gastos. Eu mesma posso dar dicas de como fazer isso! Não hesitem em me procurar se tiver alguma dúvida ou insegurança, pois sempre estarei aqui por vocês, meus pudinzinhos. Quero que me vejam como cosmaker mas também como amiga. Como diria Willy Wonka: “Nós somos os fabricantes. E nós fabricamos sonhos” É isso que quero fazer. Ajudar pessoas a realizar sonhos!

1 Entrevista | Angel Spaniol

E.N.: Essa sua atitude serviu de inspiração p/ muitas pessoas que estavam pensando em desistir por motivos parecidos. Parabéns e obrigado por continuar.

Angel, quero agradecer sua atenção e esse espaço agora é para você divulgar suas redes sociais e contatos para divulgação do seu trabalho.  

A.S.:  Para você que quer se tornar um dos meus pudinzinhos, aqui estão os links das minhas redes sociais, onde compartilho o meu trabalho. Muito obrigada por essa oportunidade, um beijo para todos e até a próxima .

https://www.instagram.com/angelcosmaker/

http://angelcosmaker.blogspot.com.br/2017/?m=1

https://m.facebook.com/angel.spaniol.7

https://m.facebook.com/angelspaniolcosmaker/?locale2=pt_BR                                        

*Com colaboração de Roberta Di Benedette