Crítica | A Noite do Jogo

A Noite de Jogo é a história surreal (típica das comédias dos anos 90 na qual pessoas comuns entravam em situações absurdas) e extremamente divertida de um casal que junto com seus amigos viciados em jogos caseiros se vê envolvido em uma baita confusão que envolve um sequestro, a polícia e criminosos perigosos.

 


Os acontecimentos do filme basicamente ocorrerem em uma única noite. Em uma competição proposta pelo personagem de Kyle Chandler (Bloodline). Somos apresentados a noite de jogos mais louca da história do cinema. Três casais participarão de partida de investigação criminal no qual um deles será “raptado” e os demais terão que descobrir o endereço do cativeiro da vítima e salvá-la, conquistando assim um belíssimo prêmio. O problema é que o sequestro que ocorre é real.

O elenco está afiado e bem entrosado. Inicialmente algumas cenas parecem um pouco forçadas com o intuito de arrancar risadas, mas do meio pro fim o filme engata é vira puro divertimento. Jason Bateman (Quero Matar Meu Chefe) e Rachel McAdams (Dr. Estranho) possuem uma química ótima e fazem um casal extremamente competitivo, e são responsáveis por ótimas situações, piadas e referências do mundo dos games. Também merecem destaque Jesse Plemons (USS Callister de Black Mirror), que faz um policial lunático e muito bizarro (que de início não tem sequências muito inspiradoras, mas melhora bastante do segundo ato em diante) e Michael C. Hall (Dexter), que há tempos não atua devido a alguns problemas de saúde. O restante do elenco cumpre bem o seu papel com boas piadas, a que envolve um ator de Hollywood é hilária.

Quanto a direção de John Francis Daley e Jonathan Goldstein eles não comprometem e até se arriscam usando um efeito de câmera faz com que os prédios e veículos fiquem parecendo brinquedos, como se os personagens estivessem se movendo por um grande tabuleiro, o que combina bem com a proposta do filme.

Em resumo, A Noite do Jogo se assume como uma comédia nada familiar, porém divertida, com boas sacadas e bem produzida. Um filme perfeito para curtir com os amigos num fim de semana.

 

Hiccaro Rodrigueshttps://estacaonerd.com
O pagode anos 90 moldou meu caráter.

Deixe sua opinião!

INSTAGRAM

SE LIGA

Crítica | La Casa de Papel – Parte 3

“Una mattina, mi son' svegliato..." Nessa nova temporada, a “Bella Ciao” vem com outro significado: Por la familia! O...

Os 10 melhores filmes de 2018

A cada ano que passa somos surpreendidos com filmes cada vez melhores. Muitos, claro, já são aguardados por serem alguma continuação. Outros são ótimas...