sex, 24 maio 2024

Crítica | The New Look

Publicidade

A Apple TV+ continua a trazer novidades para o mundo dos dramas com o seu mais recente lançamento, The New Look.

A série abre com duas legendas. A primeira nos lembra que “Durante a Segunda Guerra Mundial, os alemães ocuparam Paris por quatro anos, forçando os franceses a se submeterem à autoridade e opressão nazista”. A segunda legenda nos diz: “Esta é a história de como a criação ajudou a devolver espírito e vida ao mundo”.

Divulgação Apple TV+

Simplista, grandiosa e absurda ao ponto de ser insultuosa – bem-vindos ao mundo de The New Look. Esta é a história da rivalidade entre os designers Coco Chanel e Christian Dior, que foi formada no caldeirão de um conflito global, o qual, além de simplesmente atrapalhar a evolução da moda e, em particular, dos negócios de Coco, também resultou na morte de milhões de judeus. Mas não se preocupe – você não vai ouvir muito sobre eles. Isto é sobre a importância da arte e do sofrimento galantemente vestido dos franceses. Então, coloque sua alta costura e vamos em frente!

Publicidade

Começamos em 1955, quando Coco Chanel (Juliette Binoche) está prestes a lançar sua primeira coleção desde que fechou sua boutique no início da guerra, e está ocupada criticando Christian Dior (Ben Mendelsohn) numa coletiva de imprensa. Cortamos entre isso e a retrospectiva em homenagem a Dior na Sorbonne, ao mesmo tempo. “Christian Dior arruinou a alta costura francesa e eu estou voltando para salvá-la!”, ela diz para todos.

Na retrospectiva, no entanto, as coisas tomam um rumo diferente. Uma estudante levanta e pergunta a Dior como ele se sente por ter feito roupas para as esposas dos nazistas durante toda a guerra, enquanto Chanel fechou seu atelier. Ele começa a explicar e somos transportados de volta a 1943, onde fica claro que a verdade é um pouco mais complicada do que os jovens insolentes podem pensar.

Dior estava de fato trabalhando para a casa de Lucien Lelong e projetando vestidos de baile para os maus alemães e suas esposas. Mas! Ele (Christian) dá o dinheiro que ganha para sua irmã, que é altamente ativa na resistência! E deixa membros dela usarem seu apartamento! E as esposas (e namoradas) muitas vezes são francesas e passam informações valiosas para ele durante as provas e falsos desastres de moda! Então, você sabe, reflita sobre isso.

juliette-binoche-draagt-coco-chanel-het-loont-om-risico-s-te

Enquanto isso, Chanel… Bem, eu não sei o quanto você sabe sobre ela, cortesia das muitas biografias, mas ela morava no Ritz, que na época era uma sede nazista, e, você sabe como é – eventualmente você começa a conversar com os vizinhos e descobre que nem todos são bandidos! No momento seguinte, um deles, Spatz (Claes Bang), está te levando para jantar e surpreendendo você com Himmler como convidado. Ah, e o principal arquiteto do Holocausto também queria transformar Berlim na capital da alta costura do mundo, e o que uma garota pode fazer! A partir daí, é apenas um pulo, um pulo e um salto, em alguns sapatos pré-guerra deslumbrantes, concordar em usar sua conexão com Winston Churchill para entregar uma oferta de paz secreta do Terceiro Reich pelas costas de Hitler. É apenas educação já que, em troca, seus novos amigos a ajudem aplicando as leis arianas ao seu antigo parceiro de negócios (judeu), que ela sente que a enganou, o despojem de tudo o que ele tem e deem a ela. Pode acontecer com qualquer um.

Olha, como drama está tudo bem. Bem ritmado, cheio de ação, lindo de se olhar e com ótimas atuações centrais de Juliette Binoche – claramente apreciando a acidez e o humor de Chanel – e Mendelsohn, que pisa cuidadosamente na linha entre tornar Dior um homem gentil quase dominado pelo mundo e um completo chato. Embora nem mesmo ele possa salvar uma cena, na qual Dior tenta subornar um homem por informações sobre sua irmã capturada com pedaços de tecido em vez de dinheiro, de descer ao absoluto banal.

O roteiro está longe de ser uma alta costura. As pessoas dizem coisas como: “Para mim, a criação era a sobrevivência” e “Diga algo honesto pela primeira vez na sua vida”, mas Chanel tem algumas falas espirituosas e há energia suficiente para manter tudo em movimento.

Publicidade

É apenas que, no geral, The New Look não é suficiente. Você poderia ver isso como escapismo, mas isso exige aceitar o fato de que o Holocausto é essencialmente excluído da história em favor de uma rivalidade sobre looks. Em um momento em que várias instituições de alto perfil emitiram declarações no Dia Internacional da Lembrança do Holocausto sem mencionar as vítimas judias, é um drama que chegou na hora errada. Pelo menos os vestidos são adoráveis.

The New Look está disponível na Apple TV+.

Publicidade

Publicidade

Destaque

Crítica | Uma Ideia de Você

Quando refletimos sobre o estado atual do cinema, é...

Crítica | Atlas

Atlas Shepherd (Jennifer Lopez) é uma analista de dados...

5 títulos para conhecer autor de “Memórias Póstumas de Brás Cubas”

Recentemente o autor Machado de Assis ganhou nova notoriedade...
A Apple TV+ continua a trazer novidades para o mundo dos dramas com o seu mais recente lançamento, The New Look. A série abre com duas legendas. A primeira nos lembra que "Durante a Segunda Guerra Mundial, os alemães ocuparam Paris por quatro anos, forçando...Crítica | The New Look