Início Críticas Crítica | Persuasão

    Crítica | Persuasão

    0
    226

    Jane Austen completou o manuscrito de Persuasão em 1816, um ano antes de sua morte. Mas mesmo assim, há mais de 200 anos, ela antecipou a conversa que Hollywood está tendo hoje, colocando estas palavras na boca do capitão Harville: “Acho que nunca abri um livro na minha vida que não tivesse algo a dizer sobre a inconstância da mulher. Canções e provérbios, todos falam da inconstância da mulher. Mas talvez você diga que tudo isso foi escrito por homens.” Persuasão (2022) é a mais nova adaptação de uma história de Jane Austen. Produzido pela Netflix, o filme conta com Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza) no papel da protagonista Anne Elliot.

    Embora os trabalhos originais sejam bem-vindos, Austen faz uma escolha óbvia para as diretoras se adaptarem. Persuasão é um bom material para se trabalhar, mas a diretora britânica Carrie Cracknell fez uma coisa estranha com o livro: ela tentou modernizá-lo, emprestando muito dos artifícios que Fleabag usa (com sua quarta parede e quebrando truques). Enquanto escala uma estrela estadunidense de espírito livre e totalmente liberada, Dakota Johnson, como protagonista. Anne Elliot é brilhante, com o coração partido e, na idade madura, enfrenta o risco de ficar solteira por toda a vida e ter que esquecer aquele que ela amou há 8 anos. 

    Persuasão é um romance curioso em que, para o público contemporâneo, não há nada que realmente mantenha seus dois amantes separados. Não mais, pelo menos. Alguns anos atrás, Wentworth – “um marinheiro sem posição ou fortuna”, interpretado pelo robusto Cosmo Jarvis (Lady Macbeth) – pede Anne em casamento, e ela aceita, mas sua família aristocrática desaprova a união, e ela foi persuadida a romper o noivado. 


    O pai descaradamente vaidoso de Anne, Sir Walter (Richard E. Grant, um grande narcisista) deve alugar a propriedade da família, Kellynch Hall, reintroduzindo o homem por quem o coração de Anne ainda palpita em seu círculo – só que agora, Wentworth é um oficial de fortuna suficiente para merecer sua mão. Certas nuances de classe e estado social ainda estão em seu caminho, mas poucos entre os espectadores da Netflix do filme apreciarão esses obstáculos.

    Para os propósitos de Cracknell, o problema é que nenhum dos personagens tem certeza de que o outro ainda sente o amor que eles compartilharam, e então esperamos os 100 minutos necessários para que eles professem seus sentimentos e continuem com o casamento que amarra todos os livros de Austen. Com este romance, no entanto, ela deixou bem claro que os casamentos ingleses nos tempos georgianos não eram sobre sentimentos; eram contratos sociais destinados a sustentar a riqueza e a posição de uma família. Quando a emoção e a vantagem se alinham, no entanto, onde está o conflito?

    Dividindo o crédito, os roteiristas Alice Victoria Winslow e Ron Bass transformam sua heroína em algo muito diferente do que Austen descreve – ou do que as adaptações para a tela anteriores imaginavam. Anne foi interpretada com um eufemismo doloroso por Sally Hawkins e Amanda Root nas versões anteriores. Nas palavras de Austen, “Anne Elliot era uma garota muito bonita, mas sua flor havia desaparecido cedo”. Ela agora está “desbotada e magra”, a mais complacente das filhas de Walter, enquanto Dakota Johnson parece estar no auge de seus poderes. Infelizmente Johnson foi totalmente mal direcionada para o papel. 

    A diretora aborda o projeto com confiança e uma visão clara (claramente derivada). Suas composições são impressionantes e românticas às vezes, embora ela tenha um senso estranho de sua protagonista: Anne gosta de seu vinho, carrega um coelho de estimação como adereço, e depressivamente se lamenta sobre cenários com paredes em tons pastel e pinturas a óleo em molduras de ouro. No romance, o senso de propriedade de fala mansa de Anne prolonga sua miséria, enquanto aqui ela é uma narradora afiada e sem filtros, fazendo julgamentos mordazes de sua família por toda parte. Ela regularmente se vira diretamente para a câmera e lança ao público um olhar cúmplice, como se dissesse: “Viu o que quero dizer?” ou “Você pode acreditar nessas pessoas?” Uma versão descarada de Fleabag. 

    E, no entanto, apesar dessa tendência abertamente desobediente, ela é cercada por todas as convenções sociais antigas em jogo, que incluem ficar de braços cruzados enquanto a cunhada de 19 anos Louisa (Nia Towle) flerta abertamente com Wentworth, e uma proposta rival do parente distante William Elliot (Henry Golding). A Anne que conhecemos neste filme não seguraria a língua enquanto essas coisas aconteciam. Então, o que ela está esperando? Um pedido de desculpas de Wentworth? Foi ela quem rejeitou sua oferta anterior. Talvez a mente possa ser persuadida de razões para rejeitar o amor verdadeiro, como Anne foi há tantos anos, mas no final, o coração quer o que quer.

    Persuasão está disponível na Netflix.

    Publicidade