Eu tenho muita dificuldade de escolher o livro favorito, o autor favorito, e com o melhor livro do ano, claro, não seria diferente. Mas, fiz aqui um resumo das melhores leituras do ano. De quebra fica de dica para quem está procurando livros para ler.

Como tudo começou! Tinha estabelecido em 2016 que iria ler todos os livros que tinha antes de voltar a comprar novos títulos. E com essa função de Instagram (se não conhece, siga meu Instabook aqui), meio que comprei muito mais livros, e li muitos mais (viciei). Continuo com uma lista grande de livros pra ler, mas tenho certeza que darei conta disso muito em breve. Mas, vamos a lista!

 

Os melhores livros que li esse ano

Os livros estão na ordem que eu fui lembrando ao olhar na estante. De alguns gostei mais, ou menos, mas todos têm um porque de estar aqui.

  • Cavalos da Chuva, Cadão Volpato
    Simplesmente lindo! É literatura infantil, cheio de boas lições para os adultos. De um lirismo sem igual que deixa a leitura gostosa. Ri e me diverti muito com ele. Foi uma compra aleatória, pelo título, que deu muito certo. Está sempre em promoção na Amazon, é bem baratinho.

 

  • Memórias do Subsolo, Fiódor Dostoiévski
    Esse foi indicação do professor da oficina de escrita criativa que fizesse ano. A oficina tinha a “memória” como tema e por isso a indicação. Li alguns meses depois, não achei muita relação com a escrita, mas foi uma leitura maravilhosa. Dostoiévski… Tinha esquecido como ele é bom em realismo e loucura.

 

  • Eu, Robô, Isaac Asimov [Resenha]
    Um livro de ficção científica como eu nunca vi. Ele é suave, quase real, apesar de distópico, e a escrita do Asimov é encantadora. A estória nos faz pensar muito sobre todas as coisas, não só em como seria o mundo com robôs inteligentes; faz pensar sobre como lidamos com a aceitação do diferente. Vale muito a leitura mesmo para quem não gosta de Ficção Científica, porque no final, não é bem isso.

 

  • Neuromancer, William Gibson [Resenha]
    Eu estava a algum tempo querendo ler esse livro e adorei o estilo cyber punk e esse universo criado pelo autor [conheça a Trilogia do Sprawl]. Sem falar que a leitura me ajudou muito com as coisas que tenho escrito, e do tanto que me divertiu. É um livro que estimula muito a imaginação, um mundo novo, cheio de termos e coisas diferentes do nosso tempo. Foi uma aventura e tanto!

 

  • Lugar Nenhum, Neil Gaiman
    Foi o primeiro livro do autor que eu li, surpreendente a capacidade dele de nos prender numa história sem ser clichê. Não tem aqueles dispositivos comuns em best sellers, mas é eletrizante, humorísticos e dramático ao mesmo tempo. Nunca tinha lido nada parecido até aqui.

 

  • 12 Doutores, 12 Histórias, Vários Autores [Resenha]
    Se não tivesse lido um livro de Doctor Who esse ano eu teria inventando uma forma de colocar um livro nessa lista. Esse, com 12 contos, foi um presente aos Whovians. Mas, pode ser lido por qualquer pessoa que sequer tenha ouvido falar do Doutor. Histórias independentes da série, muito bem elaboradas, fantásticas e bonitinhas. Tem de tudo!

 

  • Caixa de Pássaros, Josh Malermann [Resenha]
    Esse livro… Primeiro suspense (horror?) que li na vida. Fiquei muito impressionada com a capacidade do autor de escrever de modo tão sucinto e transmitir tanta tensão. A imersão na história é incrível, a gente fica tenso, e quando para de ler fica pensativo, imaginando-se andando vendado pelo mundo. Indico muito!

 

  • Agência de investigações holísticas Dirk Gently, Douglas Adams [Resenha]
    Há tempos namorava esse livro. A leitura foi um banho no mar da criatividade, ironia e loucuras de Douglas Adams. É peculiar a forma como ele escreve coisas aparentemente sem sentido e que se encaixa tão bem no final da trama. É diversão garantida do primeiro ao último capítulo.

 

  • Pareidolia, Luiz Franco [Resenha]
    E pra não dizerem que esqueci dos brasileiros, e dos novos escritores, aí está Pareidolia. Livro concedido a mim pelo autor, e uma das leituras mais gostosas do ano. Contos muito divertidos, curiosos, livro físico cheio de conceito, arte linda. Se você chegou a esse post em busca de dicas do que ler, é esse que você tem que escolher e comprar!

E não li “só” Pareidolia de autor brasileiro, “Um passeio no jardim da vingança”, do Daniel Nonohay, também quase entrou nessa lista. Isso para não falar de clássicos como “Angústia” do Graciliano Ramos e “Um centauro no jardim” do Moacyr Scliar.

No fim, acho que li uns 38 livros esse ano. E estou lendo mais um, “A longa e sombria hora do chá da alma”, do Douglas Adams. Quis encerrar o ano com ele, porque tem se mostrado meu autor preferido. Curioso pra saber o que tanto li? Aqui tem a lista completa, e links para as resenhas que consegui escrever!

E o ano literário de vocês como foi?