Crítica | Bird Box

Bird Box é uma produção da Netflix inspirada no Best Seller – de mesmo nome – de Josh Malerman, publicado nos Estados Unidos em 2014.

O filme se passa em dois tempos e deixa isso claro desde a primeira cena, quando Malorie (Sandra Bullock) tenta escapar com duas crianças e uma caixa com passáros, pelo rio de olhos vendados. O outro tempo se passa cinco anos antes, quando o primeiro incidente ocorreu.


Malorie está em uma gravidez solo que tenta ignorar a todo custo, quando se depara com uma espécie de apocalipse onde as pessoas, ao olharem para uma misteriosa criatura, são levadas a cometer suicídio. Ela então é levada para uma casa com pessoas que aparentam saber como sobreviver em meio ao caos, mas descobrem que a situação é pior do que imaginavam.

O tempo da narrativa se alterna por diversas vezes, ora mostrando a fuga pelo rio e ora mostrando a luta pela sobrevivência dos refugiados na casa. Isso garante um ritmo mais forte à historia, como quando alguns refugiados vão em busca de suprimentos em um carro com vidros pintados de preto, em uma cidade repleta de cadáveres e carros batidos, tendo como olhos apenas o GPS.

Alguns personagens se mostram extremamente desnecessários, e em dado momento dois deles simplesmente desaparecem (?) da história.

Claramente os maiores destaques na atuação de devem à Sandra Bullock, que conseguiria carregar um filme nas costas, tamanho o seu talento, e Trevante Rhodes (Tom) responsável por grande parte das cenas de maior leveza e emoção. Além da pequena Vivien Lyra Blair (Garota/Olympia) que protagonizou algumas das cenas mais fortes.

O filme não é nem de longe uma das melhores produções já vistas, mas devido aos últimos lançamentos da Netflix, digamos que é sim um bom filme!

DSC04279.CR2

Com exceção dos personagens desnecessários, as atuações garantiram parte do sucesso da produção. Talvez essa carga maior de atores como Bullock, deem uma força maior às futuras produções. A expectativa por saber se alguém conseguirá se salvar da misteriosa criatura com certeza deve ganhar o público, assim como a curiosidade pela própria criatura.

No mais, a Netflix entregou um filme original, melhor que vários anteriores e que pode significar um futuro promissor em suas produções.

O filme estreou no catálogo da Netflix no dia 21 de Dezembro.

Dayana Maiahttps://estacaonerd.com
A louca das séries e filmes. Apaixonada pelo universo Marvel e DC (não sou capaz de escolher um só), indie rock, livros, games e café. Aguardando a abdução alienígena.

Deixe sua opinião!

INSTAGRAM

SE LIGA

Os 10 melhores filmes de 2018

A cada ano que passa somos surpreendidos com filmes cada vez melhores. Muitos, claro, já são aguardados por serem alguma continuação. Outros são ótimas...

Crítica | The I-Land – 1ª Temporada

The I-Land , nova série da Netflix possui a seguinte sinopse: Dez pessoas acordam em uma ilha traiçoeira, sem memória de quem...