Crítica | O Rei (The King)

Particularmente sempre fui fascinado com a história da Inglaterra. Tanto é que considero The Crown da própria Netflix a melhor série original da plataforma – dados seus inúmeros detalhes – mas que mostra apenas a parte de “ouro” da monarquia britânica que quase todos nós achamos que conhecemos.

O Rei, filme estrelado por Timothée Chalamet, ator indicado ao Oscar por “Me Chame Pelo Seu Nome”, é uma adaptação de várias peças de Shakespeare que contam a história do Rei Henrique V da Inglaterra, que herda o reino após a morte de seu pai Rei Henrique IV (Ben Mendelsohn) bem no meio da Guerra dos Cem Anos contra a França, no ano de 1413, governando o país até 31 de Agosto de 1422.

Imagem: Netflix

Na primeira cena do filme já temos impressão de que a fotografia e direção de arte serão impecáveis – e são -, tendo em vista a ideia do filme em ser um “épico de guerra”, mas que no decorrer se mostra mais como um drama histórico; talvez por seguir muito a linha de peças teatrais, o que não é no todo negativo sendo útil para o desenrolar da história.


Dirigido pelo excelente David Michôd (War Machine), a história é rica em detalhes e foca em mostrar a breve história e inexperiência de um rei novo que nunca se deu bem com o pai e não tinha ambição alguma ao trono. O filme peca justamente ao “cortar” alguns eventos históricos, talvez até pela necessidade de fazê-lo em não criar um filme muito longo.

Também estão no elenco Joel Edgerton (Bright) como John Falstaff, que tem papel essencial na trama, primeiramente como amigo do então príncipe Hal, e depois como um dos poucos homens de confiança e liderança do Rei Henrique V.

Mas duas atuações me chamaram muito atenção no longa. A primeira de Sean Harris (Missão Impossível: Fallout) que faz o papel de conselheiro do Rei (Henrique IV e V) e tem uma atuação magnífica, desde a forma de falar, já notada em Missão Impossível, até nos trejeitos de caminhar e se portar em determinadas situações. E por último o já conhecido Robert Pattinson – o futuro Batman -, que faz o papel de Delfim – príncipe herdeiro da França -, inimigo da Inglaterra, que tem uma atuação muito boa, passando por partes cômicas e dramas de forma muito sensível, se mostrando o ótimo ator que é, mas que até hoje, infelizmente, é lembrando apenas pelo seu papel em Crepúsculo.

Imagem: Netflix

O drama ainda mostra, em vários tons de angústia, tragédia e tristeza, que guerras são sempre a pior forma de mostrar poder, e, mesmo que a vitória seja alcançada, a derrota pessoal é para sempre, fazendo de O Rei um excelente filme baseado na obra de Shakespeare com fidelidade aos fatos históricos, nos dando encanto em conhecer mais sobre a herança da Inglaterra.

O Rei já está em cartaz na Netflix.

Roteiro
Fotografia
Figurino
Trilha Sonora
Uillian Magelahttps://estacaonerd.com
Co-Fundador do Estação Nerd. Palestrante, empreendedor e sith! No momento, criando meu sabre de luz para cortar a lua ao meio. A, SEMPRE escolha a pílula azul. Não faça como eu!

Deixe sua opinião!

INSTAGRAM

AS MAIS LIDAS

Os 10 melhores filmes de 2018

A cada ano que passa somos surpreendidos com filmes cada vez melhores. Muitos, claro, já são aguardados por serem alguma continuação. Outros são ótimas...

Os filmes mais esperados de 2019

Primeiro dia do ano, mas já tem gente fazendo planos futuros pras estreias que acontecerão no cinema. Algumas delas, aguardadas desde 2018! Confira nossa lista...