Crítica | As viúvas

Veja nossos últimos stories

As viúvas, novo filme do diretor Steve Mcqueen, reúne grande elenco em um thriller baseado em uma série de tv dos anos 80 do mesmo nome. A trama é cheio de reviravolta e crítica social.

O longa conta a estória de 4 mulheres que ficam viúvas após seus maridos morrerem em uma tentativa de assalto mal sucedida. Como já não bastasse o drama pessoal, as viúvas que precisam retomar suas vidas,  herdam a dívida de seus maridos e são compelidas a entrar para o crime.

Além da trama principal, o filme ainda mostra os meandros da política distrital nos EUA, com todos os seus elementos: corrupção, nepotismo, lavagem de dinheiro, superfaturamento, influência religiosa entre outros aspectos que também presenciamos no Brasil.

A multipremiada Viola Davis esbanja talento no papel de Verônica, viúva responsável por liderar o grupo de mulheres. Verônica é viúva de Mr. Rawlins (Liam Neeson), chefe do bando que foi morto. Além do casal principal, o filme ainda conta com Collin Farrel (Jack Mulligan); Daniel Kaluuya (Jatemme), protagonista de Corra!; Brian Tyree Henry da série Atlanta, entre tantos outros atores consagrados.

O filme é um suco de empoderamento feminino, trazendo 4 mulheres fortes nos papéis principais e mostrando suas realidades. Mas não fica por aí, o longa aborda outras questões sociais como: violência doméstica, traição, racismo entre outras.

- Advertisement -

O enquadramento, muitas vezes inusitado, dá um bom ritmo ao filme que apesar de ter mais de duas horas, não se torna maçante.

A obra não poupa sangue e as cenas de violência estão presentes por todo o filme. Não sendo o filme mais indicado para pessoas sensíveis, mas para aqueles mais tolerantes é um filme obrigatório.

Revisão Crítica

nota

Deixe sua opinião!

Instagram

AS MAIS LIDAS

Confira a crítica de Lupin – Parte 2 Confira a crítica de “Quem Vai Ficar com Mário?” 3 filmes para ver no Dia dos Namorados! 5 Filmes para solteiros no dia dos namorados! Confira a crítica de Din e o Dragão Genial Confira a crítica de Ragnarok