sex, 23 setembro 2022

Crítica | O Lendário Cão Guerreiro

Publicidade

Não é todo dia que você vê Richard Pryor listado como um dos roteiristas de um novo filme. Isso porque Pryor morreu em 2005. Mas quando vemos seu nome creditado entre os sete escritores de O Lendário Cão Guerreiro, inicialmente vira um choque irracional de otimismo. Se você está se perguntando o que o nome de Pryor está fazendo em uma animação de um cão samurai, é porque o roteiro é creditado a Ed Stone e Nate Hopper – e também a Mel Brooks, Norman Steinberg, Andrew Bergman, Alan Uger e Pryor, que foram os cinco roteiristas de Banzé no Oeste , a comédia de faroeste de Mel Brooks lançada em 1974.

Para quem precisa de um resumo sobre Banzé no Oeste: uma figura política corrupta (Harvey Korman) quer se livrar de uma cidade chamada Rock Ridge que fica no caminho de um projeto ferroviário que o tornará rico. Para criar o caos na cidade, ele nomeia um xerife negro (Cleavon Little) na esperança de que os racistas da cidade reajam exageradamente e destruam Rock Ridge. Quando isso acontecer, a terra será sua.

O Lendário Cão Guerreiro segue essa ideia básica. Mas em vez de racistas, existem gatos preconceituosos. Previsivelmente, eles odeiam cães. E em vez de depender de xerifes para protegê-los, cada cidade tem um samurai. Como parte de seu plano para reivindicar a cidade, o malvado gato Ika Chu  nomeia um cão gentil chamado Hank como samurai. Naturalmente, os gatos não respondem bem.

Publicidade

Adaptar o filme original dessa maneira é uma premissa intrigante. Afinal, Banzé no Oeste, como quase todos os outros trabalhos de Brooks, é um estudo de gênero incisivo, constantemente jogando com a familiaridade do público com convenções e clichês. Pode-se imaginar como um filme desses poderia ser trazido para o espaço animado com homenagens inteligentes que também dissecam ódio e preconceito em um contexto adequado para crianças. É uma visão, no entanto, que o filme não chega nem perto de encontrar.

O cão de olhos arregalados de Hank é rapidamente levado ao status de samurai por um intrigante senhor dos gatos que quer que Hank falhe miseravelmente e planeja que os moradores  desocupem  Kakamucho porque a cidade é uma monstruosidade para a vista do seu novo palácio. Jimbo, um samurai envelhecido em desgraça que relutantemente orienta Hank, da mesma forma que Jim de Banzé no Oeste ajuda Bart.

Hank, é claro, acabará conquistando os moradores felinos de Kakamucho (além de aprender a empunhar uma espada de samurai com sutileza cortante). Isso conta como uma lição sobre preconceito, mas não é algo especialmente emocionante, digno de nota ou engraçado. O Lendário Cão Guerreiro é uma fábula pouco criativa, que mal tem o sabor de uma comédia de faroeste clichê. 

O novo filme da Paramount é desajeitado, um pouco Hank (o protagonista da história), e não exatamente um deleite animado para os olhos. A história está cansada e muitas das piadas utilizadas falham. Tudo isso de lado, ainda é bom para uma risada ou duas, se não apenas porque todo o modus operandis de Mel Brooks é jogar uma centena de piadas na parede na esperança de que 30 delas grudem. Então, o humor aqui, nesta história simples de um cachorro infeliz, Hank (Michael Cera/Paulo Vieira), se tornando o protetor de uma vila de gatos, é literalmente forçado pelas lentes de Brooks como se toda gargalhada em potencial nascesse da filosofia de “o que ele fez?”. As piadas são tossidas e ficam ali, como bolas de pêlo no tapete.

Tudo isso contribui para um projeto extremamente vazio, onde o público-alvo permanece totalmente inconsciente enquanto assistem a uma aventura animada criada por pessoas aparentemente só para se divertir honrando seu ídolo da comédia. O final da “grande jornada” do herói, ajuda a diferenciá-lo de algo que poderia ter sido uma calamidade de desenho animado recheada de celebridades. 

Trocadilhos entram e saem de piadas atuais e fora de contato, aterrissando com frequência o suficiente para manter as coisas divertidas. Porém, não se engane. Esses utensílios não o ajudam a trama a subir, apenas auxiliam a afundar cada vez mais. 

Publicidade

Desde Shrek, muitos filmes de animação encheram seus personagens com vozes de celebridades e referências da cultura pop. O objetivo era entreter as crianças com as cores e os adultos. Com o tempo, as piadas foram ficando cada vez mais distantes de serem fundamentadas na própria história, como se dois filmes separados estivessem lutando para coexistir. O novo filme da Paramount parece o estágio evolutivo final disso. É quase como se este filme tivesse sido criado como uma cartilha de Mel Brooks para pais cujos filhos não estão nem um pouco interessados ​​em assistir aos filmes com os quais seus pais cresceram. E com razão.

A existência bizarra e a patética permite que o filme consiga uma vitória suave no reino lotado da animação derivada. O aspecto da jornada do herói é rotineiro e os meta elementos são exaustivos. Se uma viagem ao ar livre para ver um desenho animado de longa-metragem está em seu futuro próximo, e você se encontra querendo permanecer em filmes animados de teor duvidoso, O Lendário Cão Guerreiro é seu filme.

Publicidade

Newsletter

Destaque

Paddington | Curta para comemorar Jubileu da rainha é lançado no Youtube; Assista!

Paddington e a Elizabeth II se uniram em um curta-metragem....

Crítica | Vai Dar Nada

Estreia nesta quarta no streaming do Paramount+, Vai Dar...

Adão Negro | Ator revela bastidores dos efeitos visuais do filme; Confira!

Dwayne Johnson revelou no Instagram algumas fotos dos bastidores da...