qui, 9 junho 2022

Crítica | The Boys (3ª Temporada)

Publicidade

The Boys, série da Prime Video, trama sobre super-heróis criados pela empresa Vought consegue adicionar à narrativa ainda mais sexo e muita violência. A produção descartou todas as possibilidades das boas maneiras e bons costumes. A terceira temporada entrega tudo o que os fãs já esperavam e mais um pouco.

O final da segunda temporada nos deixou com a esposa de Butcher, Becca, acidentalmente morta pelas mãos (ou melhor, olhos de laser) de seu filho Ryan e Stormfront gravemente ferida no mesmo ataque. A empresa Vought estava em conluio com a Igreja do Coletivo (uma indireta nada sutil da Cientologia), enquanto muitas cabeças estouradas atrapalharam um pouco a audiência do Congresso sobre os possíveis crimes da Vought. Homelander estava coberto de sangue, frustrado por Butcher e Maeve, privado de sua namorada nazista/aquisição mundial. O lançamento mainstream do Composto V estava em espera e Hughie correu alegremente para trabalhar para a congressista Victoria Neuman, sem saber que ela é a chefe.

Prime Video/ Divulgação

Quando a terceira temporada de The Boys estreou seus três primeiros episódios nesta sexta-feira (3 de junho) na Prime Video, mesmo o mais agnóstico de sátira entre nós, terá que admitir que a série traz frequentemente esse elemento em sua narrativa. Embora a série sempre tenha sido à frente de seu tempo, ao prever tendências culturais estadunidenses infelizes, a nova temporada é um observador particularmente astuto do cenário atual e oferece uma aula de mestre sobre narrativa satírica. O impulso é compreensível, pois às vezes o mundo é tão intensamente bizarro que não parece haver muito sentido em exagerá-lo ainda mais.

Publicidade

No início da terceira temporada, Homelander ainda está furioso e essa raiva apenas aumenta quando embarcam em uma campanha de imprensa destinada a reabilitá-lo após toda a sua passagem pró-fascismo com Stormfront. E isso antes do Deep (Chace Crawford) começar a aparecer por dentro com sua autobiografia bem recebida e filme sobre como escapar da igreja. Starlight, cada vez mais popular, se torna co-capitã dos Sete. Tão importante quanto o choque que os minutos de abertura desta temporada proporcionam, no entanto, é o quão economicamente ele alcança os espectadores com cada personagem do extenso elenco da temporada.

Temos a presença do novo empreendimento da Vought:  o Temp V – uma versão modificada do composto que pode dar a qualquer um poderes de super-herói por 24 horas. Que será usado de maneira exagerada por alguns personagens. Com Temp V, nada pode dar errado (ou não).

Os próprios Boys estão apoiando o trabalho de Hughie no Federal Bureau of Superhuman Affairs, rastreando super-heróis desonestos, embora ele descubra no final do episódio que Neuman não é tudo – ou melhor, não é mais do que – ela parece. A trama acompanhará a descoberta de uma misteriosa arma anti-super, que Butcher acha para deter os heróis e principalmente o Homelander. Assim, iniciando uma guerra e investigação da lenda do primeiro super-herói: Soldier Boy (Jensen Ackles). No geral, The Boys insere poucas mudanças na trama principal — a disputa entre Butcher e o Capitão Pátria—, mas abre pontos interessantes para o futuro.

Embora Butcher e Homelander conduzam grande parte do enredo em The Boys por pura necessidade, a série é boa em dar a alguns de seus personagens menos poderosos arcos lógicos e satisfatórios também. Personagens como Annie January conhecida também como Starlight (Erin Moriarty), Kimiko (Karen Fukuhara) e Queen Maeve (Dominique McElligott) se baseiam na atrevida campanha da Vought “Girls Get It Done” da última temporada para apresentar pela primeira vez como os olhos e ouvidos do público dentro de Vought na primeira temporada, Annie também se transformou lindamente em sua consciência e é ela quem lida com as questões morais mais provocativas levantadas na terceira temporada.

Na verdade, a terceira temporada está cheia de todo tipo de perguntas provocativas que podem ou não ter respostas. The Boys manteve-se firme em seus temas e motivos ao longo de sua execução, examinando conceitos como a histórica aproximação da América com o fascismo, as relações entre pais e filhos e o poder absoluto que corrompe o ser humano. A série adiciona outro tema importante ao enredo: até onde as pessoas boas devem ir para derrotar o mal? Em um ponto importante da saga, Hughie pronuncia o que poderia ser o slogan da temporada “A estrada não funciona. Estou tão cansado de perder.” É uma pergunta válida, nascida da frustração que se reflete assustadoramente em grande parte do nosso discurso político hoje.

É ao explorar essa questão que The Boys esbarra em sua primeira introdução de personagem importante do ano. O Soldier Boy de Jensen Ackles é provocado desde o início e, uma vez devidamente apresentado, se encaixa no universo do programa perfeitamente. Ackles se inclina para as inevitáveis ​​comparações do Capitão América que seu personagem pronto-super-herói convida, entregando falas com um rosnado heroico, embora na verdadeira moda dos meninos, a maioria dessas falas seja preconceituosa, misógina e simplesmente grosseira. Soldier Boy é a base sobre a qual este mundo satírico é construído e, como todo o resto, essa base está podre.

Prime Video/ Divulgação
Publicidade

A terceira temporada de The Boys é realmente uma obra-prima da sátira. Mais importante do que isso, no entanto, é que também é apenas uma boa história, corrida e muita informação, porém, bem contada. Kripke e sua equipe de roteiristas têm uma forte compreensão dos fundamentos da narrativa da TV, abastecendo cada episódio com uma quantidade adequada de reviravoltas, sem nunca sacrificar a caracterização. Talvez não seja insignificante que Kripke tenha começado na televisão (criador de Supernatural) onde cada minuto é precioso e cada momento deve se transformar em outro momento maior, para que o espectador não fique entediado o suficiente. A esse respeito, The Boys continua sendo a rara propriedade de streaming de TV que entende como explorar as vantagens do seu material.

A nova temporada está sendo lançada em episódios semanais, como nos velhos tempos, então é difícil escrever sem estragar a diversão. O único ponto negativo que podemos destacar é a duração de cada episódio que ultrapassa 60 minutos e como The Boys tem temas e cenas muito pesadas e sanguinárias que podem cansar os telespectadores que não são tão fã de cenas pesadas, já que houve um aumento de cenas de sexo, mortes e violência, nada que os fãs já não esperassem. Destaque ao episódio seis (Herogasm), que pelo título já diz muita coisa. A série é divertida, astuta e satírica, com ousadia e espetáculo suficientes para torná-la um ótimo retorno para seus investimentos no quesito de séries.

Publicidade

Newsletter

Destaque

Crítica | Vai Dar Nada

Estreia nesta quarta no streaming do Paramount+, Vai Dar...

Paddington | Curta para comemorar Jubileu da rainha é lançado no Youtube; Assista!

Paddington e a Elizabeth II se uniram em um curta-metragem....

Deixe um comentário