Máquinas Mortais | Vídeo mostra como funcionam as cidades móveis gigantes; Confira!

Veja nossos últimos stories

Os efeitos visuais fazem parte das especialidades do produtor Peter Jackson, vencedor de três estatuetas do Oscar®. Em “Máquinas Mortais” (Mortal Engines), longa da Universal Pictures, que estreia em 10 de janeiro, as gigantescas cidades móveis roubam a cena. “As cidades enormes são visualmente atraentes do ponto de vista cinematográfico. O conceito de que as grandes cidades engolem as menores e, consequentemente, evoluem”, comenta Jackson em vídeo do longa. Confira:

“A física por trás de algumas coisas que construímos realmente encontra o ponto central entre o que é e entre o que pode ser convincente”, garante Luke Millar, supervisor de efeitos visuais. “Quando chegou a hora de engolir outras cidades, solucionamos isso organicamente. Mas fizemos testes e muita pesquisa, principalmente de grandes máquinas desmoronando e sendo destruídas”, completa Dennis Yoo, supervisor de animação.

Baseado na série de livros de Philip Reeve, Máquinas Mortais traz a história de uma civilização que foi totalmente destruída por um evento cataclísmico. Milhares de anos depois, a humanidade se adapta à uma nova maneira de viver e os poucos seres humanos que restam são forçados a morar em cidades móveis – estruturas gigantescas e mortais que destroem cidades menores para obter novos recursos.

Filmado na Nova Zelândia, o longa tem roteiro assinado por Peter Jackson e traz Hugo Weaving, Hera Hilmar, Robert Sheehan, Jihae, Ronan Raftery, Leila George, Patrick Malahide e Stephen Lang no elenco.

Uillian Magelahttps://estacaonerd.com
Co-Fundador do Estação Nerd. Palestrante, empreendedor e sith! No momento, criando meu sabre de luz para cortar a lua ao meio. A, SEMPRE escolha a pílula azul. Não faça como eu!

Deixe sua opinião!

Instagram

AS MAIS LIDAS

Confira a crítica de Lupin – Parte 2 Confira a crítica de “Quem Vai Ficar com Mário?” 3 filmes para ver no Dia dos Namorados! 5 Filmes para solteiros no dia dos namorados! Confira a crítica de Din e o Dragão Genial Confira a crítica de Ragnarok