seg, 23 maio 2022

Crítica | Uncharted: Fora do Mapa

Publicidade

Uncharted: Fora do Mapa é a nova aposta de Hollywood para agradar, a exigente, comunidade gamer. O histórico de adaptações desse tipo para o cinema, não é dos mais positivos, existindo um pequeno grupo de produções que conseguiram agradar. O longa apresenta uma nova história de origem, nela vemos Nathan Drake e seu parceiro Victor “Sully” Sullivan, embarcando em uma perigosa busca para encontrar o maior tesouro jamais encontrado. Enquanto isso, eles também rastreiam pistas que podem levar ao irmão perdido de Nathan.

Mark Wahlberg and Tom Holland star in Columbia Pictures’ UNCHARTED.

Uncharted é um filme simples na sua proposta e até consegue emplacar algumas sequências de ação que fazem referência aos jogos da franquia, o que deve agradar aos fãs do game. Mas é preciso frisar que tudo nesta produção é meio que “jogado na tela” para o espectador, não temos o desenvolvimento de nenhum personagem, você que aceite, que eles são o que são. Isso dificulta um pouco o entendimento da dinâmica entre os protagonistas e a química entre a dupla só emplaca no segundo ato da produção. O roteiro escrito pelo trio: Rafe Judkins (A Roda do Tempo), Matthew Hollaway (A Sombra do Medo) e Arthur Marcum (Transformers 5) aposta em criar uma trama rápida e com pouca exposição de ideias. Isso tem um lado positivo, que é o referente a dinâmica da história, mas ao mesmo tempo essa decisão causa um problema. A resolução dos mistérios e enigmas são resolvidos quase que de modo mágico e soam um pouco forçados em alguns momentos. Outra aposta do roteiro é criar cenas de ação de tirar o fôlego. O problema é que esse empenho do roteiro em propor momentos épicos é prejudicado pela direção de Ruben Fleischer (Venom) que usa de uma montagem cheia de cortes para contar a sua história. O que o diretor faZ não ajuda no entendimento das cenas de ação (em especial nas de luta). Outro problema do filme é o CGI usado, tudo que envolve cenas grandiosas é muito artificial. A cena nos navios é um exemplo dessa falha. Os cenários são bem feitos e repletos de detalhes e os easter-eggs espalhados pelo filme devem agradar aos fãs dos games, em especial um que é apresentado numa praia paradisíaca, após a cena do porta-aviões, quem é fã vai pirar.

O elenco está bem e consegue entregar o que é proposto. Tom Holland apresenta uma versão jovem ingênua e arrogante de Nathan Drake, o ator com seu carisma consegue segurar a responsabilidade de viver o herói. Mark Wahlberg, interpreta ele mesmo e sua versão pouco tem haver com o Sully dos games, mas mesmo assim a química de Wahlberg e Holland é divertida de se ver, mesmo que ela não seja fiel ao material de origem. Antonio Banderas (A Pele Que Habito) tem pouco tempo em tela, o que é uma pena. Tati Gabrielle (You) é uma vilã unidimensional, que não consegue dizer a que veio, isso é por culpa do roteiro e não da atriz que se empenha nas cenas. Por fim, Sophia Taylor Ali (India) é uma adição interessante à trama e sua personagem faz a relação dos protagonistas engrenar de vez.

Antonio Banderas in Columbia Pictures’ UNCHARTED. Photo by: Clay Enos
Publicidade

Uncharted: Fora do Mapa é uma aventura correta dentro do que se propõem e usa bem a sua fonte de inspiração, para contar uma história de origem carismática. Que uma segunda aventura seja confirmada logo, para apresentar mais desse mundo de aventura e tesouros. Potencial existe para transformar essa produção em uma excelente franquia de filmes.

Ps. O filme possui uma cena pós-crédito.

Publicidade

Newsletter

Destaque

Hiccaro Rodrigueshttps://estacaonerd.com
Eu ia falar um monte de coisa aqui sobre mim, mas melhor não pois eu gosto de mistérios. Contato: [email protected]

Deixe um comentário