qui, 2 fevereiro 2023

Crítica | Os Fabelmans

Publicidade

“O que faz de um artista um artista?” é uma pergunta antiga. E é irrespondível. Não há uma grande verdade sobre a vida e, honestamente, fazer a pergunta serve apenas para refletir nossas próprias inseguranças: nossa sensação de que, se tivéssemos tido a mesma revelação que um artista teve quando tinha cinco anos de idade, poderíamos ter tido o mesmo sucesso. Isso não é interessante. Amadeus, por exemplo, é ótimo por causa da percepção de que o gênio existe no mundo, e nós apenas temos que viver com isso.

A ode imaculada e comovente de Steven Spielberg à sua jornada de se apaixonar por filmes irá lembrá-lo de si. Desde o momento em que você vê seu primeiro filme, até a primeira vez que você grava um vídeo e tenta recriar exatamente como o que você viu. Sua memória talvez possa repetir esses momentos como um filme em si, mas eles nunca serão tão bons quanto o momento de ajuste de contas de Spielberg. Ele cultiva aquela muda e a alimenta como só ele pode produzir um dos melhores filmes do ano para assistir como um amante do cinema. Se o Cinema Paradiso (1988) inspirou uma geração, Os Fabelmans é o nosso momento de nos apaixonarmos novamente.

Publicidade

Como o título sugere, o filme gira em torno dos Fabelmans, liderados por Burt (Paul Dano) e Mitzi (Michelle Williams). Entre os quatro filhos, Sammy (interpretado primeiro por Mateo Zoryan e depois por Gabriel LaBelle) é o nosso foco principal. Sammy  encontra sua vocação artística no momento em que seus pais o levam para ver O Maior Espetáculo da Terra (1952). O que prende o jovem Sammy não é o romance emocional e trágico entre dois trapezistas, mas o momento em que o trem do circo bate contra um carro. Ao contrário do coração emocional da história, é o espetáculo que afeta o jovem e impressionável Sammy. A narrativa oscila entre sua maioridade e um drama familiar extático que se desenrola quase involuntariamente para o espectador. Spielberg tem controle total sobre seus recursos criativos e mantém o formato da história o mais simples possível.

Uma informação importante: Sammy é Steven Spielberg. Se você já leu um artigo sobre o cineasta, provavelmente reconhecerá algumas das histórias e anedotas de Os Fabelmans. Há também momentos com pistas visuais que fazem referência direta a alguns de seus filmes – por exemplo, uma cena tirada do início de Indiana Jones e a Última Cruzada (1989). E outro que poderia ter sido do Império do Sol (1987). Com a ajuda do escritor Tony Kushner, Spielberg estrutura suas memórias para dar sentido à sua vida. A linha entre o que é real e o que é pura dramatização é propositalmente borrada, porque a afirmação de Spielberg é: “é assim que eu me vejo”. E como ele é incrível.

A autorreflexão é responsabilidade de um artista? Os Fablemans não é uma autobiografia, mas é o mais próximo possível da realidade. Em cada momento, Sam aprende algo importante sobre a vida que ele pode reaproveitar como um tema emocional de um de seus filmes caseiros. Como na cena em que Sammy filma sua mãe dançando com um vestido transparente na frente de seu pai e amigo da família Benny (Seth Rogen). Nessa estranha sequência febril de aparente tom freudiano é difícil encontrar alguma sutileza.

A vida do filme são os atores. Williams, Dano, Gabriel LaBelle e um impressionante Seth Rogen adicionam uma força imensa ao seu tecido emocional. Eles se tornam a personificação viva da imaginação de Spielberg, exibindo perfeitamente seus talentos. Dano e Williams conseguem vários momentos brilhantes no filme. A dupla interpreta personalidades contrastantes, provando assim serem complementares à disposição um do outro. É surpreendente como eles nunca se parecem com os personagens do filme. Na verdade, essa é a maior força de Os Fabelman. Esse tipo de cinema imita a condição humana o mais próximo possível de qualquer meio. Você pode escolher uma parte de si mesmo nesses personagens que representam intransigentemente essas complexidades.

Spielberg ainda encontra tempo e lugar no filme para explorar algumas de suas inseguranças. O grande clímax é uma escolha curiosa que diz mais sobre as ansiedades do diretor do que qualquer outra coisa. Ele aprende como diferentes pessoas reagem de maneira distinta ao seu trabalho, neste caso, uma montagem de um passeio escolar à praia. A maioria dos colegas verá isso como puro entretenimento. Para o valentão da turma, será uma vergonha. E para o atleta, retratado como um herói branco americano, é um visual que ele luta para aceitar.

Publicidade

Spielberg/Sammy percebe que seu talento pode criar uma realidade distorcida, um mundo caiado, que não reflete a verdade. É a percepção de que o sonho americano é uma invenção de Hollywood. Spielberg se tornaria o padrão da hegemonia cultural na América de Reagan. Parte da cidade brilhante nas colinas foi construída sobre os conceitos que ele e seus colegas cineastas dos anos 80 desenvolveram. É um pensamento sombrio, mas Spielberg revela outro lado dessa filosofia – que até agora, o fraco garoto judeu nerd não sabia contar as histórias sobre sua vida.

O momento de amadurecimento de Sammy e aquele encontro final com “o maior diretor vivo do mundo” deixam uma lição importante para você. E o fato de vir diretamente de Spielberg o torna ainda mais cativante. Faça o que você ama. Encontre algo que te dê vontade de voltar no dia seguinte e começar tudo de novo com o entusiasmo do dia anterior. As paixões vivem e morrem com sua vontade de persegui-las. Contra todas as probabilidades, às vezes até mesmo de sua família, você deve persistir e descobrir a força de caráter para se tornar abnegadamente uma fonte de luz para os outros por meio de seu trabalho.

O filme termina com uma grande piada visual que quebra a quarta parede para nos lembrar que foi aqui que a jornada de Spielberg começou. Está no final de uma anedota sobre o encontro com John Ford (interpretado de forma hilária por David Lynch) e é pontuado com o tipo de piada visual que muitos diretores adorariam incluir em um de seus filmes. É engraçado porque Spielberg nunca gostou desse tipo de meta-comentário. Ainda assim, depois de tanto tempo remoendo suas próprias memórias, no final ele se permite piscar para o público. Os Fabelmans podem não ser seu último filme, mas se sua carreira parar por aqui, este é um excelente último parágrafo.

 Os Fabelmans estreia no Brasil nesta quinta-feira (12). 

Publicidade

Destaque