Crítica | Awake

Veja nossos últimos stories

Depois que um incidente global impede a humanidade de dormir, uma ex-militar problemática luta para salvar a família e enfrenta o caos na sociedade e na própria mente. Fãs do suspense se preparem para ver um filme com uma proposta inovadora e pra lá de original que, infelizmente, peca na sua execução. Mas que não é de todo ruim.

Netflix/ Divulgação

Awake é o novo lançamento original da Netflix. A trama funciona como uma metáfora sobre os efeitos da ansiedade (ou depressão) provocados por uma misteriosa pandemia, o foco do filme é em uma pequena comunidade. Usando diversas situações a trama fala sobre esse fenômeno inexplicável que acomete o mundo, que em questão de horas adoece sem respostas, pela privação de sono. Metáfora elaborada e executada de modo, digamos irregular. O roteiro escrito pelos irmãos Mark Raso (Kodachrome) e Joseph Raso (Seed) possui pontos positivos e negativos. A trama é construída de modo ágil, indo direto ao ponto, além disso a abordagem da situação de modo macroscópico, consegue construir boas situações de tensão e por fim temos o caos causado pela privação do sono que é mostrado de modo muito eficiente. Tudo citado até aqui, é bem feito pelo roteiro. O problema começa quando a trama foca na família protagonista e no drama familiar pra lá de “xoxo”. Pra piorar o roteiro ainda cria situações pra lá de absurdas e aposta em diálogos que só não são mais expositivos por falta de tempo. O filme ainda mistura muitas coisas a sua receita: médicos atrás da cura, culto religioso, o mistério sobre a doença… Muitos elementos para pouco tempo.

Netflix/ Divulgação

A direção de Mark Raso segue o mesmo caminho do roteiro, acerta e erra. Constrói boas cenas aqui e executa outras cenas de dá vergonha. O elenco tem como destaques: Ariana Greenblatt (Amor & Monstros) e Gina Rodríguez (Jane, a Virgem) que constroem bons personagens e possuem uma boa química em cena. O restante do elenco está ali para cumprir sua função, alguns aparecem e somem sem muita cerimônia.

Awake é um suspense que possui altos e baixos. Com a permissão do trocadilho: Awake não é um sonho maravilhoso e nem um pesadelo. Sendo honesto, esse é um sono regular, satisfatório e nada mais.

Revisão Crítica

NOTA
Hiccaro Rodrigueshttps://estacaonerd.com
Eu ia falar um monte de coisa aqui sobre mim, mas melhor não pois eu gosto de mistérios. Contato: [email protected]

Deixe sua opinião!

Instagram

AS MAIS LIDAS

Confira a crítica de Lupin – Parte 2 Confira a crítica de “Quem Vai Ficar com Mário?” 3 filmes para ver no Dia dos Namorados! 5 Filmes para solteiros no dia dos namorados! Confira a crítica de Din e o Dragão Genial Confira a crítica de Ragnarok