Dá pra contar nos dedos os filmes brasileiros que tiveram uma continuação. Considerando o gênero da comédia, são menos ainda. O Candidato Honesto, lançado em 2014, é um desses raros exemplos. Neste ano, com direção de Roberto Santucci e estrelado por Leandro Hassum, teremos o Candidato Honesto 2 com estreia prevista para 30 de agosto, em plena campanha eleitoral.

O filme realmente funciona como uma continuação do primeiro. João Ernesto ( Leandro Hassum) passa os últimos 4 anos na cadeia pelos crimes de corrupção que cometeu. Após sair da cadeia, se torna candidato à presidência com ajuda de seu vice Ivan Pires (Cassio Pandolfh). Personagem sinistro alusivo à uma figura da política brasileira, inclusive seu nome é um cacófato que sugere um apelido do político. Ao ser eleito, o País entra em uma grave crise e João Ernesto sofre a possibilidade do impeachment.

Assim como o primeiro filme, o Candidato Honesto 2 segue a premissa do candidato que só consegue dizer a verdade. A mesma premissa de O mentiroso de Jim Carrey, que guardadas as devidas proporções, buscam o humor escrachado e exagerado. Inclusive o próprio Leandro Hassum, durante o filme, ironiza as críticas em relação ao seu estilo de comédia.

O longa é rico em referências e reproduz com precisão o ambiente político e todos os seus componentes, como a mídia, as manifestações e os próprios políticos. Como deve ser, o filme se preocupa em não ser tendencioso e procura satirizar com a mesma intensidade todos os partidos e ideologias políticas.

Mas nem só de “pastelão” vive o Candidato Honesto 2, em uma cena há uma clara referência à obra O Grande Ditador de Charles Chaplin. Em um outro momento, João Ernesto aparece em uma capa de revista com os pés cruzados que remete ao ex-presidente Jânio Quadros que foi flagrado nessa pose durante um impasse político.

O destaque da atuação fica por conta do ator Victor Leal, atualmente no Porta dos Fundos, interpreta um assessor de João e entrega um humor mais ponderado, fazendo um bom contraponto à atuação de Hassum.

O filme deve atingir um boa bilheteria, assim como todas as produções do Leandro Hassum, mas além disso, traz uma leitura muito boa sobre a política brasileira.