ter, 2 agosto 2022

Crítica | Yellowjackets 

Publicidade

Yellowjackets da Showtime chegou ao Brasil pelo serviço de streaming da Paramount+ e é uma série híbrida única – parte drama familiar, parte história de sobrevivência, terror e sobre amadurecimento. Esse tipo de série muitas vezes leva a narrativas e personagens inconsistentes, mas o oposto acontece com as séries de Ashley Lyle e Bart Nickerson, que ficam cada vez mais viciantes a cada episódio. 

Séries como Mare of Easttown e The White Lotus foram fenômenos culturais por trazer todas essas pegadas dito no parágrafo anterior. E Yellowjackets entra nessa lista perfeitamente. Há algo incrivelmente compulsivo sobre a excelência dessa série, pois a escrita aqui continua se desenvolvendo, crescendo em potência à medida que conhecemos melhor esses personagens, cortesia de um dos melhores conjuntos da temporada. O metrônomo nesta série oscila entre o desenvolvimento do personagem de um lado e as reviravoltas/revelações do outro com um ritmo tão fantástico que se torna hipnotizante. Mesmo no seu extremo (e fica pesado), ele se mantém unido. Só espero que tenha o “buzz” que merece.

Corta para semanas antes, 1996: as Yellowjackets, um time de futebol invicto e pouco conhecido no subúrbio de Nova Jersey, estão indo para as nacionais, e seus relacionamentos próximos estão começando a se desgastar. Pulamos para 2021, quando quatro das garotas, agora com quarenta e poucos anos, escondem um trauma e uma relação rachada, são jogadas de volta ao drama pesado dos tablóides de seu passado. A série de 10 episódios alterna entre o presente (sem pandemia) e a reviravolta traumática das meninas 25 anos antes, quando o avião particular para as nacionais cai em algum lugar no deserto canadense. 

Publicidade

Fica claro desde a primeira cena que as garotas do ensino médio de Wiskayok, estrelas de futebol ferozes no campo e adolescentes obstinados fora dele, ficarão selvagens. Há sangue na neve, gritos de terror, uma armadilha, um corpo empalado (não o primeiro de uma série que favorece pelo menos três tiros sangrentos por episódio), um colar de coração pendurado em um corpo sem vida, figuras vestidas com peles de animais e sugestões abertas de canibalismo.

O título da série se refere ao nome de um dos melhores times de futebol feminino do ensino médio do Estados Unidos em 1996. A estreia, habilmente dirigida por Karyn Kusama (The Invitation), apresenta aos espectadores as principais jogadoras dos Yellowjackets ao mesmo tempo, cortando para trás e para frente no tempo entre a adolescência e a atualidade. Em cenas verdadeiramente perturbadoras na estreia, uma garota corre por uma paisagem nevada antes de cair em um poço de espinhos. E as coisas não ficam bonitas. Fica claro que a garota na neve é ​​uma das jogadoras de futebol e as figuras encobertas que a mataram? Seu time. 

Uma linha do tempo já forneceria muita forragem para uma série de 10 horas, mas Yellowjackets tenta fazer três – uma narrativa cronológica da resistência da equipe por meses na floresta, um mistério moderno de quem é o que está assombrando as mulheres de meia-idade, e flashbacks ocasionais que sugerem que a sobrevivência do time foi uma provação muito mais difícil do que sua linha genérica, para repórteres inquiridores e membros da família, de “famintos, varridos e rezados” até o resgate. Acrescente a isso uma variedade de estilos ambiciosos, mas instantânea, incluindo horror, thriller de sobrevivência, alcaparra de amigos, estudo de trauma, drama de crise de meia-idade, retrato de mal-estar suburbano, uma comédia adolescente e (talvez) história de fantasmas, e o resultado é uma história admiravelmente impetuosa e sangrenta. É uma série com elementos provocativos que parece muito melhor esboçar os contornos do sinistro, oculto, psicótico ou carnal do que cavar.

A linha do tempo dividida reduz pela metade o tempo fornecido à maior força do programa, de longe: sua lista de estrelas veteranas dos anos 90 de papéis adolescentes canonicamente sombrios com quarenta e poucos anos lutando com um passado metastático. Melanie Lynskey interpreta Shauna, ex-atleta e aluna morta pela paternidade e um casamento sem faíscas nos subúrbios. A ex-companheira de equipe e garota punk Natalie (Juliette Lewis) acaba de sair da reabilitação e volta para casa com uma bagunça de seu antigo eu. Em um enredo que ainda mal cruza com o resto no meio da série, Taissa Turner (Tawy Cypress) está concorrendo ao senado estadual com sua esposa e filho pequeno, apesar do acordo declarado dos companheiros de equipe para evitar os holofotes.

Uma repórter misteriosa serve para trazer as mulheres de volta ao contato (e então basicamente desaparece por vários episódios), junto com uma enfermeira alegremente perturbada chamada Misty Quigley, interpretada com vivacidade alegre por Christina Ricci (conhecida por seu trabalho como Wandinha em A Família Addams). 

Quanto à selva do acidente: Yellowjackets é significativamente melhor quando se afasta de um plano de sobrevivência que mal caminha na ponta dos pés em direção ao ocultismo e à devastação; no meio do caminho, e a selvageria da cena de abertura permanece apenas um ponto à distância. As meninas estão traumatizadas e também como adolescentes no acampamento de verão; embora muitos dos atrizes – Jasmin Savoy Brown como Taissa, Sophie Nélisse como Shauna, Sophie Thatcher como Natalie, Samantha Hanratty como Misty e Ella Purnell como a alegre capitã Jackie, cuja ausência adulta sugere um fim horrível – se parecem assustadoramente com seus personagens de meia-idade. contrapartes, e a trilha sonora e a moda evocam o poder feminino de meados dos anos 90, é difícil não desejar que a série tivesse contado com extensos flashbacks em vez de uma divisão completa entre as duas eras.

Publicidade

Qualquer impulso, no entanto, é dissipado por desvios persistentes – close-ups trêmulos de música sinistra que não revela nada, fantasmas de memória alertando sobre o perigo apenas para esse perigo desaparecer na música pop dos anos 90, outra escotilha de escape da trama. Há um emaranhado de histórias atraentes aqui, mas é difícil ver como as meninas vão conseguir o bilhete de desembarque.

Série do Showtime e transmitido pela Paramount+ no Brasil, concorre a três categorias do Emmy 2002 incluindo a categoria de Melhor Série Dramática. 

Publicidade

Newsletter

Destaque

Crítica | Vai Dar Nada

Estreia nesta quarta no streaming do Paramount+, Vai Dar...

É Fada ⎮ Longa estrelado por Kéfera ganha trailer

"É Fada", filme estrelado por Kéfera Buchmann tem o...

Crítica | Matrix Resurrections

Ao perder o vínculo de criação após ser jogada...

Deixe um comentário