Crítica | Coisa Mais Linda (1ª Temporada)

Confesso que nunca dei muita atenção para as produções nacionais da Netflix. Mas a série protagonizada por Maria Casadevall ganhou meu coração desde o primeiro episódio.

Contamos com as histórias pessoais de Malu (Maria Casadevall), Adélia (Pathy Dejesus), Ligia (Fernanda Vasconcelos) e Thereza (Mell Lisboa), tratando de assuntos íntimos e profissionais, que se interligam em determinado ponto da trama. Expõe várias problematizações vividas por mulheres da época (e nos dias atuais), como por exemplo a falta de credibilidade e apoio no ambiente profissional, preconceito racial, abuso físico e psicológico, violência doméstica, aborto, maternidade, etc.

Apesar dos assuntos sérios citados acima, a Bossa Nova, as belas paisagens do Rio de Janeiro, a fé, coragem e bom humor das personagens, trazem uma leveza essencial para a série.


A trama ganha forma quando Malu se muda para o Rio de Janeiro a fim de abrir um restaurante ao lado do marido. Porém, ele rouba seu dinheiro e a abandona em uma cidade nova tendo como único bem um porão completamente destruído, onde deveria ser construído o restaurante. Fora de sua zona de conforto e após passado o desespero, Malu resolve dar forma ao seu sonho de abrir um clube de música e conta com a ajuda de Adélia, uma mulher batalhadora, que além de ser seu braço direito, ainda a ajuda a sair de sua “bolha” de privilégios.

Contamos ainda com a história de Thereza, uma mulher empoderada que trabalha em uma revista feminina onde ela é a única redatora mulher, e que apesar da aparência bem resolvida, tem questões a serem trabalhadas. E também temos o ponto de vista de Ligia, uma mulher com um enorme talento para a música, que abre mão de seus sonhos em prol de um casamento com um político rico e abusivo.

No mais, todas as personagens têm várias facetas a serem descobertas no decorrer da temporada. A produção soube dar enfoque na complexidade de cada uma das quatro mulheres, o que deixa a história ainda mais real e encantadora.

O drama/romance é dividido em 7 episódios de em média 50 minutos cada e nos traz uma perspectiva sobre o papel da mulher na sociedade nas décadas de 50 e 60, porém trata de temas bem atuais e nos leva a refletir sobre o caminho percorrido até aqui e no que ainda devemos evoluir.

Como ponto negativo temos a demora para o desenrolar da trama, nos dando a impressão de que os últimos episódios foram mal explorados e deixando aquela sensação de que faltou algo a mais.

Como ponto positivo, além dos assuntos de grande importância tratados na trama, dos cenários e figurinos que nos transportam diretamente para o Rio de Janeiro na década de 60, temos as atuações brilhantes das quatro protagonistas, dando destaque à Maria Casadevall e Pathy Dejesus.

No mais, Coisa Mais Linda entrega uma primeira temporada de tirar o fôlego com um final inquietante, que nos deixa ansiosos para uma continuação.

A série estreou no catálogo da Netflix em 22 de março.

Dayana Maiahttps://estacaonerd.com
A louca das séries e filmes. Apaixonada pelo universo Marvel e DC (não sou capaz de escolher um só), indie rock, livros, games e café. Aguardando a abdução alienígena.

Deixe sua opinião!

INSTAGRAM

SE LIGA

Os 10 melhores filmes de 2018

A cada ano que passa somos surpreendidos com filmes cada vez melhores. Muitos, claro, já são aguardados por serem alguma continuação. Outros são ótimas...

Os filmes mais esperados de 2019

Primeiro dia do ano, mas já tem gente fazendo planos futuros pras estreias que acontecerão no cinema. Algumas delas, aguardadas desde 2018! Confira nossa lista...