sáb, 24 fevereiro 2024

Crítica | Lightyear

Publicidade

Quando Toy Story foi lançado pela primeira vez em 1995, Andy ficou apaixonado por um brinquedo baseado em seu filme favorito chamado Buzz Lightyear. O mundo de Toy Story ganhará um novo olhar através de Lightyear. Considerado um épico da ficção científica. O filme é aguardado pelo público, apresentando o mundo e a origem de Buzz Lightyear como os fãs desejavam. Vemos o lendário patrulheiro espacial após sofrer um acidente em um planeta não-habitado a 4,2 milhões de anos-luz da Terra, ao lado de sua comandante e sua equipe. Todos ficam presos neste planeta e tentam seguir à vida, menos Buzz. Ele quer consertar o erro que ele fez ao destruir a nave.

Pixar/ Divulgação

Enquanto Buzz tenta encontrar um caminho de volta para casa, o patrulheiro precisará lidar com viagens no tempo, perdas e Zurg, uma presença maligna junto com seu exército de robôs, introduzido em Toy Story 2.

Não é a melhor história feita pela Pixar. Depois de um período em que algumas pessoas estavam reclamando que o estúdio estava fazendo muitas sequências (ou filmes “originais” que eram óbvias repetições das fórmulas do estúdio), eles realmente entregaram uma série de filmes muito diferentes e muito agradáveis ​​em sequência (Red: Crescer é Uma Fera, Lucas e Soul) – e Lightyear parece ser o oposto. Um roteiro batido e sem criatividade.

Publicidade

Dirigido por Angus MacLane (Procurando Dory), Lightyear é uma aventura de ficção científica extravagante e estofada. Ele lembra todos os filmes clássicos que você esperaria – 2001: Uma Odisseia no Espaço, Guerra nas Estrelas e Jornada nas Estrelas – mas não possui nenhuma originalidade, sagacidade ou fonte de emoção que você esperaria de um filme da Pixar. Alguém hesitaria em chamar esse spin-off de terrível. Em vez disso, o filme encontra um conforto inquietante em ser mediano.

Lightyear, do ponto de vista visual, é excepcionalmente bem feito: as texturas são sentidas, o uso marcante das sombras desperta emoções profundas. Isso é de se esperar. Com um roteiro pouco desigual, Lightyear possui bons momentos. Temos a primeira personagem LGTBQIA+ da Pixar que foi introduzida de forma sutil e emocionante. A dupla do patrulheiro e melhor amiga é a comandante Alisha Hawthorne (Uzo Aduba) que ao longo das viagens de redenção do Buzz, se casa com uma mulher e tem um filho. Alisha foi responsável por colocar Sox (Peter Sohn), um gatinho robô terapêutico na vida do Buzz (será o novo personagem favorito que serve como alívio cômico do filme). Em poucos minutos em tela, as cenas do casal são emotivas e introduzem a neta da personagem que será uma grande parceira do Buzz em suas novas missões. 

Pixar/ Divulgação

A neta de Hawthorne, Izzy (Keke Palmer), agora é adulta, e ela, junto com o desajeitado Mo (Taika Waititi) e a ex-presidiária Darby (Dale Soules) estão planejando se infiltrar no navio de Zerg. Nenhum desses personagens é particularmente interessante. Eles são tópicos comuns destinados a ensinar às crianças a importância de encontrar coragem e transformar fraquezas percebidas em pontos fortes. Vimos esses obstáculos em desenhos muito melhores, e Lightyear não é um deles.

Tirando os personagens citados anteriormente, vemos nitidamente a figura do herói e sua trajetória de redenção.  Metade do roteiro é composto pela frase “é a minha culpa, EU tenho que consertar”. Como Woody, Hawthorne adora zombar do hábito egocêntrico e autoritário de Buzz de gravar registros de estrelas que ninguém jamais ouvirá. Na verdade, suas primeiras linhas, onde ele observa a composição do planeta, são quase palavra por palavra o que ele diz em Toy Story quando acorda no quarto de Andy.

A história batida reforça como é importante aproveitar o agora e que tudo é mais fácil quando estamos em grupo, principalmente se o trabalho for patrulhar um planeta desconhecida.  Buzz só tem a perder ao se colocar como figura orgulhosa que não aceita ajuda de ninguém ao tentar consertar erros que são inevitáveis.

Se você estiver procurando por um filme que evoca a imaginação da mesma forma que Toy Story fez, você ficará desapontado. Lightyear vai ao infinito, mas em nenhum lugar particularmente especial. O filme será lançado nos cinemas brasileiros no dia 16 de junho, permitindo que todos vejam o filme pelo qual Andy ficou tão apaixonado pelo Buzz.

Publicidade

Publicidade

Destaque

Crítica | O Jogo da Morte

Em O Jogo da Morte (Ya khochu v igru)...

Crítica | Todos Nós Desconhecidos (All of Us Strangers)

Escrito e dirigido por Andrew Haigh (Looking), All of...
Quando Toy Story foi lançado pela primeira vez em 1995, Andy ficou apaixonado por um brinquedo baseado em seu filme favorito chamado Buzz Lightyear. O mundo de Toy Story ganhará um novo olhar através de Lightyear. Considerado um épico da ficção científica. O filme...Crítica | Lightyear