Crítica | Kardec

Educador, autor e tradutor francês, Kardec é conhecido por ter codificado o espiritismo, uma das doutrinas mais praticadas no Brasil. Cético até os 50 anos e registrado com o nome de Hippolyte Léon Denizard Rivail, Allan Kardec tem parte de sua história pouco conhecida. Uma trajetória com crise de fé, conversão e descobertas a serem mostradas em “Kardec”.

O filme de Wagner de Assis não busca desenvolver uma narrativa complicada demais para o espectador que não é familiarizado com relação à história real, mas, ao mesmo tempo traz os principais acontecimentos lineares de modo detalhado, não adentra muito no processo pessoal de Kardec e no reconhecimento de sua nova forma de ver a vida.


Por mais esperados que sejam os acontecimentos, existe uma atenção maior dentro da narrativa que é voltada para o poder que o catolicismo impôs acima dos espíritas. Evitando com que suas crenças fossem liberadas para o mundo mesmo que por um breve período ou provocando revolta dos fiéis da Igreja. Com isso, todo o processo de descobertas de Kardec soam um tanto corridos, como se houvesse a pressa de cair diretamente nas dificuldades encontradas a partir do momento em que O Livro dos Espíritos foi publicado, em 1857. No entanto, a linha do tempo é precisa e estabelece todos os pontos principais da história do autor sem que haja presunção ao redor da importância de sua presença na religião.



Os momentos em que Kardec (Leonardo Medeiros) e sua esposa Amélie (Sandra Corveloni) adentram a realidade espírita, onde ele vai deixando o ceticismo de lado e ela se mostra uma boa companheira e grande apoiadora, são muito mais interessantes e bem construídos, pois há tempo para o roteiro apresentar outras pessoas que fizeram parte da jornada de pesquisa até a publicação do primeiro livro de Kardec. As jovens Caroline Boudin, Julie Boudin, Madame De Plainemaison e Ermance De La Jonchére Dufaux são algumas médiuns que ajudaram o professor a finalizar seu livro na época e formam uma importante participação na história, mas ainda assim, senti uma necessidade de mais momentos com as personagens antes da “caça as bruxas” começar.


É admirável a atuação de Leonardo Medeiros no papel de Rivail/Kardec e como a postura séria combinou com a evolução do personagem. Corveloni como Amélie Gabrielle Boudet, traz a leveza e romantismo interessante ao casal, se revelando como uma perfeita parceira de trabalho também. Em alguns momentos existe uma certa distância que não é falada, mas que acaba sendo bem trabalhada em cena, como na cena do jantar silencioso.


Kardec é uma biografia que retrata bem a época em que a história aconteceu e muito disso graças a ótima fotografia e direção de arte, que conseguiu trazer uma Paris que não existe mais, onde os prédios eram velhos e tinha esgotos nas ruas, deve ter sido muito desafiador. Tudo foi de suma importância para entendermos quem foi o homem que criou a doutrina espírita e garantiu milhões de adeptos à sua forma de ver a vida, a morte e Deus.


Apesar de ter uma temática espírita, não se trata de uma produção sobre o espiritismo. É um filme sobre investigação, sobre métodos, sobre racionalizar coisas que até então não poderiam ser racionalizadas.


O longa-metragem estreia em 19 de maio nos cinemas brasileiros.

Deixe sua opinião!

INSTAGRAM

SE LIGA

Os 10 melhores filmes de 2018

A cada ano que passa somos surpreendidos com filmes cada vez melhores. Muitos, claro, já são aguardados por serem alguma continuação. Outros são ótimas...

Os filmes mais esperados de 2019

Primeiro dia do ano, mas já tem gente fazendo planos futuros pras estreias que acontecerão no cinema. Algumas delas, aguardadas desde 2018! Confira nossa lista...