Crítica | The Voyeurs

Veja nossos últimos stories

Voyeur é o substantivo masculino de origem francesa que descreve uma pessoa que obtém prazer ao observar atos sexuais ou práticas íntimas de outros. Já The Voyeurs é o novo suspense da Amazon Prime Video, que mostra um jovem casal que se muda para um novo apartamento. Quando eles percebem que sua janela tem uma vista exata para dentro do apartamento da frente eles começam a observar o relacionamento do atraente casal de vizinhos, até que o hábito sai totalmente do controle.

Prime Video/ Divulgação

Qual é a diferença entre curiosidade e obsessão? O diretor e roteirista Michael Mohan (Everything Sucks!) tem a resposta. Mohan cria uma trama aparentemente simples, que vai a cada momento vai se revelando mais e mais complexa. A direção dele acerta ao usar de close-ups nos olhares que se cruzam a todo momento para, inicialmente, criar uma intensa tensão sexual e depois para criar uma tensão sobre a situação. Os limites dessa situação são abordados pelo roteiro, a todo momento nas palavras e ações do casal protagonista. O diretor sabe o que fazer um suspense sexy sem ser vulgar. Tudo que é mostrado na trama não é de modo gratuito, o uso do francês tem função referencial para a trama, o fato de a protagonista ser uma oftalmologista é outro detalhe que lembra que a trama está ligada diretamente a visão, ao desejo pela vida alheia.

A construção dos personagens de Mohan, também é feita de modo crível. Algo que ajuda ao espectador a entender aqueles jovens e a sua repentina obsessão/curiosidade pelo casala vizinho. Pippa é uma jovem que deseja colocar um tempero na sua relação. Ela é jovem e parece sempre se arrepender por não ousar. Os vizinhos funcionam aqui como uma válvula de escape de sua rotina entediante. A primeira cena do filme mostra, como é impossível não querer espiar alguém, em especial quando esse alguém quer ser visto (como indica a todo momento o casal vizinho, que possui na sua casa enormes janelas que ficam 24 horas abertas para quem quiser ver). Sydney Sweeney (Euphoria) e Justice Smith (Detetive Pikachu) estão ótimos na construção de seus persoangens e a dupla Natasha Liu Bordizzo (Guns Akimbo) e Ben Hardy (Bohemian Rhapsody), desempenham sem esforço os vizinhos sensuais e atraentes que imploram para serem observados. Todos estão bem nesta trama interessante e que no fim do seu segundo ato tem um Plot Twist chocante e que fecharia bem a história. Mas daí em diante a trama sexy e instigante vai tomando contornos exagerados e tudo que foi construído com sobriedade dá lugar a exageros e reviravoltas sem nexo, o que estraga a obra.

Ben Hardy and Natasha Liu Bordizzo star in The Voyeurs

A resposta para aquela pergunta é: INTENSIDADE. O problema aqui nesta obra (e na vida) é que intensidade demais, estraga as coisas e isso acontece aqui. A obra se perde nas suas ideias e intensidade ao usar reviravoltas pra lá de mirabolantes que não fazem sentido. Mesmo cometendo alguns erros, ainda vale dar uma espiadinha nesta produção do Prime Video.

Revisão Crítica

NOTA
Hiccaro Rodrigueshttps://estacaonerd.com
Eu ia falar um monte de coisa aqui sobre mim, mas melhor não pois eu gosto de mistérios. Contato: h[email protected]

Deixe sua opinião!

Instagram

AS MAIS LIDAS

A Menina que Matou os Pais – Confira a crítica do filme O Menino que Matou Meus Pais – Confira a crítica do filme Os 5 grandes lançamentos da Netflix em Outubro de 2021 What If…? – Confira os easter eggs do sétimo episódio! A Casa Sombria – Confira a crítica do filme Confissões de uma Garota Excluída – Confira a crítica do filme