As comédias brasileiras são um verdadeiro caso de amor e ódio: sucesso absoluto para alguns, outros preferem passar o mais longe possível. A razão para isso: comédia nacional ainda, em sua maioria, aposta num humor apelativo, pastelão, com pouca ou nenhuma história para contar. Bom para a alegria geral da nação a nova comédia estrelada por Ingrid Guimarães (Loucas pra Casar) e Larissa Manoela (Meus 15 anos) Fala Sério, Mãe! Foge, um pouco (eu disse um pouco), desse estigma das comédias nacionais.

O filme é baseado no livro de mesmo nome de Thalita Rebouças, que colabora também no roteiro junto com Dostoiewski Champagnatte, Ingrid Guimarães e Paulo Cursino, a história foca na relação de altos e baixos entre mãe e filha vividas por Ingrid Guimarães e Larissa Manoela. Um ponto positivo desse filme é que o mesmo mostra a história, narrada sob o ponto de vista da mãe e da filha. O filme destaca, com méritos, a relação entre mãe e filha que é cercada por frustrações, medos e insatisfações, mas também por amizade e parceria.

Ingrid Guimarães como a mãe, encarna com honestidade os perrengues que as mães passam com os seus filhos da infância até a maior idade deles e como ela mesmo diz em determinada cena “Estou representando todas as mães do Brasil” e ela o faz, com honestidade. Porém em alguns momentos sua personagem acaba indo, por culpa do roteiro, para humor forçado e meio pastelão (a cena do ônibus é um exemplo disso) arrancando risadas de puro constrangimento de quem vê aquela cena irreal. Mas nada que estrague o filme, porém são nas cenas de conflito que Ingrid Guimarães se sobressai.

Larissa Manoela também tem destaque positivo, não tanto quanto Ingrid, mas não faz feio neste que é seu quinto filme. Paulo Gustavo (Minha Mãe é Uma Peça) faz uma participação curta e hilária. Os demais personagens estão ali apenas para servir de apoio, o foco da história e a relação mãe-filha.

O filme tem bom gosto estético, mesmo nas cenas que usa croma key. A trilha sonora é variada e bem escolhida o único incômodo, para os mais atentos, e que o filme tentou inicialmente fazer uma ligação da trilha sonora com o que se ouvia na época, usando a idade da criança como referência, porém depois de duas músicas a ideia é deixada de lado. O desfecho do filme deixa um pouco a desejar e poderia ser mais bem trabalhado.

Em suma, Fala sério, Mãe! Se mostra uma comédia brasileira boa divertida e indicada para toda família e que irá emocionar mamães e filhotas no cinema. Um filme igual a muitos outros, porém que cumpre o seu papel de entreter.