qua, 21 fevereiro 2024

Crítica | Percy Jackson e os Olimpianos

Publicidade

O cenário das adaptações para jovens adultos está repleto de franquias não realizadas. Para cada Jogos Vorazes e Crepúsculo, há um Artemis Fowl, Eragon ou Cidade das Sombras que foi cancelado. A série de Rick Riordan, Percy Jackson, teve um começo promissor, com o diretor de Esqueceram de Mim e Harry Potter, Chris Columbus, assumindo o comando de O Ladrão de Raios em 2010. No entanto, a sequência, O Mar de Monstros, em 2013, foi decepcionante nas bilheteiras e para os críticos, levando a uma interrupção súbita da franquia, apesar de quatro livros adicionais não terem sido adaptados.

Mas toda esperança não está perdida para os fãs da história dos jovens semideuses. A Disney+ está reiniciando a série, planejando adaptar um livro por temporada, e esta nova adaptação é um começo encorajador. O encantador estreante Walker Scobell assume o papel de Perseu “Percy” Jackson, um desajeitado e impopular garoto de 12 anos que descobre ser um semideus. O conhecemos enquanto está sendo intimidado na escola, mas encontra algum alívio nas histórias da mitologia grega que sua mãe o incentiva a explorar. Eventualmente, faz amizade com Grover (um igualmente encantador Aryan Simhadri), que compartilha seus interesses no mundo antigo. O vínculo entre os dois é adorável, com Percy explicando sinceramente: “Algo mudou quando conheci Grover. Tínhamos muito em comum, e não apenas porque éramos ambos os últimos da cadeia alimentar.”

Créditos: Disney+/ Divulgação

Desde o primeiro frame, Percy Jackson e os Olimpianos da Disney é deixado claro que, desta vez, a fidelidade aos livros é primordial. Visuais impressionantes, juntamente com um aviso – as primeiras linhas do livro recitadas pelo nosso personagem principal, criam imediatamente intriga para novos públicos e mostram aos fãs de longa data que não há motivo para temer essa segunda tentativa de trazer os romances inspirados na mitologia grega de Rick Riordan para as telas (exceto talvez descobrir que você mesmo é um semideus – ou um meio-sangue, no jargão de Percy Jackson). Isso lembra Star Wars: O Despertar da Força, cuja primeira linha de diálogo é “Isso começará a corrigir as coisas”. Lá, foi um pouco mais direto, mas a mesma mensagem ressoa alto e claro nos dois primeiros episódios de Percy Jackson, com resultados na maioria das vezes bem-sucedidos.

Publicidade

Os dois primeiros episódios não perdem tempo nos apresentando a Percy, sua vida até agora e a vida para a qual ele está prestes a ser lançado. Muito deste preâmbulo é tratado com narração em voz over; é um método eficiente para colocar os espectadores atualizados que se encaixa bem no material de origem (que é escrito em primeira pessoa), mas, no final das contas, parece fora de lugar. A fidelidade aos livros pode ter seus contras: o episódio 2 (Minha Transformação Em Senhor Supremo Do Banheiro) acelera os capítulos do Acampamento Meio-Sangue do primeiro romance de Percy Jackson e o Ladrão de Raios de Riordan, a fim de acompanhar o ritmo frenético da série. É quase difícil de acompanhar; pequenos detalhes são revelados em cada linha de diálogo. Mesmo para alguém que leu os livros e assistiu à adaptação cinematográfica anterior, foi difícil não perder certos pequenos detalhes.

Ao longo das duas metades desta estreia de dois episódios, no entanto, uma coisa é certa – Percy Jackson é um filhinho da mamãe. Isso é uma maneira grosseira de dizer que, no centro emocional desses dois primeiros episódios, está uma mãe, Sally Jackson (Virginia Kull), que fará qualquer coisa para proteger seu filho, e um filho que fará qualquer coisa para tê-la de volta. Um herói embarcando em uma busca por razões pessoais apenas para perceber que é o destino mais tarde pode parecer algo comum para membros mais experientes da audiência, mas para jovens leitores (e agora espectadores), isso fundamenta a história em algo relacionável. Portanto, quando Sally heroicamente se sacrifica no final do primeiro episódio, isso atinge fortemente, e a retaliação de Percy e a vitória sobre o Minotauro são incrivelmente satisfatórias, especialmente quando os efeitos visuais e a coreografia de ação são tão bons quanto são.

