qua, 17 julho 2024

Crítica | Sweet Tooth (3ª temporada)

Publicidade

A fábula pós-apocalíptica da Netflix, Sweet Tooth, sempre valorizou a jornada mais do que o destino. A adaptação livre dos quadrinhos de Jeff Lemire brilha como uma série de viagens, seguindo o jovem híbrido menino-cervo Gus (Christian Convery) pelos Estados Unidos em busca de sua mãe e, talvez, de uma cura para a doença que dizimou grande parte da humanidade. Infelizmente, sua terceira e última temporada se perde ao introduzir novos personagens e mitologia, enchendo o tempo com monólogos e ação sem graça que tornam a estrada até o belo e satisfatório final da série.

A terceira temporada faz algumas adições fortes à fórmula de Sweet Tooth, que envolve Gus, seus amigos e protetores vagando por um mundo arruinado, onde encontram outras pessoas com suas próprias histórias complicadas e estratégias de sobrevivência. O conflito geracional central entre os últimos humanos sobreviventes e os híbridos é enfatizado com uma parada em um cassino onde um grupo de idosos rabugentos acumula recursos, e Gus aprende que não pode contar apenas com sua sorte ou charme para resolver todos os problemas. Outro episódio doce usa o medo de uma família de ter um filho híbrido para aludir às maneiras pelas quais alguns pais empurram seus filhos para a conformidade em nome de protegê-los.

Reprodução: Netflix

Essas parábolas não são sutis, e como contos episódicos sinceros, elas conseguem se tornar um tanto cansativas. Infelizmente, a terceira temporada também se desvia de seus personagens principais por muito tempo, introduzindo um novo conjunto de personagens que, apesar de ocuparem tempo de tela, nunca são realmente desenvolvidos. Grande parte de Sweet Tooth girou em torno da inocência de Gus e de seu poder de trazer à tona o melhor nas pessoas: o jogador de futebol que se tornou caçador de híbridos, Thomas “Big Man” Jepperd (Nonso Anozie), tornou-se o guardião de Gus, enquanto Becky (Stefania LaVie Owen) – que uma vez travou uma guerra para proteger híbridos como líder do Exército Animal – começou a buscar soluções mais pacíficas. Isso torna ainda mais decepcionante ver Cara Gee – que trouxe tanta nuance ao seu papel em The Expanse – sendo desperdiçada no papel de Siana, a líder benevolente de um posto de pesquisa no Alasca com o qual a mãe de Gus aparentemente tem trabalhado.

Publicidade

Nada sobre o posto de pesquisa faz sentido. Supostamente evitou a contaminação devido ao seu isolamento, mas vemos que é acessível tanto por avião quanto por navio (e às vezes com uma simples caminhada). Não há explicação de como Siana acabou no comando, ou por que sua filha adoravelmente travessa – uma híbrida meio raposa do Ártico chamada Nuka (Ayazhan Dalabayeva) – é a única criança por lá. Eu não consegui lembrar os nomes de nenhum dos outros novos personagens após oito episódios e certamente não estava investido em suas cenas de luta superficial envolvendo arpões e equipamentos esportivos. Becky e sua irmã Wendy (Naledi Murray) acabam largamente relegadas a essa trama, o que é um desserviço aos personagens. Elas merecem mais tempo para brilhar por conta própria ou ao lado dos verdadeiros protagonistas de Sweet Tooth.

Jepperd ao menos tem motivações mais fortes enquanto busca proteger Gus do assassino de híbridos Dr. Singh (Adeel Akhtar), cuja crença de que Gus detém a chave para sua própria redenção (e a da humanidade) assume um zelo religioso nesta temporada. Akhtar traz uma mania perturbadora para o papel, seus olhos brilhando atrás de seus óculos enquanto prega sobre seu destino e tenta se estabelecer como outro guardião para o menino com chifres.

Reprodução: Netflix

Sweet Tooth não parece ser uma série que precisa de respostas definitivas para seus mistérios, e as tentativas de juntar as peças na temporada final parecem desajeitadas. Há muita conversa sobre destino para justificar vários personagens convergindo para o mesmo local. Existem dispositivos de narrativa desleixados, como um personagem prometendo levar uma informação para o túmulo apenas para se descobrir que havia um mapa em sua casa, e os conflitos sociais são resolvidos com muita frequência por meio de um monólogo inspirador. Outras vezes, a série recorre a sequências de ação de aparência barata com poucas apostas reais, como uma avalanche aleatória ou uma perseguição de snowmobile sem propósito.

Depois de se estabelecer brevemente como uma ameaça na última temporada, a magnata texana Helen Zhang (Rosalind Chao) assume o papel de vilã principal na terceira temporada com a ajuda de sua filha, a muito mais conflituosa Rosie (Kelly Marie Tran). Vestida com um casaco de pele e liderando um bando de bandidos com chapéus de cowboy que dirigem caminhões decorados com chifres de boi, Helen é exagerada. Sua crueldade em relação à sua filha e netos híbridos se encaixa perfeitamente com os temas da série de priorizar os laços de família encontrados sobre as obrigações de sangue. Rosie anda habilmente na corda bamba da ambiguidade moral, seu rosto frequentemente assumindo uma máscara de ferocidade que parece prestes a quebrar e derramar todo seu trauma. É a prova de que a série é capaz de desenvolver novos personagens de forma orgânica, o que torna a inserção desajeitada da equipe do posto de pesquisa ainda mais fraca.

Toda essa desconfiança, infelizmente, fez de fato jus aos episódios finais. Dividida em oito episódios com média de 50 minutos de duração cada, a nova temporada passa bem longe da magia da primeira, sem grandes surpresas, reviravoltas ou personagens que despertem aquele encanto da primeira vez.

Sweet Tooth é uma série sobre descobertas, mas luta para encontrar seu caminho na temporada final. Embora a terceira temporada conduza a uma bela conclusão que recompensa os temas da série, a introdução de muitos novos personagens e respostas insatisfatórias para os mistérios da série tornam muito fácil desistir da jornada antes do fim.

Publicidade

As três temporadas completas de Sweet Tooth estão disponíveis na Netflix.

Publicidade

Publicidade

Destaque

Divertida Mente 2 | Disney confirma sequência da animação!

Divertida Mente é sem dúvidas um dos maiores sucessos...

Crítica | Hachiko: Para Sempre

Histórias com cachorrinhos sempre são um tópico sensível para...

Crítica | A Filha do Pescador

Em A Filha do Pescador (La Estrategia del Mero),...
A fábula pós-apocalíptica da Netflix, Sweet Tooth, sempre valorizou a jornada mais do que o destino. A adaptação livre dos quadrinhos de Jeff Lemire brilha como uma série de viagens, seguindo o jovem híbrido menino-cervo Gus (Christian Convery) pelos Estados Unidos em busca de...Crítica | Sweet Tooth (3ª temporada)