sex, 27 janeiro 2023

Crítica | M3GAN

Publicidade

Tecnologia enlouquecida e bonecos assassinos dificilmente são ideias novas, mas M3GAN ainda assim encontra uma maneira de adicionar ao gênero, com um conto de terror básico nítido e vergonhoso que se torna até interessante por ser definido em cerca de 10 minutos no futuro. Para os pais preocupados com as crianças coladas às telas, a perspectiva de um companheiro andróide assassino gera pontos para comprar um brinquedo simples da Hasbro.

Produzido pela fábrica de terror Blumhouse e James Wan de Invocação do Mal (que compartilha o crédito da história com a roteirista Akela Cooper), o filme é estrelado por Allison Williams como o equivalente a um cientista maluca bem-intencionada cujos melhores planos dão terrivelmente errado.

Complementando suas credenciais de horror, a Gemma de Williams é forçada a acolher sua sobrinha  Cady (Violet McGraw), de nove anos, que ficou órfã após um acidente de carro. Gemma é solteira e dedicada ao seu trabalho, que envolve o desenvolvimento de produtos com robótica para uma empresa de brinquedos, incluindo algo divertido chamado Purrpetual Petz, o animal de estimação de alta tecnologia perfeito para uma criança previamente traumatizada por enterrar um amigo peludo.

Publicidade

Gemma, no entanto, está de olho em um produto mais ambicioso, uma andróide humana que se relaciona com seu dono infantil e aprende com suas interações. Sem saber como lidar com Cady, ela dá a ela o protótipo do Model 3 Generative Android, ou M3GAN, preenchendo o vazio na vida da garota enquanto impressiona seu chefe tenso (Ronny Chieng) com suas tentadoras possibilidades comerciais.

A M3GAN é uma maravilha, com apenas algumas (muitas) falhas no início que deveriam alertar a todos um pouco mais do que eles. (Adicione os personagens aqui à lista de pessoas que não estavam assistindo Westworld ou, mais precisamente, o livro e os filmes dos anos 1970 que o precederam).

Claro, os bons tempos não podem durar, já que o desejo de M3GAN de proteger Cady e poupar sua dor se torna cada vez mais agressivo e, ocasionalmente, sombrio e vergonhoso.

O diretor Gerard Johnstone desenvolve bem esses momentos, demorando de maneira inteligente antes que as baixas e coincidências comecem a se acumular. O filme também é uma ruminação inteligente sobre os perigos de deixar a tecnologia servir como a babá definitiva, com Cady se tornando um monstrinho quando privada da companhia de M3GAN. Uma ótima crítica social para a sociedade atual que sempre está conectado a alguma tecnologia. O diretor tem boas ideias, porém desperdiça momentos que poderiam ser mais agressivos para poder se enquadrar em uma classificação indicativa. 

Nesse sentido, M3GAN sabe onde enfiar a agulha em termos de servir como um aviso, mas erra uma veia ao entregar a tensão e o horror necessários dentro de seus meios modestos e nos limites, tudo de uma maneira coerente. Até a falta de noção de Gemma sobre a criação de filhos funciona principalmente em um nível cômico, provocando uma reação planejada.

O terror está entre os gêneros mais confiáveis ​​de bilheteria desde o início da pandemia, e M3GAN parece prestes a continuar essa tendência. Nesse caso, o M3GAN pode não ser o último modelo a sair da linha de montagem da Blumhouse. Mas espero que venha uma versão 2.0.

Publicidade

Destaque