As atuações também ajudam a vender o relacionamento mãe-filho, já que Scobell e Kull criam um sentido convincente de amor entre seus personagens. O momento em que Sally revela tudo a Percy é bem feito; evita as armadilhas potencialmente desconfortáveis ​​e pouco convincentes de uma cena em que um personagem precisa explicar que todos os elementos selvagens e inacreditáveis ​​do mundo mágico são realmente reais. O roteiro, aliado às fortes atuações, dá à conversa um peso satisfatório que é autêntico para como uma criança reagiria a um momento tão impactante. A cena também transmite informações pertinentes de maneira excepcional, levando-nos diretamente para a próxima fase da história. Isso nem sempre é o caso: o diálogo no segundo episódio é um despejo de exposição atrás do outro, e personagens importantes como Annabeth (Leah Sava Jeffries) têm suas histórias contadas a nós pelo conselheiro do Acampamento Meio-Sangue: Luke (Charlie Bushnell). Bushnell se destaca entre os jovens atores da série, mas Luke é relegado a “entregador de informações” – embora isso faça sentido para um filho de Hermes. Outras figuras de autoridade, como Quíron (Glynn Truman) e Dionísio (Jason Matzoukas), sofrem do mesmo destino, infelizmente – eles estão lá para impulsionar Percy em sua verdadeira busca e pouco mais.

Pelo menos a escalação para todos esses personagens é interessante. Truman é convincentemente sábio e nobre como Quíron, e Matzoukas oferece uma interpretação verdadeiramente inspirada do deus grego do vinho e da festa. E um dos personagens que mais sofreu alteração (para melhor) é o padrasto fadado de Percy, Gabe (Timm Sharp). Sharp é hilário como o jogador de pôquer online sem valor, e entrega algumas das falas mais engraçadas do programa até agora.

E, é claro, há os três principais, Percy, Annabeth e Grover (Aryan Simhadri), a quem não temos a chance de ver atuar como um trio nesses dois primeiros episódios, mas que conseguiram encantar o coração dos semideuses imediatamente. Como jovens atores, eles podem muitas vezes lutar para parecerem genuínos, mas prefiro isso a pré-adolescentes sendo interpretados por atores que já passaram dos 30 anos. Sua simpatia natural e diálogo atualizado e moderno dão aos personagens tudo o que precisam para parecerem crianças, o que é refrescante, especialmente no mundo das adaptações de livros para jovens adultos.

Há alguns detalhes demais comprimidos nos episódios introdutórios de Percy Jackson, mas a cinematografia, a escalação e os momentos dos personagens dão vida a O Ladrão de Raios como nunca antes. Se o restante da série for capaz de capturar essa mesma magia, os fãs da franquia terão pouco com o que se preocupar.

Publicidade

Publicidade

Destaque

Crítica | Amante, stalker e mortal

Em um dos debates mais recentes sobre cinema na...

Crítica | Todos Nós Desconhecidos (All of Us Strangers)

Escrito e dirigido por Andrew Haigh (Looking), All of...

Crítica | Ferrari

Ferrari, novo filme de Michael Mann (Colateral) mostra que...

Semana do Cinema: Cinemark participa da primeira edição de 2024 com ingressos por R$12

A Cinemark é uma das redes exibidoras participantes da próxima edição...
O cenário das adaptações para jovens adultos está repleto de franquias não realizadas. Para cada Jogos Vorazes e Crepúsculo, há um Artemis Fowl, Eragon ou Cidade das Sombras que foi cancelado. A série de Rick Riordan, Percy Jackson, teve um começo promissor, com o...Crítica | Percy Jackson e os Olimpianos