ter, 20 fevereiro 2024

Crítica | A Killer Paradox

Publicidade

Na série A Killer Paradox, Lee Tang (Choi Woo-sik) é um universitário comum que equilibra sua vida entre o estudo e seu trabalho em uma loja de conveniência durante a noite. Em mais um dia de serviço, Tang acaba se desentendendo com um cliente. Em meio à confusão, ele o mata acidentalmente. Sofrendo pela culpa e pelo receio de ser preso pelo acidente, ele acaba pesquisando sobre o passado do homem e logo descobre que a vítima era um serial killer. Aos poucos, percebe que tem uma habilidade sobrenatural de identificar “sementes ruins”. Aproveitando a rara habilidade, ele inicia sua própria vigilância, tornando-se um herói sombrio que pune pessoas que cometeram males antiéticos no passado. No entanto, um detetive de sangue frio, carismático e persistente começa a perseguir o rastro de Lee Tang.

A Killer Paradox aposta na subversão de diversos conceitos conhecidos das tramas de filmes/séries de “super-heróis” para criar uma sofisticada história de gato e rato, onde nem tudo é o que parece ser. Antes de destrinchar a parte referente ao roteiro, é impossível não elogiar a parte técnica da produção coreana. Tanto a edição como a fotografia são primorosas e merecem destaque! O uso de cores vivas e intensas contrasta perfeitamente com as mortes e violência apresentada e ainda ajuda a entender os sentimentos dos personagens em cena. Já a edição dá dinamicidade a história de oitos capítulos, de uma hora cada. Cada episódio passa voando, diversas cenas deixam o espectador embasbacado pela montagem ágil e ousada que é apresentada. Resultado desse empenho técnico se reflete no desenrolar da trama que deixa o espectador aflito com o desenvolver da história.

A produção mostra ao espectador um universo muito real, onde conceitos de certo e errado se cruzam a todo o momento. A jornada vivida pelo protagonista é muito crível e as situações são apresentadas de modo orgânico. O roteiro não desenvolve situações forçadas ou mirabolantes e elas não soam fantasiosas (mesmo que aqui e ali contem com um pouco de “sorte”). Ao fim dos três primeiros episódios, a trama deixa questões que são gradativamente respondidas nos demais episódios. O uso de violência é bem dosado e mesmo que algumas cenas não sejam efetivamente mostradas, os efeitos sonoros adicionais fazem com que elas sejam bem reais.

Publicidade

O elenco está muito bem em cena. Mas o protagonista vivido por Choi Woo-sik (Parasita) é insuperável, sendo o melhor de todos em cena. O ator consegue transmitir a deterioração mental de um jovem ao cometer um crime. Com o tempo a relação dele com o personagem de Son Suk-ku (The Roundup) se torna o fio da meada da história e conquista, em especial, a atenção do público pelos os objetivos que cada um dos personagens centrais tem pra si.

A Killer Paradox é uma série arrepiante e atraente, em especial, por conseguir mostrar com maestria a transformação gradual de um homem comum em um assassino implacável! Assista o quanto antes!

Publicidade

Publicidade

Destaque

Crítica | Todos Nós Desconhecidos (All of Us Strangers)

Escrito e dirigido por Andrew Haigh (Looking), All of...

Semana do Cinema: Cinemark participa da primeira edição de 2024 com ingressos por R$12

A Cinemark é uma das redes exibidoras participantes da próxima edição...

Crítica | Bom Dia, Verônica (3ª Temporada)

Após desvendar o esquema de crimes de Matias e...
Hiccaro Rodrigues
Hiccaro Rodrigueshttps://estacaonerd.com
Eu ia falar um monte de coisa aqui sobre mim, mas melhor não pois eu gosto de mistérios. Contato: [email protected]
Na série A Killer Paradox, Lee Tang (Choi Woo-sik) é um universitário comum que equilibra sua vida entre o estudo e seu trabalho em uma loja de conveniência durante a noite. Em mais um dia de serviço, Tang acaba se desentendendo com um cliente....Crítica | A Killer Paradox