capa-admiravel-mundo-novo Resenha | Admirável Mundo Novo de Aldous HuxleyTítulo: Admirável Mundo Novo
Autor: Aldous Huxley
Editora: Globo de Bolso
Ano: 2009
Número de páginas: 398

Sinopse de Admirável Mundo Novo

Ano 634 df (depois de Ford). O Estado científico totalitário zela por todos. Nascidos de proveta, os seres humanos (precondicionados) têm comportamentos (preestabelecidos) e ocupam lugares (predeterminados) na sociedade: os alfa no topo da pirâmide, os ípsilons na base. A droga soma é universalmente distribuída em doses convenientes para os usuários. Família, monogamia, privacidade e pensamento criativo constituem crime.

Os conceitos de “pai” e “mãe” são meramente históricos. Relacionamentos emocionais intensos ou prolongados são proibidos e considerados anormais. A promiscuidade é moralmente obrigatória e a higiene, um valor supremo. Não existe paixão nem religião. Mas Bernard Marx tem uma infelicidade doentia: acalentando um desejo não natural por solidão, não vendo mais graça nos prazeres infinitos da promiscuidade compulsória, Bernard quer se libertar. Uma visita a um dos poucos remanescentes da Reserva Selvagem, onde a vida antiga, imperfeita, subsiste, pode ser um caminho para curá-lo. Extraordinariamente profético, “Admirável Mundo Novo” é um dos livros mais influentes do século 20.

 

Resenha de Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley

Primeiro, eu confesso que desconhecia detalhes sobre o autor e mesmo da obra. Apenas sabia que era um clássico de ficção científica. Então, sem qualquer referência, comecei a ler e de cara, não gostei (tão eu!!!). A leitura não flui e por vezes é bem confusa. O autor vai misturando diálogos de personagens que nem estão no mesmo ambiente. Um artifício curioso/diferente mas que não chega a ser empolgante.

Sobre a história, bem, esse ponto merece um parenteses: tenho plena consciência de que li essa obra fora do tempo e totalmente descontextualizada. A parte de ficção científica pra época em que a estória foi contada pela primeira vez deve ter sido, sem dúvida, surpreendente. O universo futurista criado por Aldous Huxley, autor do livro, consegue impressionar levando em consideração o ano de lançamento da obra, 1932. É possível compreender como a humanidade chega naquele momento “evolutivo”, há justificativas suficientes para se acreditar na possibilidade daquele novo mundo. Pelo menos para mim, aqui de 2018, parece que sim.

Em 1930 certamente foi um escândalo negar Deus, a Família, o puritanismo e a organização social da época, e ainda ter que lidar com uma tecnologia que mesmo em 2018 ainda parece distante. Criar humanos em laboratórios, manipulando e condicionando-os desde o embrião. Uau! Sem falar do consumo deliberado de drogas para “esquecer/ser feliz”, da liberdade sexual, da divisão da sociedade, enfim… Isso, aliás, é praticamente o que temos hoje em dia.

admiravel-mundo-novo-1024x1024 Resenha | Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley

Porém, hoje, quando já convivemos com tanta tecnologia, e já assistimos e lemos tantas histórias de ficção científica como Matrix, Serial Experiments Lain, Doctor Who, Star Wars… É fácil acreditar em tudo que Aldous Huxley nos conta, mas também por isso o livro não empolga. A trama não é bem contada, não prende a atenção de um modo que a gente queira ler tudo até o fim em uma noite, então, fora do seu tempo, é só mais um livro de ficção científica.

Não vou desmerecer totalmente, nem dizer que não vale a leitura. Como disse lá no início do texto, é claro que os clássicos são importantes e o “Admirável mundo novo” é essencial para quem gosta de ficção científica. A crítica negativa é mais por eu ter lido ele fora de ordem, fora do seu tempo, o que pra mim é mais um problema. Tem histórias incríveis e atemporais, como Star Wars, como Matrix, coisa que o “Admirável mundo novo” não conseguiu – minha opinião!