ter, 23 julho 2024

Crítica | Clonaram Tyrone!

Publicidade

Em “Clonaram Tyrone!” (They Cloned Tyrone), uma série de incidentes sinistros envolvendo experimentos científicos de intenções duvidosas coloca um trio inusitado (John Boyega, Teyonah Parris e Jamie Foxx) no rastro de uma grande conspiração.

Suspenses que envolvem temáticas raciais e o combate contra forças cuja finalidade é promover o controle de um “mundo ideal” já não são novidades na sétima arte. O grande ápice dessas narrativas críticas se deu há pouco tempo, com o estrondoso sucesso “Corra!” (Get Out), de Jordan Peele, e é claro que, mesmo não sendo mais um tema novo, sempre há espaço para mais produções que venham explorar, a partir de outros olhares e subgêneros, a luta antirracista através de uma ficção mirabolante que reflete duras realidades, como é o caso de Clonaram Tyrone!.

Lançado na última sexta-feira (21), a nova ficção- científica original da Netflix abraça fortemente o estilo Blaxploitation, que marcou o cinema norte-americano da década de 1970 com produções que destacavam a excelência negra e ecoam até os dias de hoje. Clonaram Tyrone! passeia com descontração e criatividade entre esse subgênero, o suspense e a comédia de humor ácido, bem equipado de críticas fervorosas ao capitalismo, graças a um roteiro bem elaborado e assinado por Tony Rettenmaier e Juel Taylor. A escrita, apesar de criativa na medida certa, permite explorar diversas possibilidades e deduções, o que pode se tornar um tanto confusa para o público.

Publicidade
Imagem: Netflix/Reprodução

É da estranheza e o apelo para o absurdo, com acenos à sátira, que Clonaram Tyrone! adquire sua autenticidade. A direção do estreante Juel Taylor ostenta uma variação de ideias, que até chega a permitir ao longa uma mudança narrativa a partir do segundo ato, passando de uma comédia investigativa para um thriller crítico, cujo suspense instiga e prende a atenção do expectador graças ao seu ritmo frenético. A estética do longa, que mescla a irreverência visual dos Blaxploitations dos anos 70 – com direito a figurinos, veículos e cenários bem característicos da época -, a uma direção de arte mais voltada para produções recentes de suspense, com uma fotografia sombria e mais destaque para imagens noturnas, também são diferenciais, apesar da penumbra em excesso ofuscar parte da ação, em alguns momentos.

Chega a ser repetitivo afirmar o quanto Jamie Foxx, astro vencedor do Oscar que vem se recuperando de uma complicação de saúde que enfrentou no início deste ano, bilha e rouba a cena sempre que aparece como o cafetão Slick. Assim como Foxx, a excelente Teyonah Parris esbanja carisma e presença, mas, do trio protagonista, quem realmente se entrega, de corpo e alma, é John Boyega, com grandiosos momentos que contrastam frieza e explosão sentimental de seu personagem. Além dos grandes protagonistas, temos a inesperada presença de um Kiefer Sutherland que sabe como intimidar na pele de vilão.

Com críticas bem vindas ao controle desenfreado de organizações e órgãos políticos sob uma classe ou sociedade, contendo um humor ácido eficiente e um elenco com excelente química, Clonaram Tyrone!, por outro lado, pode não cair nas graças do público por ser complexo a ponto de beirar o confuso. Mas, quem captou a mensagem, se deparou com um caso raro em que a Netflix entrega uma produção original muito bem inspirada.

Publicidade

Publicidade

Destaque

Divertida Mente 2 | Disney confirma sequência da animação!

Divertida Mente é sem dúvidas um dos maiores sucessos...

Guerrilha do Araguaia é tema de lançamento literário

Nascido e criado na Amazônia, o escritor e jornalista Paulo...

Deadpool & Wolverine | Primeiras impressões do filme são reveladas; Confira!

Confira as primeiras opiniões da imprensa internacional sobre Deadpool...
Em “Clonaram Tyrone!” (They Cloned Tyrone), uma série de incidentes sinistros envolvendo experimentos científicos de intenções duvidosas coloca um trio inusitado (John Boyega, Teyonah Parris e Jamie Foxx) no rastro de uma grande conspiração. Suspenses que envolvem temáticas raciais e o combate contra forças cuja...Crítica | Clonaram Tyrone!