Crítica | Bacurau

A Guerra de Canudos foi o maior movimento de resistência à opressão dos grandes proprietários rurais, que ocorreu entre 1893 e 1897, no arraial de Canudos, uma comunidade do Sertão da Bahia. Esse movimento refletia a situação de miséria em que viviam as populações marginalizadas do Sertão Nordestino, mostrando um povo que não se rende, independente do desafio e do adversário. Exatamente por isso, Bacurau novo filme de Kléber Mendonça e Juliano Dornelles é um filme único, que busca nas raízes do DNA nordestino a motivação para contar essa história que é um clássico “Tarantinesco” violento, atual e recheado de críticas a política brasileira!

A sinopse do filme é curiosa e pra lá de instigante: Quando um povoado simplesmente some do mapa e uma série de assassinatos misteriosos começa a acontecer, a comunidade se une para preparar a reação. E não espere um diálogo pacifista e conciliador. A regra que impera nesta terra esquecida é matar ou morrer. O roteiro é um dos vários pontos positivos dessa obra. A criação da cidade fictícia de Bacurau é feita com muito esmero e atenção, o povo da cidade é utópico! Aqui não há preconceitos, cultura e a educação são muito valorizados, o senso de comunidade é forte. A realidade que o país vive é exposta pelos roteiristas, Mendonça e Dornelles, de modo sutil e em alguns momentos subjetivo. Neste filme o foco não é a política (mas o é que visto, infelizmente, lembra muito a nossa situação atual), mas ela não é esquecida durante a projeção.

O longa tem sua trama construída gradualmente, revelando passo a passo a situação que estamos vendo. Temos humor, suspense e até um toque de sci-fi. As cenas são de uma estética única, destaque para a cena que envolve um ataque com Mosquetes (arma típica do nordeste) e para a fotografia, que destaca as lindas paisagens do sertão, são cenas de tirar o fôlego. O núcleo de atores é formidável! Udo Kier (Carne para Frankestein) interpreta um vilão memorável nesse longa. Sônia Braga empresta sua elegância para interpretar a guerreira Domingas, médica da cidade. O restante do elenco tem seus momentos para brilhar, destaque para Silvero Pereira que faz o intrépido e perigoso Lunga.


Bacurau é um filme que toca em todas as feridas da nossa sociedade. Temos crítica a questão da glamourização do armamento, a questão da xenofobia e a violência exacerbada, além de algumas alfinetadas a política atual. Um longa para ver e refletir. Este longa deve estar na premiação do Oscar em 2020 de melhor filme estrangeiro. Uma obra sanguinária e intrigante! Um dos melhores filmes do ano!

NOTA
Hiccaro Rodrigueshttps://estacaonerd.com
Eu ia falar um monte de coisa aqui sobre mim, mas melhor não pois eu gosto de mistérios.

Deixe sua opinião!

INSTAGRAM

SE LIGA

Os 10 melhores filmes de 2018

A cada ano que passa somos surpreendidos com filmes cada vez melhores. Muitos, claro, já são aguardados por serem alguma continuação. Outros são ótimas...

Os filmes mais esperados de 2019

Primeiro dia do ano, mas já tem gente fazendo planos futuros pras estreias que acontecerão no cinema. Algumas delas, aguardadas desde 2018! Confira nossa lista...