qua, 17 julho 2024

Crítica | O Estranho

Publicidade

      Às vezes associamos uma curiosidade genuína sobre o sentido das coisas com a infantilidade. Talvez ao longo da vida, essa sensação de estranhar o que se vê vá se perdendo à medida em que nos acostumamos com o estado atual do que é o mundo, mas talvez esse sentimento perdure e acabe virando uma outra coisa. Seja o motivo do sol aparecer no céu de manhã ou a razão para enchentes acontecerem nas grandes cidades, a vontade de revelar o que há por trás é tão humana quanto qualquer outro aspecto nosso, e nesse sentido O Estranho, de Juruna Mallon e Flora Dias, busca entrar nessa conversa partindo do sentido poético das coisas.

      O filme acompanha Alê (Larissa Siqueira) em uma espécie de cruzada pelo sentido das coisas dentro de um espaço de impermanência. A personagem trabalha dentro do Aeroporto Internacional de Guarulhos, lugar destinado à passagem de pessoas e objetos, um fluxo contínuo de histórias. A sacada aqui é que, a partir dessa rotina, essa história acaba buscando questionar a herança do próprio espaço.

      Atravessando períodos históricos, mas ainda assim buscando repetições, O Estranho, usa de uma série de paralelos e desvios na busca de uma revelação que vem a partir do estranhamento da vida contemporânea. Alê é uma figura que busca por algo que talvez já não exista mais ali mas que de fato já existiu, e a memória que perdura também é atravessada pela constante do espaço. Não é uma constante de forma necessariamente, talvez seja algo como um ambiente que agrega memórias, ou que por vezes as apaga.

Publicidade

      Em certo momento o filme abandona um pouco suas pretensões poéticas em prol de uma abordagem mais direta do registro de memória desse espaço. Entrevistas e depoimentos tomam conta da narrativa como forma de revelar as memórias deste lugar a partir de pessoas reais, quebrando então um compromisso com dramatização, simbologia e contemplação para aproximar essa história da realidade. Essa quebra talvez atrapalhe um pouco o fluxo da obra como um todo e, a partir dessa quebra de unidade, enfraqueça seus segmentos mais poéticos. Independente disso, a mensagem acaba se sobressaindo, dando um sentido maior à obra mesmo dentro dessa desorganização de estilo.

      Essa noção de fluxo é algo que parece importante dentro dessa narrativa, seja pelas recorrentes imagens de fluxos de água, que podem ser pensados também como um exemplo da relação entre passagem e constância, ou pela própria iconografia do aeroporto, como esse espaço de chegadas e partidas programadas. A diferença entre esses dois símbolos acaba ilustrando a crítica que o filme faz à necessidade de apagamento rumo ao suposto progresso, que é acima de tudo uma violência. 

      O Estranho consegue, acima de tudo, construir um relato multifacetado da relação entre o humano e o espaço. Mesmo que um pouco confuso em sua execução, que transita de formatos, esse é um filme que encontra força em diferentes aspectos da memória. Que seja pela sobreposição, repetição ou exposição, parece estar constantemente interessado em investigar seu assunto com alguma paixão. 

Publicidade

Publicidade

Destaque

Divertida Mente 2 | Disney confirma sequência da animação!

Divertida Mente é sem dúvidas um dos maiores sucessos...

Crítica | Tuesday: O Último Abraço

A presença da Morte é ubíqua nas diversas formas...

Crítica | A Filha do Pescador

Em A Filha do Pescador (La Estrategia del Mero),...

Cuide-se Bem Bob Esponja: confira a linha completa!

Vocês estão prontos, botilovers? No ano de celebração dos...
Fabrizio Ferro
Fabrizio Ferrohttps://estacaonerd.com/
Artista Visual de São Paulo-SP
      Às vezes associamos uma curiosidade genuína sobre o sentido das coisas com a infantilidade. Talvez ao longo da vida, essa sensação de estranhar o que se vê vá se perdendo à medida em que nos acostumamos com o estado atual do que é o...Crítica | O Estranho