Crítica | Planeta dos Macacos – A Guerra

Veja nossos últimos stories

E ontem rolou a pré-estreia de Planeta dos Macacos : A Guerra, o aguardado encerramento da epopeia do macaco César (interpretado pelo genial Andy Serkis), agora já maduro e líder incontestável dos símios.

O Estação Nerd esteve nessa pré-estreia que rolou no Cinemark Eldorado (SP) numa sala temática especialmente desenvolvida para o filme e onde na sequência aconteceu a entrevista coletiva com o ator Andy Serkis e nós também participamos.

A experiência já começa logo na entrada da sala, onde passamos por um portal e um corredor que remete a uma das cenas mais tensas do filme, ao som de parte da trilha sonora e ruídos de macacos ao fundo. A sala em si está transformada numa floresta, toda verde e com vegetação até nas escadas, e a música ainda presente. Ou seja, já entramos totalmente no clima do filme antes mesmo dele começar. E assistir em IMAX faz toda a diferença.

Apesar de se chamar A Guerra, esse não é o principal enfoque da narrativa, que desta vez mostra mais a sociedade criada pelos macacos inteligentes e sua saga para encontrar a paz e um bom lugar para viverem.

Mas os humanos sobreviventes ao vírus que dizimou boa parte deles ainda dão trabalho e um ataque surpresa do grande vilão desse filme, o Coronel (Woody Harrelson), ao grupo de César o faz se separar de seu grupo e buscar uma vingança pessoal. Como o próprio Serkis disse na entrevista, o tema principal do filme é a empatia, e quando César perde a sua, o filme assume tons de drama, o que o diferencia das sequências anteriores.

Em sua jornada cheia de ódio, César acaba nos trazendo diversas reflexões sobre valores e sentimentos enquanto seu olhar (e o nosso) vai se transformando ao longo da longa busca pelo seu oponente.

- Advertisement -

Durante o caminho algumas boas surpresas como o alívio cômico Bad Ape (Macaco Mau) na voz de Steve Zahn, e a garotinha adotada pelo sábio orangotango Maurice (Karin Konoval) que os fãs do clássico de 1968 já devem ter pescado a referência.
O confronto final é uma sequência de ação com muita adrenalina e marcado pelo reencontro de César com a sua empatia perdida no começo do filme.

A tecnologia de captura de movimentos nesse filme é tão impressionante que deixa uma linha tênue de percepção entre a realidade e a computação gráfica e o diretor Matt Reeves sabe explorar bem isso nas cenas, como na sequência inicial onde começa com a perspectiva dos humanos e quando a batalha começa essa percepção é invertida. Cada expressão dos macacos revela todas as emoções conflitantes vividas por eles tanto nas batalhas quanto nos longos momentos de silêncio reflexivo e diálogos em linguagem de sinais, e isso é impressionante ao lembrarmos que são rostos digitais.

Andy Serkis está brilhante nesse longa, em uma de suas melhores interpretações.
Sem dúvidas um dos melhores filmes do ano.

Revisão Crítica

Nota

Deixe sua opinião!

Instagram

AS MAIS LIDAS

Duna – Confira a crítica do filme Mês do Horror – Qual filme marcou sua vida? Duna – Confira a crítica do filme Peçanha Contra o Animal – Confira a crítica do filme The Batman – Confira o trailer animado do filme What If…? – Confira o ranking dos episódios