qua, 17 agosto 2022

Crítica | Sandman

Publicidade

Já se passaram 32 anos desde que a primeira edição de The Sandman, de Neil Gaiman, chegou às bancas de quadrinhos, e os fãs clamam por uma adaptação do material há tempos. Embora seja quase impossível corresponder ao tipo de expectativa que vem com tanta força, Gaiman, Allan Heinberg, David S. Goyer e a equipe por trás da nova série da Netflix não apenas as atenderam – elas as superaram.

Sandman é uma história grande e ousada de deuses e demônios, tão profunda e rica que a ideia de amontoar suas maravilhas em 10 episódios parece ridícula. No entanto, esta é a era da televisão de fantasia de mega orçamento, com a chegada iminente de um Senhor dos Anéis em tela pequena e o retorno do universo de Game of Thrones com House of the Dragon. Com sua temporada de estreia, Sandman pode ficar orgulhosamente entre eles, embora como seu irmão gótico mais velho.

The Sandman. (L to R) Kirby Howell-Baptiste as Death, Tom Sturridge as Dream in episode 106 of The Sandman. Cr. Courtesy Of Netflix © 2022

Sandman da Netflix é uma adaptação direta das histórias “Prelúdios e Noturnos” e “A Casa das Bonecas” dos quadrinhos de Gaiman e, além de atualizar o tempo em que ocorrem os fatos e algumas mudanças importantes aqui e ali, é quase uma visão página por página das histórias que tanto amamos. Páginas que muitos de nós amamos há décadas saltam para a tela, transportando o espectador para o sonho de maneiras com as quais só poderíamos sonhar.

Publicidade

Os primeiros episódios existem firmemente no reino da fantasia. É o tipo de série que mergulha o telespectador em seu mundo imediatamente, colocando o Sandman em sua jornada de descoberta. A história começa em 1916, quando Lord Morpheus, ou Dream (Sonho em inglês), ou Sandman, ou Lord Morpheus para lhe dar seu nome de pedigree (um vigoroso tipo Robert Smith, interpretado com mau humor por Tom Sturridge), é capturado por engano pelo sinistro de Charles Dance  que se intitula como mago.

O mago quer aproveitar o poder da Morte para entrar em um ponto de necromancia e reviver seu filho favorito que foi morto na guerra. Em vez disso, ele acaba com Morpheu e o prende em uma esfera de vidro. Por um tempo, o cenário do período parece uma versão sombria de Downton Abbey, mas logo fica claro que isso é muito expansivo para se ater a uma era ou a um gênero. Ao longo da série, o tempo voa e saltamos por diferentes períodos, cidades e reinos. Tudo parece bastante, mas funciona bem.

Em parte, isso ocorre porque o ritmo é meditativo. Uma vez que a configuração da cena e a construção do mundo tenham sido feitas, ele tem confiança para levar o tempo que for necessário para as grandes coisas. Não é atoa que a temporada é composta por 10 episódios com quase 48 minutos de duração. Muitos espectadores vão adorar seus elementos mais fantásticos, desde uma das melhores batalhas de imaginação com Lúcifer (Gwendoline Christie) até uma criatura mítica fofa chamada Gregory. 

Tom Sturridge está etéreo como Sonho, é fantástica a direção que ele recebeu para encarnar o personagem. De suas cadências de entrega e fala ao pequeno e quase involuntário sorriso que vem quando Morpheus se diverte apesar dele ser ele mesmo… é impossível imaginar outra pessoa no lugar.

O Coríntio de Boyd Holbrook é tão suave e assustador quanto deveria ser; a Morte, de Kirby Howell Baptiste, é extremamente empática e humana, apesar do trabalho pelo qual é responsável; Lúcifer de Gwendoline Christie é tão imponente quanto você espera; e Desejo de Mason Alexander Park é simplesmente delicioso. Jenna Coleman é forte como a bagunçada e durona Johanna Constantine, uma contração de John e Johanna em um personagem (ou dois), cujos pesadelos são acompanhados apenas por seus deveres de exorcista. O grande elenco é excelente, com uma capacidade impressionante de entregar falas que poderiam ter soado excessivamente literárias ou complicadas de maneiras que não soam nem confusas nem artificiais. 

Exércitos de pessoas deram vida a Sandman na telinha. Cada um deles é extremamente importante para o sucesso do programa, mas não se pode dizer o suficiente sobre o trabalho da diretora de elenco Lucinda Syson no projeto. Você provavelmente já leu mil artigos de notícias diferentes sobre o elenco desta série por um motivo. A série não funciona por um segundo se você não acredita que as pessoas que retratam os Perpétuos são, bem, infinitas, e isso absolutamente aparece aqui.

Publicidade

A série é cativante desde o início. Consegue ser brincalhona, e certamente grandiosa. Mas acima de tudo, é obscura. Corpos explodem, membros são decepados e demônios rastejam da boca de jogadores profissionais de futebol, com o punho em primeiro lugar. Aninhado entre seus espetáculos mais grotescos, porém, está uma profundidade emocional que eleva isso muito além do usual.  Dado ao material de origem, isso não é de admirar. Para os fãs, pode ter valido a pena a longa espera, mas para os recém-chegados ao mundo do Sandman, há muito para descobrir.

Publicidade

Newsletter

Destaque

Crítica | Vai Dar Nada

Estreia nesta quarta no streaming do Paramount+, Vai Dar...

Ambulância | Suspense com Yahya Abdul-Mateen II ganha novo cartaz oficial; Confira!

A Universal Pictures liberou um novo cartaz do longa do suspense Ambulância:...

Lista | Filmes para você assistir nesse Halloween

Hoje é comemorado o Halloween, ou, para nós brasileiros,...