sáb, 20 abril 2024

Crítica | True Detective: Terra Noturna

Publicidade

O sucesso da primeira temporada de True Detective foi tão grande que todas as temporadas subsequentes foram incapazes de se igualar. A segunda temporada – um conjunto de quatro personagens estrelado por Colin Farrell, Rachel McAdams, Taylor Kitsch e Vince Vaughn – foi um desvio deliberado da primeira, e foi criticado por suas diferenças. A terceira, estrelada por Mahershala Ali e Stephen Dorff, foi mais uma imitação menos memorável da primeira. Terra Noturna meio que dividiu a diferença, pegando um pouco do horror cósmico do original e deixando alusões diretas à mitologia da primeira temporada.

No papel, True Detective: Terra Noturna é inspirada no incidente da Passagem Dyatlov recentemente resolvido (uma avalanche fez isso), e a temporada segue uma busca para resolver as mortes brutais de uma equipe de cientistas na tundra perto da pequena cidade de Ennis, no Alasca. Povoada principalmente pelos nativos da nação indígena inuítes, Ennis mergulhou em seu estiramento anual de inverno sem sol, e as tensões estão altas enquanto a polícia local inicia sua investigação. A xerife Liz Danvers (Jodie Foster) e a policial Evangeline Navarro (Kali Reis) trabalham para resolver os assassinatos enquanto navegam em sua própria história turbulenta. O brutal assassinato ainda não resolvido de uma ativista Iñupiaq tem conexões inesperadas com o crime atual; Danvers e Navarro percebem que precisam enterrar suas diferenças e trabalhar juntas para resolver todos os assassinatos de uma vez por todas.

É nesse cenário que um grupo de cientistas de uma estação de pesquisa no meio do gelo simplesmente some no meio de uma nevasca, deixando para trás todas as suas roupas. Quando eles são encontrados congelados, é iniciada uma investigação para descobrir o motivo pelo qual eles foram até lá, que pode estar conectado com o assassinato de uma ativista, morta anos antes.

Publicidade
Jodie Foster and Kali Reis star in True Detective: Night Country. HBO

Como na primeira temporada, o final nos leva a um labirinto literal, desta vez nas cavernas de gelo sob Ennis. López trocou o Rei Amarelo por um espírito feminino divino sem nome, talvez Sedna ou Mãe Natureza. Os locais parecem estar todos cientes “dela”, e à medida que nossa história avança, fica claro que alguns deles enxergam o espírito da ativista assassinada como sinônimo dessa entidade antiga. No episódio final, finalmente a conhecemos – ou pelo menos chegamos o mais perto possível dela.

Mas as semelhanças com aquela primeira temporada são apenas superficiais. A nova showrunner da série Issa López não planejava originalmente criar Terra Noturna como parte do universo de True Detective, e seus esforços para incorporar referências às temporadas anteriores deixam isso dolorosamente claro. Ao longo da quarta temporada, referências à temporada um se repetem, mas geralmente faltam contexto e não são justificadas por nada acontecendo ao redor delas. Descobrimos que um personagem da temporada quatro teve um relacionamento com o pai de Rust Cohle; mas e daí? Descobrimos que nossa corporação de mineração do mal tem laços com os senhores corporativos do mal das temporadas anteriores … e? Há espirais por toda parte, mas não ganhamos uma compreensão aprimorada do que esse motivo familiar significa.

López pega a conhecida linha, “Você está fazendo a pergunta errada”. Ela faz com que personagens repitam variantes dessa afirmação uma e outra vez ao longo da temporada até se tornar absurda, um substituto irritante para uma escrita preguiçosa. Cada referência, de “círculo plano” a Funyuns, é puramente um agrado aos fãs, um piscar de olhos distrativo no mapa que não contribui em nada para nossa compreensão do universo de True Detective.

O mesmo vale para os elementos de horror exagerados de Terra Noturna, que vão desde sustos sem sentido até fenômenos espectrais que aparecem sem motivo. Onde a segunda temporada estava completamente desprovida do sobrenatural, a quarta temporada está tão cheia de fantasmas que eles perdem todo o significado.

Michele K. Short/HBO

Outras escolhas estéticas são tão desconcertantes que chegam a ser inadvertidamente hilárias. Terra Noturna utiliza uma trilha sonora estranhamente desequilibrada de covers sombrios em tom menor de famosas músicas pop que são absolutamente incongruentes com o clima da série. De Save Tonight de Eagle-Eye Cherry de 1997 a músicas de Natal sinistras. No final, temos um drop de agulha emo de Twist and Shout, e o “Shake it up, baby” entoado com gravidade aterrissa com uma dissonância tão inacreditável que você se pergunta o que está acontecendo para tudo isso não fluir.

