Crítica | Extremely Wicked, Shockingly Evil and Vile (Cinebiografia de Ted Bundy)

Antes de assistir ao filme é extremamente importante você saber mais sobre quem foi Ted Bundy. O motivo não é apenas para se inteirar da história e não ficar perdido, mas para que este filme não lhe romantize com a vida daquele que foi um dos maiores serial killers americano.

Bundy é um ser desprezível, que na década de 70 seduziu e matou ao menos 35 mulheres incluindo uma garota de 12 anos, das mais diversas e cruéis formas possíveis. A própria Netflix possui um documentário real sobre o mesmo – Conversando com um serial killer: Ted Bundy – que indico a todos antes de ver este filme!

Com toda premissa feita, Extremely Wicked, Shockingly Evil and Vile (sem tradução nacional) – o filme foi lançado apenas na Netflix americana – é um filme muito fiel aos fatos, mas que, diferente do documentário, não mostra as mortes como foco, e sim, a vida de Ted Bundy (Zac Efron) e sua namorada Elizabeth Kendall  (Lily Collins), passando pelas suas prisões, fugas e julgamentos!


Uma coisa que não imaginava dizer é que Zac Efron está esplêndido no papel. Além da semelhança física com Ted, as suas ações fazem que o espectador tenha empatia por Bundy, assim como na vida real. Como disse, Ted era um homem sedutor. A época de seu julgamento, diversas mulheres iam ao tribunal para vê-lo, a maioria incrédulas com sua culpa nos crimes, pois sua beleza e charme o favorecia na crença de que ele era inocente e incapaz de cometer crimes tão brutais. Crimes estes que ele negou veementemente até as vésperas de sua execução.

Lily Collins que pra mim é um ótima atriz, encara neste filme talvez o seu papel mais difícil. Elizabeth Kendall foi a namorada de Ted Bundy por cerca de 7 anos. Alguém que era completamente apaixonada e enganada por ele, e que demorou a aceitar a natureza do assassino, mesmo o tendo denunciado três vezes por comportamento violento. Sua atuação é incrível.

Uma surpresa nesse filme é vermos a atuação de Haley Joel Osment (O Sexto Sentido) como Jerry, colega de trabalho de Kendall, e que se torna seu namorado durante maior período prisional de Ted, antes de seu julgamento final. Apesar de discreta, sua atuação é direcionada e certeira.

Não há muito o que dizer sobre o filme – principalmente ao se conhecer antes sobre a vida de Ted -, além que é uma obra muito fiel (apesar de beirar muito a glamourização dos fatos), e que mostra como as vezes a história pode ser mostrada por outra perspectiva, mas que os fatos nunca podem ser mudados. Mesmo assim, existe algo de hipnotizante em testemunhar o potencial humano para a maldade, isso se pensarmos no mal como uma privação do bem. É algo sombrio, perturbador e triste, ao mesmo tempo em que atrai o público à questão envolvendo outros crimes verdadeiros, como os desta história americana.

Dirigido por Joe Berlinger e roteiro escrito por Michael Werwier, a produção ainda conta com John Malkovich, Jeffrey Donovan, Jim Parsons, Dylan Baker e Kaya Scodelario no elenco.

Nota
Uillian Magelahttps://estacaonerd.com
Co-Fundador do Estação Nerd. Palestrante, empreendedor e sith! No momento, criando meu sabre de luz para cortar a lua ao meio. A, SEMPRE escolha a pílula azul. Não faça como eu!

Deixe sua opinião!

INSTAGRAM

AS MAIS LIDAS

Os 10 melhores filmes de 2018

A cada ano que passa somos surpreendidos com filmes cada vez melhores. Muitos, claro, já são aguardados por serem alguma continuação. Outros são ótimas...

Os filmes mais esperados de 2019

Primeiro dia do ano, mas já tem gente fazendo planos futuros pras estreias que acontecerão no cinema. Algumas delas, aguardadas desde 2018! Confira nossa lista...