ter, 18 junho 2024

Crítica | Till – A Busca por Justiça

Publicidade

Em 28 de agosto de 1955 em Money, Mississippi, Emmett Louis Till, um afro-americano de 14 anos, foi sequestrado, torturado e linchado por aparentemente ofender uma mulher branca em uma loja; seu cadáver, mutilado e irreconhecível, foi descoberto no rio Tallahatchie três dias depois. É para o crédito da cineasta Chinonye Chukwu que Till não tem como retratar e, portanto, sensacionalizar o crime hediondo. Em vez disso, Chukwu reformula a história através do prisma da luta da mãe de Emmett, Mamie, por justiça.

Uma performance digna de prêmios de Danielle Deadwyler empresta um coração apaixonado a este drama histórico solidamente cativante e ainda contemporâneo ambientado em 1955 e dedicado “à vida e legado de Mamie Till-Mobley”. Revisitando a verdadeira história da mãe que se tornou ativista, cuja batalha por justiça provou ser o pilar emergente do movimento estadunidense pelos direitos civis, a diretora e co-roteirista Chinonye Chukwu traça uma linha tênue entre exibição e discrição, revelando verdades brutais sem alienar um grande público. Acontece que a Lei Antilinchamento Emmett Till foi aprovada nos EUA apenas em 2022, tornando o assunto retratado no filme ainda mais atual.

O filme se inicia em tons pastéis ensolarados que vão gradualmente desaparecendo na escuridão, e os sons harmoniosos de doo-wop dos Moonglows  que se transformam em um grito de pesadelo. Mamie (Danielle Deadwyler) e seu filho de 14 anos, Emmett (Jalyn Hall), estão em Chicago, uma cidade metropolitana onde o racismo subjacente é amplamente escondido sob um verniz de civilidade. Emmett decide visitar parentes em Mississippi, uma perspectiva que apavora Mamie. “Não quero que ele se veja como aquelas pessoas”, ela diz à mãe, Alma (Whoopi Goldberg), enquanto instrui o filho a “ser pequeno lá”. No entanto, Emmett, um pacote de dentes e totalmente ingênuo, não está preparado para as restrições do sul segregado e logo cai em conflito com assassinos que aparecem após o anoitecer. “Não eram apenas dois homens brancos com armas naquela noite”, diz o pregador atormentado pela culpa, tio Moses (John Douglas Thompson), de cuja casa Emmett foi levado. “Eram todos os brancos que preferiam ver um negro morto a respirar o mesmo ar que ele.”

Publicidade

O que se segue é uma mistura emocionante de drama de tribunal, ativismo social e tragédia pessoal quando Mamie decide: “Quero que a América seja testemunha” das torturas infligidas a seu filho. Em um movimento ousado que rende dividendos dramáticos, Chukwu mantém o assassinato em si fora da tela, concentrando nossa atenção nas reações de Mamie, tornando-a o centro da história. Há uma cena extraordinariamente comovente em que Mamie desmaia quando o corpo de Emmett é retirado do trem da cidade, seguido por uma sequência estendida em que observamos seu horror ao revelar os ferimentos que deixaram seu filho quase irreconheivel. Mas como Mamie diz, toda mãe reconheceria seu próprio filho. Uma sinfonia de emoções se desenrola nos olhos expressivos de Deadwyler enquanto lágrimas de angústia dão lugar a uma determinação de aço, cujo nascimento sentimos estar testemunhando na telona.

Isso mostra como é poderoso a narrativa da diretora e como ela consegue fazer com que as injustiças grosseiras dos procedimentos legais subsequentes parecem de alguma forma uma vitória, mesmo quando a própria lei falha vulgarmente. 

A direção de Chinonye Chukwu de Till transmite o amor de Mamie por seu filho Emmett, carinhosamente conhecido por ela como Bobo, de uma forma autêntica e comovente sem dramatizar demais – como às vezes acontece com os filmes baseados em eventos reais. A tragédia avassaladora de Emmett Till é tratada com delicadeza enquanto ainda nos expõe à chocante realidade visual do que aconteceu com ele. Emocionalmente perturbador e com alerta para o espectador, esta representação homenageia a decisão de Mamie em 1955 de expor o público e a imprensa à realidade (sem filtro) da morte de seu filho, chamando a atenção para a brutalidade enfrentada pela comunidade negra – um mensagem que parece sempre pungente na sociedade de hoje.

Emparelhado com uma poderosa trilha sonora original de partituras emocionantes de Abel Korzeniowski, bem como R&B emocionante dos anos 1950 de The Moonglows e compositor de jazz da época, Dizzy Gillespie, Till joga com todos os seus sentidos para os espectador imergir na vida daqueles que aparecem em nossa tela. Um relógio obrigatório para todos.

Till chega aos cinemas brasileiros no dia 9 de fevereiro. 

Publicidade

Publicidade

Destaque

The Boys | Eric Kripke revela detalhes da 5ª temporada; Confira!

Em entrevista ao Deadline, Eric Kripke revelou detalhes sobre a...

Heineken realiza watch parties da final da Champions League neste sábado (01/06)

Patrocinadora oficial da UEFA Champions League pelo 18º ano...

Divertida Mente 2 | Disney confirma sequência da animação!

Divertida Mente é sem dúvidas um dos maiores sucessos...

Crítica | Alemão 2

O Complexo do Alemão, popularmente chamado de Morro do...
Em 28 de agosto de 1955 em Money, Mississippi, Emmett Louis Till, um afro-americano de 14 anos, foi sequestrado, torturado e linchado por aparentemente ofender uma mulher branca em uma loja; seu cadáver, mutilado e irreconhecível, foi descoberto no rio Tallahatchie três dias depois....Crítica | Till - A Busca por Justiça