Crítica | Lúcifer – 5ª temporada Parte 2

Veja nossos últimos stories

A segunda parte da quinta temporada começou exatamente no fim da primeira parte, com a chegada de Deus (Dennis Haysbert) para interromper a briga entre Lúcifer (Tom Ellis), Miguel (Tom Ellis) e Amenadiel (D. B. Woodside). E já percebemos que o enredo do restante da temporada será todo sobre a família celestial. 

Com a chegada do pai, muitos sentimentos despertam em Lúcifer. Em um jantar em família, o protagonista consegue externar suas mágoas em uma verdadeira lavação de roupa suja bem comum em famílias reais. Mesmo com paralelos divinos, os diálogos da cena facilmente poderiam acontecer no almoço de domingo da sua família. O filho que se sente excluído joga na cara a ausência do pai enquanto o irmão certinho tenta amenizar com panos quentes. Mas mesmo parecendo clichê, o jantar serve para construir e dar mais força para as relações dos personagens. 

LUCIFER (L to R) DENNIS HAYSBERT as GOD and TOM ELLIS as LUCIFER MORNINGSTAR in episode 509 of LUCIFER Cr. JOHN P. FLEENOR/NETFLIX © 2021

Desde o início, a série usa as questões celestiais como metáforas divertidas sobre a vida real. Esta temporada está um pouco mais emotiva do que as anteriores e as questões pessoais dos personagens possuem muito mais peso para a trama. Todos os casos que a detetive e o consultor precisam resolver trazem alguma lição para os protagonistas. Até mesmo com relação aos personagens coadjuvantes, percebemos que o roteiro está buscando resolver suas questões para caminhar para o fim.

LUCIFER (L to R) LESLEY-ANN BRANDT as MAZE, TOM ELLIS as LUCIFER MORNINGSTAR, RACHAEL HARRIS as DR. LINDA and LAUREN GERMAN as CHLOE DECKER in episode 513 of LUCIFER Cr. COURTESY OF NETFLIX © 2021

O personagem Deus traz reflexões interessantes, fazendo paralelos sobre as relações familiares e a velhice. Sim, vemos um Deus cansado e buscando a aposentadoria que, de seu modo, está buscando provar para os filhos que os ama incondicionalmente e sabe que errou no passado. A premissa é simples e até mesmo batida, porém é bem executada com várias cenas hilárias do pai tentando ser “descolado” e o filho se sentindo envergonhado. E com o passar do tempo o filho percebe o quanto é parecido com seu pai e há muito mais qualidade para se orgulhar do que mágoas para guardar. 

LUCIFER (L to R) DENNIS HAYSBERT as GOD in episode 511 of LUCIFER Cr. JOHN P. FLEENOR/NETFLIX © 2021

O consultório da Dra. Martin (Rachael Harris) continua servindo para trazer mais humanidade aos celestiais, inclusive a Deus. Com toda sua paciência e sagacidade, Linda consegue, ou pelo menos tenta, fazer Lúcifer pensar melhor. É aquela amiga sincerona que todos nós gostaríamos de ter por perto. 

Lúcifer é uma série que faz várias piadas de metalinguagem. Em todas as temporadas há menções e homenagens à Hollywood e ao universo das séries. A quinta temporada não poderia ser diferente, e com ela tivemos o clássico episódio musical. Porém eles conseguiram justificar toda a musicalidade como uma espécie de “pegadinha” ao protagonista, que deixou tudo ainda mais engraçado. 

LUCIFER (L to R) AIMEE GARCIA as ELLA, LAUREN GERMAN as CHLOE DECKER, TOM ELLIS as LUCIFER MORNINGSTAR, and KEVIN ALEJANDRO as DAN ESPINOZA in episode 510 of LUCIFER Cr. COURTESY OF NETFLIX © 2021
- Advertisement -

Na parte passada, cantei a bola de que Miguel não ficaria na moita por muito tempo e seria o antagonista nesta parte. BINGO! O irmão gêmeo do protagonista é a principal ameaça da vez. Com sede de poder, Miguel usa todas as tuas artimanhas para derrotar Lúcifer. E talvez aqui seja o ponto fraco da temporada, pois todo o conflito é muito previsível e cheio de clichês. 

Lúcifer é uma série despretensiosa e divertida. A quinta temporada é muito coesa, amarrando muito bem a primeira e a segunda parte mantendo o mesmo estilo de humor das temporadas anteriores com mais momentos emotivos. Há uma “preparação” para o fim, os personagens encontrando seus caminhos, questões sendo resolvidas, porém, com um enorme cliffhanger para a sexta e última temporada.

Revisão Crítica

NOTA
Bruna Carvalhohttp://estacaonerd.com
Ainda esperando minha carta de Hogwarts, mesmo sabendo que a resposta é 42. Desejo vida longa e próspera e que a força esteja com vocês!

Deixe sua opinião!

Instagram

AS MAIS LIDAS

Confira a crítica de Luca Confira a crítica de Paternidade Confira amizades marcantes dos filmes da Pixar 4 musicais para ver antes de Em um Bairro de Nova York Confira a crítica de Aqueles que me Desejam a Morte Confira a crítica de Uma Skatista Radical