qua, 30 novembro 2022

Crítica | Blonde

Publicidade

Ana de Armas está no centro do incendiário Blonde de Andrew Dominik, embora cabe ao espectador determinar se Armas é Marilyn Monroe ou uma figura de interpretação. 

Dadas todas as indignidades e horrores que Marilyn Monroe suportou durante seus 36 anos – suas tragédias familiares, ausência paterna, abuso materno, tempo em um orfanato, tempo em lares adotivos, períodos de pobreza, papéis indignos no cinema, insultos sobre sua inteligência, lutas contra doença mental, problemas com abuso de substâncias, agressão sexual, a atenção babando de fãs insaciáveis ​​- é um alívio que ela não tenha que sofrer com as vulgaridades de Blonde, novo filme da Netflix, o mais recente entretenimento necrófilo para explorá-la.

Hollywood sempre se alimentou de um dos seus. Dado que a indústria também sempre adorou fazer filmes sobre suas próprias máquinas, não é surpresa que também goste de fazer filmes sobre suas vítimas e mártires. Três anos atrás, no filme biográfico Judy: Muito Além do Arco-Íris, Renée Zellweger interpretou Judy Garland perto do fim de sua vida conturbada. Blonde vai para uma cinebiografia mais abrangente – dura quase três horas – abraçando uma trajetória sombria e familiar que começa com a infância infeliz de Monroe, revisita sua fama deslumbrante, mas progressivamente carregada, seus relacionamentos abusivos deprimente, inúmeros problemas de saúde e uma catastrófica espiral descendente.

Publicidade

Após um breve prelúdio que apresenta Marilyn no auge de sua fama, o filme volta para a triste e solitária garotinha chamada Norma Jeane, com uma mãe solteira aterrorizante e mentalmente instável, Gladys (Julianne Nicholson). A infância é um show de horrores, mas Norma Jeane rasteja até a idade adulta (uma boa oprimida Ana de Armas). Ela modela para revistas de cheesecake, e em pouco tempo invade a indústria cinematográfica, o que é outro pesadelo. Logo depois que ela pisa em um lote, ela é estuprada por um homem, aqui chamado Sr. Z e aparentemente baseado em Darryl F. Zanuck, o chefe de longa data do estúdio 20th Century Fox, onde Monroe se tornou uma estrela.

O novo filme da Netflix é baseado no relato ficcional de Joyce Carol Oates de 2000, sobre a vida de Monroe. No romance, Oates se baseia no registro histórico, mas também brinca com os fatos. Ela prepara um ménage à trois para Monroe e canaliza seus pensamentos ostensivos, inclusive durante um encontro lúgubre com o cruel presidente John F. Kennedy. 

Algum desses relatos realmente aconteceu? Pode ser que sim, pode ser que não. O que você precisa entender desde o início é que Blonde é uma exploração da ideia de Marilyn Monroe. É tanto uma cinebiografia da estrela de cinema quanto Elvis é uma cinebiografia de Elvis Presley. O roteiro do filme da Netflix aborda uma série de eventos reais e factuais como um roteiro de seus filmes a seus casamentos. Mas, em última análise, é uma fantasia da fama, que se torna cada vez mais uma paisagem infernal.  

O roteirista-diretor, Andrew Dominik, não parece ter lido várias partes da vida de Monroe. Sua Norma Jeane – e sua criação glamourosa e vexada, Marilyn Monroe – é quase nada mais do que uma vítima: com o passar dos anos e mesmo com o crescimento de sua fama, ela é maltratada repetidas vezes, mesmo por aqueles que afirmam amá-la. Presa para homens maliciosos e uma curiosidade para mulheres sorridentes (ao contrário de Monroe, esta Marilyn não tem amigas mulheres), ela está ciente de seu efeito sobre os outros, mas também impotente para fazer qualquer coisa. Com seu sorriso trêmulo, ela vagueia e tropeça por uma vida que nunca parece ser sua.

Tudo o que está faltando neste retrato é, bem, todo o resto, incluindo a personalidade e a vida interior de Monroe, sua inteligência, sua sagacidade e perspicácia e tenacidade; seu interesse em (e conhecimento de) política; o trabalho que ela fez como atriz e a verdadeira profundidade de suas ambições profissionais. Quem aqui sabe que ela teve sua própria produtora, a Marilyn Monroe Productions Inc? Claramente o roteirista/diretor não sabe. O que está faltando é qualquer noção do que fez Monroe mais do que apenas mais uma bela mulher em Hollywood: seu gênio. Assistindo Blonde, você se pergunta se Dominik realmente assistiu algum filme de Marilyn Monroe, se viu o talento transcendente, o brilhante timing cômico, o fraseado, os gestos e a graça.

