sex, 2 dezembro 2022

Crítica | Mais que Amigos

Publicidade

Dirigido por Nicholas Stoller e produzido por Judd Apatow, Mais que Amigos evoca conscientemente tropos do apogeu das comédias românticas apoiadas pelos estúdios, incluindo acenos para mais de um clássico de Meg Ryan e uma convincente atuação principal de Billy Eichner. Porém, seu comentário perpétuo sobre a integração da homossexualidade permanece em desacordo com seu próprio desejo de contar sua história dentro do sistema de Hollywood.

No entanto, por um capricho do destino – combinado com um século de inércia – Mais que Amigos, traz um namorado gay semi-doce e sexualmente franco, faz de Eichner o rosto cético e careta da primeira grande comédia romântica de estúdio estrelada por dois gays adultos. Como uma meta-piada dentro do filme, o personagem de Eichner recua quando solicitado a criar uma comédia romântica gay com apelo de massa. “Vou estar no meio de uma perseguição em alta velocidade e de repente se apaixona por Ice Cube?”

Mas o próprio filme já nos entregou uma resposta para essa pergunta: Aceitando a responsabilidade de fazer um sucesso capaz de quebrar o arco-íris de vidro. Não importa quantas ideias ele coloque em seu enredo rápido está fadado a não representar um grupo inteiro de pessoas e sabe que não deveria. Como tal, o desafio de Eichner cria um cúpido em conflito.

Publicidade

O avatar de Eichner na tela, Bobby Lieber, é uma variação estridente de sua persona: Um apresentador de podcast que domina as conversas como se fosse o único com um microfone. Bobby culpa ser solteiro em uma litania de lamentos universais que se encaixam com queixas específicas de queer, digamos, caras no Grindr que digitam “Preciso ver foto da bunda”, forçando-o a buscar um ring light e navalha.

Sendo esta uma comédia romântica autoconsciente, a vida e os planos de Bobby mudam quando ele conhece Aaron (Luke Macfarlane) em uma festa promocional para um novo aplicativo chamado Zellweger (Para gays que querem falar sobre atrizes e ir para a cama). Antes que percebêssemos, os dois decidiram ficar emocionalmente indisponíveis juntos. O que se segue é uma comédia romântica cheia de encontros, sexo, brigas e conhecer a família, tudo com um toque estranho. A trilha sonora repleta de músicas jazzísticas de Nat King Cole ajuda a evocar um outono de Nova York no estilo Nora Ephron.

O dilema do filme não é “eles vão ou não vão?” Luke Macfarlane é habilidoso em uma ruga de sobrancelha labradora que pode fazer qualquer um desmaiar. O suspense vem ao ver Eichner lutando para conciliar seu cinismo de cérebro galáctico com as principais características das comédias românticas: uma corrida na calçada inspirada em Harry e Sally – Feitos Um para o Outro (1989) e um final feliz em que até ele pode acreditar um pouco no amor.

O lado B da história de amor de Bobby e Aaron são os preparativos para abrir o museu. Aqui vemos a paixão de Bobby (e presumivelmente de Eichner) pela história e comunidade queer. O conselho do museu é composto por uma variedade de pessoas queer, incluindo uma lésbica butch, uma bissexual beligerante, uma mulher trans negra e uma pessoa não-binária. Infelizmente, cada personagem parece um clichê, o que provavelmente é intencional, já que todo o filme usa a identidade queer como trampolim para piadas. Muitas das piadas dão certo, porque as pessoas queer sabem rir de si mesmos.  

