Crítica | Ela Disse, Ele Disse

Em meio a uma tonelada de blockbusters e super-heróis, gênero quase que obrigatório na cultura pop atual, sobretudo entre jovens, chega às telonas um longa com um vilão extremamente poderoso: a adolescência. E é nesta temática tão bem abordada nas obras de Thalita Rebouças que “Ela disse, ele disse” marca ponto positivo, trazendo os medos, anseios e paixões desta fase complicada da vida.

Se uma palavra fosse usada para definir este filme, certamente seria “clichê”. Praticamente tudo que foi escrito pode ser encontrado em diversos filmes e séries, embora o roteiro seja adaptado fielmente por Tati Ingrid Adão. O filme conta a história de Rosa (Duda Matte), uma garota insegura que tem tal sentimento aumentado por ser aluna novata numa escola onde não é percebida pelos colegas. Tudo muda quando Léo (Marcus Bessa), recém-chegado, se aproxima dela, quebrando as barreiras da timidez e fazendo seu coração pulsar um pouco mais rápido. Na medida em que o primeiro ato vai se desenrolando, a montagem nos apresenta os antagonistas Júlia (Maisa Silva) e Rafa (Matheus Lustosa), bastante atuantes.

No clímax, vemos uma troca de olhares crescente entre os protagonistas e, à medida que se tornam mais próximos, Júlia aparece e tenta interferir no relacionamento. As atitudes dos personagens chegam a parecer uma montanha russa, extremas e complicadas de entender. Alguns podem tomá-las como defeitos da direção (Cláudia Castro), mas não passam de atitudes “adolescentes” e, sendo assim, perfeitamente compreensíveis, ainda mais quando se tem o recurso da quebra da quarta parede, quando os personagens conversam com o público. Desta forma, o filme se torna mais gostoso de assistir, além de relevar possíveis defeitos que o roteiro possa ter, quanto à ser explicado demais ou prender-se às convenções do gênero e facilitações, como pode ser visto na resolução do problema criado no segundo ato.


Ela disse, ele disse cumpre o que Thalita Rebouças quis repassar ao seu público com primor, entretendo e divertindo, sobretudo ao utilizar um elenco atual e representativo, nos mostrando os pontos de vista masculino e feminino, desta barra que é viver às escolhas, à liberdade de fazê-las. Aliás, esta adaptação vem acompanhando uma ótima fase do cinema brasileiro e ainda conta com a presença de Fernanda Gentil, da Youtuber Bianca Andrade e Ana Maria Braga. Chega às telonas em 3 de outubro.

NOTA

Deixe sua opinião!

INSTAGRAM

SE LIGA

Os 10 melhores filmes de 2018

A cada ano que passa somos surpreendidos com filmes cada vez melhores. Muitos, claro, já são aguardados por serem alguma continuação. Outros são ótimas...

Os filmes mais esperados de 2019

Primeiro dia do ano, mas já tem gente fazendo planos futuros pras estreias que acontecerão no cinema. Algumas delas, aguardadas desde 2018! Confira nossa lista...