Histórias ficcionadas brincam com a verdade, daí as barreiras que os cineastas colocam nos filmes, que são “inspirados” ou “baseados” na verdade. Blonde não se anuncia como ficção logo de cara, embora traga o costumeiro aviso nos créditos. Mas é claro que isso é tudo sobre Monroe, uma das mulheres mais famosas do século 20, e revisita sua fama e vida – Bobby Cannavale interpreta um personagem baseado em Joe DiMaggio e Adrien Brody em Arthur Miller – com fidelidade suficiente para sugerir que Dominik está trabalhando de boa fé quando ele está simplesmente explorando-a novamente.

Blonde. Ana de Armas as Marilyn Monroe. Cr. Netflix © 2022
Publicidade

O filme começa com uma curta sequência em preto e branco que recria a noite em que Monroe filmou a cena mais famosa da comédia de 1955, O Pecado Mora ao Lado. Durante o filme, sua personagem fica em uma grade de metrô e cantarola enquanto uma rajada de ar levanta seu vestido branco plissado, expondo suas coxas. O filme apenas mostra as pernas, embora aparentemente a enorme multidão que assistiu à cena enquanto estava sendo filmada viu mais.

Enquanto as lâmpadas do flash da câmera estouram, inundando a tela branca, Dominik mostra algumas imagens fugazes da multidão e depois corta para Marilyn enquanto seu vestido se enche. Ela está de costas para a câmera – o enquadramento da cena corta a maior parte de sua cabeça e pernas – e ela está um pouco inclinada para a frente, de modo que sua bunda é empurrada em direção ao espectador, como se fosse um convite. Dominik chega a mostrar seu rosto, que está radiante enquanto a câmera aponta para Marilyn em súplica externa. O alto contraste das imagens faz com que a cor preta pareça sem fundo (alerta de metáfora), enquanto o branco é tão brilhante que ameaça apagá-la.

Pelo resto do filme, Dominik continua espiando o vestido de Marilyn, metaforicamente e literal, enquanto tenta fazer seu filme se adequar ao seu assunto: ele usa diferentes proporções e alterna entre cor e preto e branco (Monroe fez filmes dos dois tipos); reproduz algumas das fotos mais indeléveis dela; e de vez em quando emprega alguma magia digital, como quando uma cama que ela está compartilhando com dois amantes durante uma brincadeira vigorosa se transforma em uma cachoeira, o que acontece na época em que Marilyn fez Torrentes de Paixão (1953). Em outras palavras, de novo, Dominik borra a linha entre seus filmes e sua vida.

Mas ao apagar com tanta insistência a divisão entre esses reinos, Dominik acaba reduzindo Marilyn à própria imagem – a deusa, a sexpot, a pin-up, a mercadoria – que ele também parece estar tentando (e falhando miseravelmente) criticar. Não existe Marilyn, apenas lágrimas, traumas e muito sexo. É uma visão desconcertante, especialmente quando ele nos leva para dentro de Marilyn (literalmente). 

Dominik está tão longe de Marilyn Monroe em Blonde que ele não consegue ver quem de fato ela era. É fácil descartar o filme como lixo artístico; sem dúvida é uma oportunidade perdida. A vida de Monroe foi difícil, mas havia mais do que Dominik imaginava, a prova disso está nos filmes que ela deixou para trás – Os Homens Preferem as Loiras (1953), Como Agarrar um Milionário (1953), Os Desajustados (1960) – toda a maldita filmografia. A julgar por Blonde, suas performances foram moldadas por suas agonias e de alguma forma aconteceram por acaso, pelo destino, ou porque ela é uma bomba sexual mística e mágica. Isso é grotesco, e está errado. Mas se Dominik não está interessado ou não é capaz de entender que Monroe foi de fato mais do que uma vítima da predação dos homens, é porque, neste filme, ele mesmo se enfiou nesse papel.

Blonde está disponível no serviço de streaming da Netflix.

Publicidade

Destaque

Paddington | Curta para comemorar Jubileu da rainha é lançado no Youtube; Assista!

Paddington e a Elizabeth II se uniram em um curta-metragem....

Crítica | Wandinha

Os Addams são uma das famílias mais icônicas na...

Crítica | Sonic Frontiers

Quando um novo jogo do Sonic é lançado, não...

Deixe um comentário