Ninguém no museu pode concordar sobre quais exposições colocar no interior, uma subtrama que permite que as pessoas queer no filme debatam abertamente quais histórias elas querem contar sobre si mesmas. Ainda deve priorizar as lutas que os héteros conhecem? Há espaço para o ponto de vista de todos? E como os contadores de histórias de hoje podem homenagear pessoas do passado cujas paixões podem ter sido suprimidas ou apagadas? Como resposta parcial a essas perguntas, o conselho cria um Salão dos Bissexuais, onde Amy Schumer e Kenan Thompson interpretam hologramas bobos e sorridentes de Eleanor Roosevelt e James Baldwin. Deixe os estudiosos discutirem sobre a precisão da tela. Ele cumpre o que o filme, como qualquer outra comédia romântica, pretende fazer: encantar o público com um sorriso torto da vida espirituosa e brega.

Embora a maioria dos personagens seja subdesenvolvido, a sagacidade afiada e o humor cáustico de Eichner brilham no diálogo e na comédia situacional enquanto ele espeta muitos aspectos da cultura de namoro gay, desde conexões com o Grindr até uso obsessivo de academia e sexo em grupo.

Publicidade

Mais que Amigos é mais convincente quando se aprofunda na amargura de Bobby. O problema dele não é que o mundo se recusa a apoiar o amor queer. É que aos 40 anos, ele não consegue derrubar as paredes que construiu quando isso não aconteceu. “Estamos com tesão e somos egoístas e somos estúpidos. Eu não confio nessas pessoas”, ele diz a um grupo de amigos ao explicar por que ele prefere algo superficial a qualquer coisa de longo prazo. Bobby é um veterano com cicatrizes de batalha da homofobia do século 20 sofrendo chicotadas do século 21. 

Embora Eichner rejeite essa sanitização da estranheza, as batidas autoconscientes das comédias românticas em Mais que Amigos a encontram pisando nas mesmas águas. No final do filme, Bobby diz ao conselho do museu: “Lutamos como loucos, e sempre brigamos, mas vocês são meu povo”. Esta é a luz orientadora do filme: mostrar os gays como bagunçados, mostrar a comunidade queer como mais do que um monólito, fazer com que eles sejam tão barulhentos e orgulhosos e ocupem o máximo de espaço sendo autênticos possível.

E é realmente ótimo ver um filme de Hollywood dessa magnitude com esse tipo de representação de toda a comunidade LGBTQ. No entanto, ele derrota sua própria mensagem de trazer a história queer e a vida queer para fora das margens quando centra a história de amor entre dois gays brancos cis e convencionalmente atraentes. Eichner é o primeiro a apontar seu privilégio; logo no início, seu personagem ganha um prêmio em uma gala LGBTQ de Melhor Gay Branco Cis do Ano. Mas ser autoconsciente não é tão impactante quanto descentralizar o homem gay branco cis como protagonista, especialmente quando todos os outros personagens queer do filme ainda permanecem à margem da história. 

Para um filme tão focado na importância de integrar a história queer, ele parece se importar muito com os filmes queer que vieram antes dele. Bobby e Aaron discutem com que frequência os atores heterossexuais são elogiados por interpretarem cowboys gays, mas não vão muito além de O Segredo de Brokeback Mountain e Ataque dos Cães (dirigido e estrelado por pessoas heterossexuais). Ao destacar apenas aqueles poucos filmes, Mais Que Amigos é tão culpado de manter a história queer (neste caso, a história cinematográfica) nas sombras quanto aconteceu com as outras facetas que o museu LBGTQ de Bobby supostamente estaria brilhando. 

Mais que Amigos não é um filme perfeito. Mas é uma vitrine de tudo o que ele pode fazer, não apenas jogando com todos os seus pontos fortes, mas também servindo como uma amostra de força completa que atinge todas as batidas emocionais e as batidas cômicas com facilidade, mostrando que ele é um filme queer de comédia romântica que o cinema precisava. 

O filme estreia nos cinemas nesta quinta-feira (6) nos cinemas.

Publicidade

Destaque

The Last Of Us | Confira os novos pôsteres da série!

A HBO liberou hoje (30) pôsteres inéditos de The Last Of Us,...

Adão Negro | Ator revela bastidores dos efeitos visuais do filme; Confira!

Dwayne Johnson revelou no Instagram algumas fotos dos bastidores da...