qua, 10 agosto 2022

Crítica | Dias Melhores

Publicidade

É surpreendente que nestes tempos em que o que prevalece na ficção televisiva é a evasão e o passatempo inconsequente, uma plataforma poderosa focada em entretenimento, aposte em uma série como Días Mejores (Dias Melhores) em que o núcleo da trama gira em torno de algo tão pouco “divertido” como perda, luto e gerenciamento das emoções associadas a ele. O ponto de partida não parece uma garantia de audiência e um certo compromisso com o risco é apreciado, ainda mais quando os dois primeiros episódios da série são francamente tristes. Em sua nova série espanhola Dias Melhores, os showrunners Adolfo Valor e Cristóbal Garrido exploram as dificuldades de superar a perda de um ente querido e os desafios de ficar sozinho cuidando de seus filhos.

Eles se inspiraram na história de uma conhecida que, após a morte do companheiro, procurou ajuda em um grupo de terapia do luto. Ouvindo sobre a intensa dinâmica do grupo e as lutas dos participantes para seguir em frente, os showrunners concluíram que seria uma trama fascinante para uma série. E eles não estavam errados. 

A dramédia segue Sara (Marta Hazas conhecida por seu trabalho na série Velvet), uma mãe que de repente se vê viúva e incapaz de confortar seu filho que age como um adulto. Ela encontra ajuda em um grupo de terapia. Os outros três pacientes, muito distintos, estão todos lutando com uma tragédia pessoal semelhante, entre eles um músico de rock (Erick Elías) forçado a cuidar dos filhos adolescentes que ele abandonou há muito tempo, um chefe executivo (Francesc Orella conhecido por seu trabalho fantástico em Merlí) tentando desesperadamente manter uma fachada, e uma jovem solitária e ingênua (Alba Planas) que deseja ter o filho de seu amor perdido.

Publicidade

Precisamente a construção dos personagens (e o trabalho dos atores que os interpretam) é o maior trunfo de Dias Melhores, uma série que, de outra forma, lida sem problemas com a dor, a tristeza, a solidão, a incerteza e o desamparo. Antes da perda de quatro personagens que têm em comum a morte recente do companheiro e o fato de terem que enfrentar sozinhos o exercício da paternidade/maternidade.

Desde do começo do primeiro episódio, torna-se evidente que a história possui uma dimensão emocional muito forte. Não há nada mais interessante na ficção dramática do que as pessoas avançando e começando uma nova vida após uma ruptura repentina. Claramente os personagens não estão bem e estão a procura de uma esperança no fundo do túnel. A história quer nos mostrar que mesmo em situações tristes, existe alguma forma de seguirmos em frente e para que isso ocorra, é necessário sentir a dor do luto.

Os personagens centrais, que por sua vez têm uma série de personagens secundários em suas respectivas vidas (filho de Sara, filhas de Luis, filhos de Pardo e companheiras de apartamento de Graci) vão tecer uma série de laços afetivos ou, se preferir, uma rede de ajuda mútua que permeia a série apesar de lágrimas e risos se alternarem com incrível facilidade em uma série narrativa bem construída e bem escrita.

Embora todos os quatro personagens principais compartilhem tragédias pessoais semelhantes, todos estão lidando com conflitos muito diferentes. Supervisionando o grupo está a terapeuta, Dra. Laforet (Blanca Portillo). Uma personagem que carrega com si, a hipocrisia e um segredo que iremos descobrindo ao decorrer dos episódios. Uma das melhores personagens da série.

O desenvolvimento da série vem através de 10 episódios. Cada personagem é bem escrito e são solitários. Mas à medida que a história se desenvolve, suas histórias se entrelaçam de uma maneira que não esperávamos. Eles são cinco estranhos totalmente diferentes que se reúnem naquele ambiente em comum e, de repente, algo acontece com eles que os muda, mas todos acabam ajudando uns aos outros. À medida que o enredo avançava, as histórias se entrelaçam e as interações entre os personagens se tornaram muito mais explícitas do que o planejado e a escuridão se torna um caminho brilhante a ser seguido.

Publicidade

Newsletter

Destaque

Rick and Morty | Confira o teaser da 6ª temporada!

A sexta temporada de Rick and Morty ganhou um novo teaser que mostra...

Crítica | Vai Dar Nada

Estreia nesta quarta no streaming do Paramount+, Vai Dar...

Crítica | A Maldição da Chorona

O universo de Invocação do Mal (UIM), chegou como...

Ambulância | Suspense com Yahya Abdul-Mateen II ganha novo cartaz oficial; Confira!

A Universal Pictures liberou um novo cartaz do longa do suspense Ambulância:...

Deixe um comentário