Para deixar claro, tanto Foster quanto Reis são fantásticas. Danvers de Foster mantém uma hostilidade solitária e mal-humorada, afastando sua família, sua parceira e sua comunidade, mesmo enquanto trabalha incansavelmente para protegê-los. Quando sua fachada finalmente se abre, é para revelar um tapete inesquecível de pesar e resiliência. Por outro lado, Navarro de Reis sangra vulnerabilidade crua, correndo quente e depois mais quente à medida que se aproxima da verdade em sua longa jornada para encontrar um assassino, e talvez uma busca ainda mais antiga para buscar o espírito desconhecido do norte.

Publicidade

Como personagens individuais, elas se encaixam perfeitamente na tradição dos detetives espiritualmente em choque de True Detective, que se unem através de uma mistura carregada de repulsa e desespero compartilhado. Ainda assim, o cinismo de Danvers e a espiritualidade de Navarro nunca se coesão satisfatoriamente – uma falha fundamental que True Detective: Terra Noturna não supera completamente. Por mais que Reis seja excelente, quando ela e Foster estão juntas na tela, ela parece sufocada, limitada ao mau humor e sarcasmo. No sexto episódio, Foster entrega uma aula magistral de atuação quando sua personagem finalmente revela um pouco de sua tristeza pessoal, apenas para ser recebida com uma resposta não conectada de Navarro. É como se López não soubesse como seguir seu próprio desfecho marcante, então não se deu ao trabalho de tentar. É uma hesitação que encapsula uma temporada cheia de escolhas desconcertantes e caracterizações inconsistentes.

{Parágrafo que contém Spoiler do último episódio}

Talvez a escolha mais desconcertante de todas venha no final, quando finalmente descobrimos que os assassinatos dos cientistas foram facilitados pelas mulheres de Ennis, como retaliação pelo assassinato do ativista – que, como se vê, os próprios cientistas assassinaram e encobriram, anos atrás. O programa passa por cima da maneira improvável como as mulheres descobrem este encobrimento para avançar em direção ao que se pretende ser um final espetacular: elas invadem o laboratório de ciências, armadas até os dentes, e executam sua vingança, forçando os cientistas a se despirem e se defenderem na brutal noite ártica.

Este clímax é um pagamento ridículo e não merecido, com aldeões de papelão subdesenvolvidos servindo como porta-vozes de posturas políticas maiores, como fizeram ao longo da temporada para ativismo ambiental. Aqui, porém, é como se López estivesse determinada a engenharia reversa de uma peça de moralidade feminista, mesmo que isso significasse anular todas as tentativas de contar uma história coerente. Para aumentar a injúria, o maior mistério não resolvido da série- aquele que ficamos a assumir foi obra do misterioso deus ártico – envolve uma língua humana sendo deixada cair no chão.Devemos acreditar que “ela” fez sua presença conhecida chutando espectralmente uma língua embaixo de uma mesa de laboratório.

{Final do Spoiler do último episódio}

O mais frustrante é que essa bagunça não precisava ter acontecido. Há muitos exemplos de duos de resolução de crimes femininos melhores escritos e dirigidos. Se essa nova temporada tivesse se permitido  ser seu próprio ser, sem qualquer pressão para viver até as narrativas anteriores de True Detective ou seguir seus parâmetros estranhos, provavelmente teria sido uma série muito melhor. Não podemos culpar a HBO por querer reviver uma de suas melhores franquias. Mas Terra Noturna pode acabar sendo um lembrete de que às vezes é melhor deixar as criações Eldritch cochilando.

Publicidade

Publicidade

Destaque

Critica | Megamente VS Sindicato da Perdição

O filme Megamente, lançado em 2010, marcou uma importante...

‘Transformers: O Início’ ganha primeiro trailer

Os autobots estão de volta para uma aventura inédita...

Crítica | Zona de Risco

      Um filme pode criticar algo que ele transforma em...

Filme “Transe” divulga novo trailer e estreia no dia 2 de maio 

Em uma mistura de ficção e documentário, as diretoras...
O sucesso da primeira temporada de True Detective foi tão grande que todas as temporadas subsequentes foram incapazes de se igualar. A segunda temporada - um conjunto de quatro personagens estrelado por Colin Farrell, Rachel McAdams, Taylor Kitsch e Vince Vaughn - foi um...Crítica | True Detective: Terra Noturna