qua, 28 fevereiro 2024

Bob Marley: One Love | Confira nosso bate-papo com Kingsley Ben-Adir, Reinaldo Marcus Green e Ziggy Marley

Publicidade

Bob Marley: One Love é um filme biográfico dirigido por Reinaldo Marcus Green (King Richard: Criando Campeãs) que conta a história de Robert Nesta Marley OM, mais conhecido como Bob Marley, grande ícone do reggae. O filme relembra os importantes feitos do cantor para seu país, assim como as dificuldades que sua família e conhecidos passaram. Bob Marley (Kingsley Ben-Adir) ficou conhecido por sua pregação pela paz, do amor e da fé rastafari. Com o reggae, ultrapassou fronteiras e o sucesso foi imenso. Mas mesmo famoso, a violência em seu país era uma realidade e chega até Marley e sua esposa (Lashana Lynch). Após um atentado, eles saem do país, mas no ano seguinte o cantor icônico decide voltar, pelo povo, para a Jamaica.

A produção é dirigida por Reinaldo Marcus Green e conta com Kingsley Ben-Adir, James Norton e Lashana Lynch no seu elenco principal.

Nós do Estação Nerd fomos convidado para participar de um evento virtual com o ator Kingsley Ben-Adir, o diretor Reinaldo Marcus Green e o cantor, e filho de Bob Marley, Ziggy Marley que revelaram alguns detalhes e curiosidades do filme.

Publicidade

Confira algumas perguntas feitas na entrevista abaixo, sem spoilers do filme.

Pergunta: Kingsley Ben-Adir, para você existe uma diferença entre interpretar um personagem fictício ou um inspirado em uma pessoa real?

Resposta: “Eu acho que neste caso foi o aspecto musical. Interpretar Bob não foi algo tão difícil, mas você não pode exatamente copia-lo. Quando ele dançava, quando ele estava no palco algo realmente especial estava acontecendo. Acho que entender o que significa
quando sua vida, sua paixão e seu trabalhos são a música. Entender o que é acordar de manhã e compor é algo que realmente importou para mim. Entender o significado desse lado musical, e a ajuda de Ziggy foi muito relevante nesse sentido. Quando eu estava em cena ele às vezes me dizia para diminuir o tom e sentir o que estava sendo feito ali no momento, com mais gentileza, eu nunca saberia fazer isso sozinho. Então a criação da música para mim foi muito desafiadora mas ao mesmo tempo muito bela.”

Pergunta: Neste filme existe um cuidado técnico na reprodução da música Bob. O que vocês sentem que aprenderam sobre a música de Bob Marley?

Resposta: “Bom, eu cresci cercado pela música. Tentei ser um guia para Kingsley que não sabia muito sobre música. Não sinto que aprendi tanto sobre música mas o que esse filme fez para mim foi me fazer refletir sobre os sentimentos do meu pai. O que ele sentiu durante esse período de tempo que retratamos? Ele deveria estar passando por situações que não poderíamos enxergar por fora. Me fez pensar sobre ele como um ser humano. Como será que estava o estado emocional de um homem que foi quase morto, que precisou se exilar, que descobre estar com um câncer? Ele deveria estar em uma situação de muito peso emocional.” (resposta dada por Ziggy Marley).

Pergunta: Por que a direção escolheu esse período específico na carreira de Bob para representar?

Publicidade

Resposta: “Quando você tem que fazer um filme sobre a vida de alguém em cerca de 2 ou 3 horas, você precisa escolher uma janela, precisa fazer escolhas que limitem o tempo e o que é mostrado. Queríamos com este filme celebrar a vida de Bob Marley. Quem era ele
quando a câmera não estava o mostrando? Nesse período de tempo em específico, entre 76 e 78, sabemos da tentativa de assassinato de Bob, isso mudaria a vida de qualquer pessoa. O que Bob fez depois disso foi dobrar a aposta artisticamente, ele cria o álbum Exôdus. Esse álbum em específico muda seu patamar de astro nacional para astro global, foi um período muito rico de criação musical. Eu penso que esse foi um momento de ápice de sua vida e seu retorno para a Jamaica em 1978 foi um momento histórico, não só para a Jamaica mas para o mundo. Foi um período momentâneo de paz e tudo isso me pareceu tão rico para abordar.” (resposta dada pelo diretor Reinaldo Marcus Green).

Publicidade

Publicidade

Destaque

Jorge da Capadócia | Filme de Alexandre Machafer, estreia nos cinemas em 18 de abril

O filme “Jorge da Capadócia”, dirigido, produzido e protagonizado...

Crítica | Todos Nós Desconhecidos (All of Us Strangers)

Escrito e dirigido por Andrew Haigh (Looking), All of...

Muito Mais a Ver: Max chega hoje ao Brasil

Max, o destino de entretenimento que reúne histórias extraordinárias...

Nicholas Winton: O Homem que Desafiou o Impossível e salvou centenas de crianças

Um livro extraordinário, que promete inspirar, emocionar e marcar...
Fabrizio Ferro
Fabrizio Ferrohttps://estacaonerd.com/
Artista Visual de São Paulo-SP