Crítica | Quando Margot Encontra Margot

Dirigido por Sophie Fillières, traz a premiada atriz francesa Sandrine Kimberlain como Margot, uma mulher de 45 anos que, numa festa encontra Margot, uma jovem de 25, interpretada por Agathe Bonitzer. Depois de algumas conversas, e da descoberta de muitas coincidências, constatam que são a mesma pessoa em momentos diferentes de suas vidas.

O longa é o primeiro a entrar no circuito Caixa de Pandora na rede de cinemas do grupo Cinépolis em 24 cinemas de 24 cidades do Brasil e mais algumas salas e cidades adicionais que completam o circuito exibidor da comédia francesa.

Contradizendo tudo que foi citado acima pela organização do filme e todos os sites, eu digo que trata-se de um filme confuso, e um tanto quanto chato.
Já deixo claro de agora, que não é o tipo de filme que eu pagaria ingresso para assistir, o trailer não me chamou atenção e a história ainda menos.
Considerando tudo que já vi, é estranho assistir à uma Margot mais velha forçando a Margot mais nova à ficar com seu namorado e faz com que ela repita tudo que fez quando tinha seus 25 anos.


Não dá para acreditar que uma jovem de 25 anos que vive nas noitadas de Paris resolva trocar a sua vida despreocupada por seguir conselhos de alguém que nunca viu, mas que o mesmo nome, é alguns anos mais velha, só porque tem algumas semelhanças, e então a faça pensar que são a mesma pessoa em fases diferentes da vida.

Achou confuso o que estou falando? É porque o filme é muito louco!

Acaba sendo mais estranho ainda, a jovem Margot acreditar em tudo, dormir com Marc, mentir para a Margot mais velha e acordar todos os dias e continuar seguindo a vida com eles, fumando, realizando testes de gravidez e muitas outras coisas que são sugeridas pela Margot mais velha, porque ela já fez isso.

Muitas cenas do filme são entediantes, porém, os locais onde rolaram as gravações são lindos, os atores são bons, e dá até vontade de viajar.
Os atores atuam tão bem, que as cenas em que estão sem roupas, são super naturais, parece até mesmo que eles estão em casa, na sua própria intimidade, e não gravando um filme.

Para quem curte filmes franceses, não deixe de assistir! Agora, para as pessoas que assim como eu não gostam de histórias enroladas e entediantes, fiquem em casa, porque serão as 1h35m mais longas que vocês irão vivenciar.

Deixe sua opinião!

INSTAGRAM

SE LIGA

Crítica | La Casa de Papel – Parte 3

“Una mattina, mi son' svegliato..." Nessa nova temporada, a “Bella Ciao” vem com outro significado: Por la familia! O...

Os 10 melhores filmes de 2018

A cada ano que passa somos surpreendidos com filmes cada vez melhores. Muitos, claro, já são aguardados por serem alguma continuação. Outros são ótimas...