Início Críticas Crítica | Ponto Vermelho (Red Dot)

    Crítica | Ponto Vermelho (Red Dot)

    11
    2888

    Um casal faz uma viagem para reacender a chama do seu casamento, mas vê-se obrigado a fugir de um atirador desconhecido no meio de uma região inóspita da Suécia. Ponto Vermelho é o novo suspense da Netflix que trata sobre a velha máxima da vingança.

    Ponto Vermelho possui uma classificação indicativa elevada, mas pouca violência ou situações de tensões são vistas neste suspense que possui como ponto alto as suas reviravoltas. A trama começa apresentando o casal protagonista e nos seus primeiros vinte minutos nos aproxima dos mesmos, revelando como eles se conheceram e contando sobre os seus dramas. O maior problema que o diretor Alain Darborg (The Master Plan) tem aqui, é que ele leva sua trama em banho maria durante quase uma hora e só acelera a história no seu derradeiro terceiro ato. A trama sobre pessoas sendo caçadas por outras pessoas, não é novidade e o diretor aposta em fazer o feijão com arroz. A fotografia e os belos cenários amenizam o problema do ritmo. O roteiro escrito por Per Dickson pode num primeiro momento parecer confuso, mas isso é proposital. No fim as peças iram se encaixar. As atuações são boas, no geral, e o casal é eficaz.

    Ponto Vermelho tem um plot twits memorável que com um pouco mais de urgência nas situações e com mais cenas que justificassem a classificação elevada, esse longa seria um filme inesquecível. O lado bom é que podemos ver outros modos de fazer cinema. No fim, vale a pena conferir esse suspense sueco na Netflix.

    Publicidade

    11 COMENTÁRIOS

    1. Tô assistindo. E torcendo pros bandidos matar o casal protagonista, só reclamam.uma perda de filmes nota 1.pq o cachorro era bom.

    2. Uma porcaria, só assisti pq vi em um site elogiando muito, dizendo que foi o melhor filme dos últimos tempos, uma baita mentira.

    Deixe um comentário