Coringa e seu peso na sociedade

Quando um filme é muito bom, é sempre lembrado pelo seu roteiro, atuações e afins. Quando o filme é excepcional, acaba se tornando um épico, com o tempo um cult, que será sempre referenciado ou rediscutido.

Quando esse filme é Coringa, um novo patamar deve ser definido, justamente por ser simplesmente a exposição da sociedade e de nossas faces e mazelas diárias com os demais.

Coringa é pesado, tenso, triste (muito triste) mas acima de tudo verdadeiro. E não estou falando do personagem em si, e sim no que ele nos mostra. Uma sociedade doente, ignorante, individualista e desprezível.


Nos mostra que somos assim. Desprezíveis. É o único sentimento que tive de mim mesmo ao sair do cinema. O quanto somos ruins, o quanto ignoramos os problemas e só achamos que nós, o centro do mundo, temos dificuldades. Que nossa dificuldade ou alegria tem que ser única. Que o sofrimento alheio não me importa, e porquê deveria?! Eu também sofro, isso que importa.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Não dá pra escrever esse texto com uma gota de alegria. Sabe, aquele entusiasmo ao sair de um filme histórico e querer falar dele? Não. Só há silêncio, reflexão. Por isso demorei tanto a falar sobre, e ao relembrar percebo que preciso rever o filme, levar outro tiro na cara e reaprender que nesse mundo doente de hoje em dia, de divisões, de esquerda e direita, de tribunais da internet, é mais fácil alimentar ódio que efetivamente ser alguém melhor. Pois, não vale dizer que é uma boa pessoa, ou que está tentando melhorar, sem de fato, fazer algo para isso. Até porquê, se alguém não é fiel a minha causa, ou não compartilha dos meus problemas, é melhor que fique longe.

Ignorando todo o fato e histórico que permeia o personagem em si, e as atuações épicas do filme, nunca antes o cinema nos mostrou tão bem que não é preciso “cair num tanque de ácido” ou “ser internado em um manicômio” para se tornar um “Coringa”. Só é necessário cair na sociedade, e ser rejeitado por ela.

Por fim, somos culpados demais em tantas coisas, que temos que aceitar que, quando algo grave acontece, o dedo também deve ser apontado pra nós! E, talvez você só tenha visto o filme de um vilão psicopata famoso nos quadrinhos. Se esse foi seu entendimento, aconselho procurar ajuda.

Uillian Magelahttps://estacaonerd.com
Co-Fundador do Estação Nerd. Palestrante, empreendedor e sith! No momento, criando meu sabre de luz para cortar a lua ao meio. A, SEMPRE escolha a pílula azul. Não faça como eu!

Deixe sua opinião!

INSTAGRAM

AS MAIS LIDAS

Crítica | Peaky Blinders: Sangue, Apostas e Navalhas

Uísque escocês ou irlandês? Tanto faz pois com a família Shelby o que importa mesmo é a sede de poder. Uma das séries mais...

Os 10 melhores filmes de 2018

A cada ano que passa somos surpreendidos com filmes cada vez melhores. Muitos, claro, já são aguardados por serem alguma continuação. Outros são ótimas...