seg, 3 outubro 2022

Crítica | Um Lugar Bem Longe Daqui

Publicidade

Um Lugar Bem Longe Daqui vai retratar a vida de Kya (Daisy Edgar-Jones), a menina do brejo, que cresceu sozinha no meio do pântano da Carolina do Norte. Atraída por dois jovens na cidade, Kya se abre para um mundo novo e estimulante, mas quando um deles é encontrado morto, ela é imediatamente considerada a principal suspeita. Conforme o caso vai se desdobrando, a verdade sobre o que aconteceu se torna cada vez mais nebulosa, ameaçando revelar os muitos segredos que existem no pântano.

O desafio de adaptar este romance quase perfeito em um filme de 2 horas e 5 minutos é irrefutável. A produtora executiva Reese Witherspoon (The Morning Show, Little Fires Everywhere), reuniu uma equipe de mulheres co-criadoras logo depois de ler o romance e o atribuiu ao seu Reese Book Club.

De longe é uma adaptação fiel ou mesmo perfeita. A roteirista Lucy Alibar (Indomável Sonhadora) diluiu alguns dos momentos mais angustiantes, parecendo confiar que muitos espectadores tinham familiaridade com as partes mais difíceis, e aqueles que não sentiram falta delas. A julgar pela esmagadora popularidade desta adaptação para a tela, esta foi uma boa estratégia. Ainda assim, o roteiro picotado pode atrapalhar essa tática.

Publicidade

É uma narrativa que atinge vários botões quentes – violência masculina, alcoolismo, abuso de mulheres e crianças e racismo, por exemplo – e o conto de solidão forçada e ostracismo social de Kya deve deixar os espectadores se sentindo envergonhados e mergulhados no auto-escrutínio. Infelizmente, a diretora Olivia Newman e a roteirista Lucy Alibar entregaram um filme superficial e insosso que nunca faz com que seus temas difíceis sejam convincentes.

Interpretada na infância por Jojo Regina e depois por Daisy Edgar-Jones (conhecida por seu papel em Normal People ), Kya é um conjunto irresistível, se não bastante coerente, de tropos e traços literários familiares. Abusada e abandonada, ela é como a princesa órfã de um conto de fadas, estóica diante da adversidade e hábil nas formas de sobrevivência. Ela é brilhante e bonita, dura e inocente, uma artista nata e uma naturalista intuitiva, um bode expiatório e algo próximo de um super-herói.

Em vez de uma criatura selvagem dos pântanos, Kya parece uma garota recatada de cidade pequena que não se destacaria na multidão. Edgar-Jones tem o bom senso – ou talvez a audácia descarada – de interpretar Kya como uma pessoa bastante normal que se encontra em circunstâncias que seria um eufemismo descrever como improvável. Como diz Carolina, a música escrita por Taylor Swift para o filme “Não, você não me viu aqui, eles nunca me viram”.  A Kya dos filmes não transmite uma força estranha e idiossincrática da natureza que sente muito mais empatia com os CGI de pássaros, tartarugas e crustáceos do deserto do que com a sociedade humana da qual ela nunca foi aceita. Há imagens evocativas dos cursos de água, pântanos e vegetação rasteira, mas é apenas um cenário, quando deveria parecer como um dos protagonistas do filme. 

Mas devemos entender que é a crueza e o mistério infinito do mundo natural que deu a Kya a força para sobreviver, encarnada na maneira como ela se torna uma brilhante escritora e ilustradora de livros sobre a flora e a fauna dos pântanos. Ela aprende implicitamente as noções de seleção natural e sobrevivência do mais apto, que é onde ela se cruza com o tema paralelo do filme da morte inexplicável de Chase Andrews (Harris Dickinson).

Assim como o livro, o filme segue duas narrativas e linhas do tempo entrelaçadas. A primeira narrativa começa em 1969 com o assassinato de Chase Andrews. Seu corpo é descoberto por dois meninos ao lado de uma torre de incêndio abandonada no pântano. Com uma lógica impressionantemente perversa e sem cabimento, o xerife local deduz da completa ausência de impressões digitais, pegadas ou qualquer outro tipo de evidência reveladora de que Andrews deve ter sido assassinado, já que o assassino obviamente foi tão meticuloso em apagar qualquer vestígio de sua presença. Alguém por acaso ouviu uns dias antes Kya gritando com Chase que ela o mataria, e bingo – ela acaba na prisão por suspeita de assassinato.

A segunda e mais convincente narrativa detalha a vida e as influências da mulher acusada do assassinato, Catherine Danielle Clark, apelidada de Kya. Essa linha temporal vem enquanto ela conta os detalhes de sua vida para seu advogado, Tom Milton, somos transportados de volta para sua infância no início dos anos 1950. Permanecemos em sua história durante a maior parte do filme, com flashes ocasionais para o julgamento.

Publicidade

A investigação do assassinato avança intermitentemente ao lado da história pessoal de Kya, às vezes desaparecendo por tanto tempo que você esquece da outra linha narrativa. Enquanto isso, conhecemos os dois homens que terão um impacto decisivo na vida de Kya, o sonhador Tate (Taylor John Smith) e o já mencionado Chase. A maneira assustadora e arrogante deste último diz tudo o que você precisa saber, como um sinal de néon piscando preso em sua testa dizendo “estuprador”.

Ela e Andrews tiveram um relacionamento tóxico, marcado por sua decepção desleal e violência sexual. Kya foi levada pela solidão a se envolver com Andrews depois que Tate Walker, seu primeiro amor, foi para a faculdade e não voltou como prometido. Você pode dizer que Tate Walker ensinou Kya a amar, e Chase Andrews ensinou a ela o oposto.

Enquanto juntos, porém, Tate e Kya compartilhavam um imenso amor pelo pântano. Vendo sua inteligência inerente, ele foi capaz de ensinar Kya a ler e escrever. Ele amou e encorajou Kya como ninguém em sua vida tinha feito antes, e sua curiosidade e desenhos do pântano e suas criaturas se sobressaíram. Porém, esse vínculo acontece de uma forma tão rápida e sem química que é difícil comprar que os dois gostam um do outro. 

Esses pontos entregam ao filme uma noção de preocupação social. Igualmente fraco e com toque do gótico sulista que às vezes perfuma o ar pantanoso. Mas para uma história sobre sexo, assassinato, segredos de família e ressentimentos de classe, a temperatura é terrivelmente amena, como se uma peça de um grande dramaturgo tivesse sido enviada a Nicholas Sparks para ser reescrita.

Publicidade

Newsletter

Destaque

Adão Negro | Ator revela bastidores dos efeitos visuais do filme; Confira!

Dwayne Johnson revelou no Instagram algumas fotos dos bastidores da...

Abracadabra 2 | Sequência ganha cartazes individuais do Disney+; Confira!

O Disney+ revelou os primeiros cartazes individuais de Abracadabra...

Bauducco será patrocinadora oficial da BGS Cosplay 2022

Brasil Game Show anuncia Bauducco como patrocinadora oficial da...