ter, 2 agosto 2022

Crítica | Agente Oculto

Publicidade

Se alguém perguntar como identificar um filme dos Irmãos Russos (Vingadores: Guerra Infinita e Ultimato), você teria que notar uma réplica atrevida de grandes cenários, locações estrangeiras, coreografia de ação convincente auxiliada por alguns atores carismáticos. Se for necessário resumir as coisas ao básico, talvez haja três ou quatro ingredientes que compõem os filmes de ação implacável, mas apenas ligeiramente acima da média; atores que conhecem seu trabalho, movimentos de ação habilidosos e muita conversa por telefone.

O Agente Oculto  é sobre o Agente Six (Ryan Gosling), que é reabilitado como espião para trabalhar para uma unidade de elite em conjunto com a CIA. Ele é um assassino condenado que foi tirado da prisão por um processo do governo e colocado em um esquadrão secreto de extermínio. Ele parece concordar no que o tirou da cadeia, apesar de mostrar uma leve camada de fadiga que Gosling usa com deleite. Durante um trabalho, onde ele tem que “abater” pessoas, Six descobre que pode estar matando pessoas inocentes.

Ele decide juntar as peças e consegue desvendar segredos sujos dos caras mais importantes da segurança estadunidense. Essa alta administração, liderada pela estrela de Bridgerton, Rege-Jean Page (também conhecido como Denny Carmichael), ordena que um de seus executivos (Jessica Henwick) recrute o sociopata Lloyd Hansen (Chris Evans) para pegar o incapturável Sierra Six. Segue-se muita ação de aparência legítima em cenários belíssimos. Helicópteros e prédios explodem, tiros são disparados e até temos uma sequência de combate corpo a corpo em uma fonte cênica entre Six e Lloyd, onde os homens mostram suas habilidades em infligir violência física (um agrado definitivo para os fãs de filmes de ação hardcore e fãs de filmes duas estrelas).

Publicidade

Ao longo do caminho, o personagem de Gosling une forças com uma agente da CIA que sente que seus superiores não são bons ( Ana de Armas), encontra-se com um chefe de agência aposentado do Reino Unido que ajuda a explicar o que está no pendrive (Alfre Woodard), é traído por um falsificador de documentos alemão (Wagner Moura), confronta a mão direita de Carmichael (Jessica Henwick) e fica de mãos dadas com um assassino lobo solitário (Dhanush).

O espírito cinematográfico dos Russos deixa pouco espaço para Gosling explorar as complexidades de Six. O sucesso de abertura do protagonista dá erro, destruindo sua segurança no emprego. E enquanto esta aventura extravagante corre por 10 países, incluindo Tailândia e Azerbaijão, Six permanece inabalavelmente indiferente. 

Os roteiristas do filme – Joe Russo junto com Christopher Markus e Stephen McFeely, colaboradores frequentes nos filmes dos Russos – criaram um roteiro que é um ataque de diversão; uma enxurrada de balas com um tom de comédia. O deslumbramento faz um pouco para revigorar o que é, em sua essência, um conto de rotina. (Não é surpresa que o verdadeiro inimigo seja, como sempre, a própria CIA, em uma história que contém nada menos que três explosões convenientes). No entanto, o frenesi também distrai à beira da auto-sabotagem. Uma cena de luta inicial é animada com tantas cenas de fumaça e fogos de artifício que nada mais é uma insegurança em que os Russos estejam sobre a capacidade de Gosling de executar suas acrobacias. Felizmente (ou não), o filme cresce em confiança e inventividade. Em sequências posteriores, Six obstinadamente se resgata de um avião caindo, um alçapão e um conjunto de algemas.

Gosling e Evans parecem ter feito um esforço para construir bíceps ainda maiores do que os canos de seus rifles. Evans, a quem os Russos dirigiram como Capitão América várias vezes, parece encantado em interpretar um autoproclamado sociopata que é tão sanguinário que os sociopatas reais deveriam processar por difamação. “Ho ho ho!” ele ri, disparando uma metralhadora. O personagem é ultrajante demais para qualquer ameaça crível, mas Evans lhe dá um gosto de bigode.

A estrela indiana Dhanush, em seu segundo filme em Hollywood, recebe uma grande entrada. Ele também mostra suas habilidades de luta enquanto está em combate com Ana de Armas e Gosling em uma longa cena. Embora seu tempo de tela seja mais do que se poderia imaginar, Dhanush tem apenas algumas falas a dizer nesses trechos. Isso pode ser justificado de certa forma, já que espiões, pelo menos os convencionais, devem fazer mais do que dizem. Ele é o único no filme que talvez tenha uma forte bússola moral. O que resulta numa facilitação escrachada de roteiro.

Quanto às personagens – Ana de Armas, Jessica Henwick e Margaret Cahill – são boas atrizes que não recebem tanta importância, talvez exceto Dani Miranda (Ana de Armas) uma agente especial da CIA que salva a pele de Six. A questão aqui é que há tanta coisa para ser desdobrada para um filme que não sabe qual caminho seguir.

Publicidade

Há poucas razões para se preocupar com qualquer coisa que aconteça em Agente Oculto, mas a narrativa em ritmo acelerado dos diretores Joe e Anthony Russo ajuda a nos distrair da simplicidade do roteiro. Ainda assim, alguém poderia desejar que este filme de espionagem levasse as coisas mais a sério do que um mero blockbuster de quadrinhos; As sequências de ação destrutivas parecem se desenrolar sem muita consequência, enquanto seus personagens nunca perdem a oportunidade de fazer uma piada alegre.

O elenco repleto de estrelas também ajuda a manter as coisas à tona. O carisma sem esforço de Gosling nos mantém investidos no que poderia ter sido um papel subscrito, e ele desenvolve um relacionamento competitivo real com o personagem de Evans; sua cena de luta climática realmente vale a pena, até que de repente não vale mais.

Os cortes e o ritmo cafeinados nunca permitem que o público encontre seu equilíbrio nos grandes e caros cenários do filme, o que impede que a ação se torne verdadeiramente emocionante. Observe o momento durante um extenuante tiroteio no bonde, quando Six usa o reflexo em um prédio espelhado para derrotar um capanga – é um detalhe inteligente em um filme que avança a toda velocidade.

Promovido como o filme mais caro da Netflix até hoje, Agente Oculto parece mais entretenimento descartável do que cinema de eventos. As cenas finais são particularmente insatisfatórias, configurando o potencial para sequências em vez de fornecer uma resolução adequada para os eventos deste filme. Com a Netflix enfrentando alguns desafios sérios este ano, ainda não se sabe se essas sequências serão concretizadas.

Publicidade

Newsletter

Destaque

Crítica | Vai Dar Nada

Estreia nesta quarta no streaming do Paramount+, Vai Dar...

A Queda | Suspense estrelado por Jeffrey Dean Morgan ganha teaser e pôster oficial; Confira!

A Paris Filmes revelou o primeiro teaser oficial de A Queda (The Fall)....

Andor | Confira o trailer da nova série Star Wars do Disney+

Andor, nova série excluiva Disney+ teve seu trailer revelado....

Mulher-Hulk | Novo vídeo mostra o treinamento da heroína

Mulher-Hulk teve seu novo clipe oficial divulgado pela Marvel, em colaboração...