qua, 30 novembro 2022

Crítica | Até os Ossos

Publicidade

Até os Ossos parece, à primeira vista, ser mais um filme no cânone de vampiros sexys. Estritamente falando, os heróis sugadores de sangue do sétimo filme de Luca Guadagnino são uma espécie de híbrido canibal-vampiro, comendo carne tanto quanto sangue, com a capacidade de cheirar uns aos outros. Mas comer carne é apenas metade da história; assim como o livro de mesmo nome da Camille DeAngelis no qual se baseia, esta é uma história fervente, suavemente interpretada, contada com ternura e violência.

É representada de maneira linda e plausível por Taylor Russell como Maren, a mordedora de dedo, carregando o filme com uma energia bruta e desprotegida. Ela está interpretando muito mais jovem do que sua idade real, mas mostra a mesma ingenuidade cativante e senso de despertar sexual que fez de Timothée Chalamet em Me Chame Pelo Seu Nome. Reunindo-se com Guadagnino aqui, Chalamet é quase um estadista mais velho, um canibal um pouco mais experiente mostrando as cordas para Maren, e juntos eles forjam uma vida nômade na estrada juntos, compartilhando uma química ardente e não polida.

Existem todos os tipos de alegorias de forasteiros que você pode ler sobre o canibalismo. No início do filme, Maren mora em uma casa móvel decadente de um quarto e parece silenciosamente sentir algum sentimento negativo por seus amigos ricos e brancos do subúrbio, uma ansiedade racial e de classe que parece sangrar em sua sede de sangue; é impossível, também, não encontrar aqui uma leitura queer, mesmo em personagens heterossexuais. 

Publicidade

É logo depois que pai e filha fogem para Maryland que a jovem canibal se vê sozinha, deixada com nada além de uma pilha de dinheiro, um confessionário em fita cassete do pai e uma certidão de nascimento. Assim como no romance de Camille DeAngelis, dirigimos um pouco com Maren enquanto ela viaja por uma paisagem de terra arrasada. Para sua surpresa, ela não é a única amaldiçoada; há uma comunidade dispersa de pessoas conhecidas como “devoradores”, que existem à margem da sociedade e se entregam às escondidas. Os primeiros encontros de Maren com possíveis mentores e colegas em todos os assuntos da culinária tabu variam de duvidosos a assustadores, e incluem um companheiro de viagem hippie chamado Sully (Mark Rylance), que ensina a ela alguns truques de vida em termos de banquetes.

Após fugir do Sully e suas estranhezas, Maren vaga pelo meio-oeste, com manchas de sangue seco em seus dedos e seus olhos fixos no prêmio de informações sobre sua mãe. Então, um dia, em uma mercearia lotada no lado errado da cidade, ela avista Lee (Timothee Chalamet). Ou melhor, ela cheira ele, já que sua espécie literalmente cheiram uns aos outros. Este barco dos sonhos, magro e sujo, enfrenta um idiota beligerante que assedia os clientes e claramente está ansioso por uma briga. Lee o convida para fora para dar uma chance. E mesmo antes de Maren pegá-lo saindo de um prédio abandonado, com a boca coberta de carmesim, ela sabe que encontrou uma alma gêmea. Sobre panquecas na manhã seguinte – panquecas normais, não personalizadas- Lee a convida para ir junto para o passeio. O amor verdadeiro, a estrada aberta e as refeições futuras aguardam.

Até os Ossos é uma história que pode ser facilmente interpretada de olhos fechados. Ao contrário de seu último mergulho no gênero, o ambicioso Suspiria, Guadagnino não força a mão do público com uma mensagem. Este é um estudo de personagem contido sobre a mais humana das paixões e desejos, envolto em gostos desumanos.

Guadagnino também está interessado em diferentes respostas a impulsos anormais. Todo mundo tem sua própria forma de ética. Michael Stuhlbarg interpreta um caipira que come até ossos humanos, enquanto Mark Rylance oferece uma performance tipicamente precisa como um vagabundo canibal solitário que só come os quase mortos – tão assustador quanto o caipira. 

Até os Ossos é um filme que repousa sobre um par de ombros. Esta viagem tenra e sangrenta pelas entranhas de uma nação é abençoada com uma daquelas instâncias mágicas de escalar o ator certo para o papel certo, e é impossível pensar em outra pessoa que poderia fazer justiça a essa jovem da maneira que Taylor Russell faz. Há tanta ousadia e sensibilidade em como ela deixa Maren ceder às suas tendências, na maneira como ela comunica libertação e vergonha por se saciar. A cautela dessas cenas iniciais faz você sentir como essa alma está perdida e como ela é grata por não apenas ser vista, mas aceita pelo pelo errante de Chalamet.

Na maior parte do filme, o diretor encontra uma beleza extraordinária no meio-oeste, cruzando os Estados Unidos com uma trilha sonora de época evocativa, então é quase uma pena que o ato final tenha que terminar em um gênero mais estereotipado. Até os Ossos é um road movie devastadoramente romântico, que fará seu coração doer tão facilmente quanto seu estômago revirar.

Publicidade

Até os Ossos chega aos cinemas brasileiros no dia 1 de dezembro.

Publicidade

Destaque

Paddington | Curta para comemorar Jubileu da rainha é lançado no Youtube; Assista!

Paddington e a Elizabeth II se uniram em um curta-metragem....

Crítica | Wandinha

Os Addams são uma das famílias mais icônicas na...

Crítica | Sonic Frontiers

Quando um novo jogo do Sonic é lançado, não...

Deixe um comentário