Início Críticas Crítica | Hoops

    Crítica | Hoops

    6
    1326
    Reprodução: Netflix/ Divulgação

    As séries animadas sempre fizeram muito sucesso, não apenas com as crianças, mas também com os adultos. As animações em seriados fascinam por conseguirem criar universos únicos e abordar com humor vários temas importantes. Algumas séries voltadas para os maiores de 18 anos se destacam, como: a divertida e profética Os Simpsons, a ácida Família Guy e, a subversiva e repleta de metalinguagem Rick & Morty. Para aumentar a galeria de produções voltadas pros adultos a Netflix aposta em Hoops, série criada por Ben Hoffman (The Late Late Show with James Corden), e conta com a dupla Chris Miller e Phil Lord (Homem-Aranha no Aranhaverso) como produtores executivos.

    Reprodução: Netflix/ Divulgação

    Com tanto potencial, na criação e produção, é estranho que Hoops decepcione, mas é isso o que a série faz. A trama narra as aventuras de Ben Hopkins, um técnico de basquete do colégio irritante e que cospe obscenidades 24 horas por dia. Com dez episódios de 25 minutos em média, a série só faz piadas grosseiras, atrás de piadas grosseiras em nome de ganhar risadas fáceis. Mas nem isso ela executa bem já que ela se repete e se repete a cada 3 minutos. Por exemplo, a série tem uma piada com o filme Little Man Tate que se arrasta por TODOS os episódios da primeira temporada. Se fossem diferentes piadas, até seria aceitável, mas repetir num episódio a mesma piada 15 vezes? Nem o Zorra total consegue ser tão sem graça. O personagem central é um idiota completo que não consegue terminar uma frase sem ofender alguém ou usar um palavrão de modo gratuito. Se a intenção é fazer o espectador não gostar do personagem a produção acertou em cheio.

    HOOPS (L to R) Nick Swardson as Scott, Steve Berg as DJ, A.D. Miles as Matty, Sam Richardson as Marcus, Ben Hoffman as Timebomb, and Gil Ozeri as Isaac in episode 2 of HOOPS. Cr. NETFLIX © 2020

    A série não é um completo desastre por pouco, temos alguns raros momentos divertidos, são poucos infelizmente. Os melhores episódios são o sétimo e oitavo, que animam, mas depois a série se torna mais do mesmo. Se a série apostasse mais em momentos no qual o protagonista usa do deboche/acidez de seus comentários/ações a série seria muito melhor, mas isso pouco ocorre. A dublagem brasileira pouco acrescenta e acerta nas mudanças do texto para facilitar o entendimento. A representação da cidade e o ambiente é ok, nada que se destaque muito.

    HOOPS (L to R) Steve Berg as DJ, Gil Ozeri as Isaac, Jake Johnson as Coach Ben Hopkins, Ben Hoffman as Timebomb, Nick Swardson as Scott, and Sam Richardson as Marcus in episode 5 of HOOPS. Cr. NETFLIX © 2020

    Usando do vocabulário da série e sendo bem honesto, Hoops é uma m#[email protected]! Não é um problema fazer comédia com insultos e grosserias a todo momento, o problema é insultar o espectador querendo que ele se divirta apenas com isso. Se puder passe longe!

    Publicidade

    6 COMENTÁRIOS

    1. Achei a série incrível. Diferentemente da crítica acima, gargalhe sem fazer muito esforço. Pra dizer a verdade chorei de rir. Muito boa. Recomendo

    Deixe um comentário