Publicidade
Publicidade
Início Críticas Crítica | You (Você) – 4ª Temporada: parte 2

    Crítica | You (Você) – 4ª Temporada: parte 2

    Publicidade

    Chegou ao fim a quarta temporada de You (Você). A produção foi dividida em duas partes pela Netflix e revela o destino do serial killer mais amado da atualidade. O novo ano segue mostrando a história do obsessivo e mortalmente charmoso, Joe, um homem que vai ao extremo para entrar na vida de quem o fascina. Por trás de seus modos gentis, há uma fúria assassina e um passado perturbador. 

    A primeira parte tentou apresentar novas ideias, colocando o anti-herói como presa de um outro serial killer. O resultado dessa nova narrativa foi apenas regular. A conclusão da primeira parte foi decepcionante. Além disso, o roteiro da primeira parte colocou o personagem central em um mundo repleto de pessoas desprezíveis, mesquinhas e que beiram ao insuportável, o que obrigou o espectador a passar o pano para as atrocidades que o assassino serial de mulheres precisou cometer. A segunda parte começa de onde a primeira parte termina e foca na relação entre Joe e Rhys Montrose. Rhys está em campanha para se tornar prefeito de Londres, e Joe está buscando modos de derrotar seu arqui-inimigo que parece conhecer ele como ninguém, além de estar sempre um passo a frente dele. A nova dinâmica aposta nessa disputa de poder, o que leva a uma reviravolta pra lá de chocante. Algo que faz com que a produção resgate o espírito da primeira temporada. Algo que é bastante benéfico para a história.

    Ver a produção retornar as origens, a apostando no simples e nos monólogos expositivos é algo que nos faz lembrar o motivo de termos nos apaixonado pela produção. Porém é inegável, que em alguns momentos, parece que estamos vendo uma produção sem conexão nenhuma com a parte anterior. Todos os personagens ignoram o que aconteceu e vivem suas vidas como se nada, houvesse acontecidos com seus amigos (para quem não lembra: pessoas foram mortas). Além disso, os monólogos de Joe são os piores de toda as temporadas. São usados tantos termos “você” nos seus discursos, que em alguns momentos fica difícil de acompanhar sobre quem ele está falando.

    Os problema antigos seguem os mesmos: os crimes cometidos por Joe são sempre forçadas e o roteiro sempre deixa claro que está facilitando a vida do personagem. Quanto ao elenco ele segue cumprindo o que se pede. O grande destaque segue sendo Penn Badgley (A Mentira), mas a interação dele com Ed Speleers (Eragon) é maravilhosa! Até a química de Badgley com Charlotte Ritchie (Fantasmas) melhora, surgindo de modo mais natural e realmente apaixonante. Porém é inegável que a relação de pai e filha representada por Greg Kinnear (Pequena Miss Sunshine) e Ritchie é uma das piores já vistas na TV, culpa do roteiro que foca todas as suas forças em Joe e nas confusões em que ele se mete. O que não é ruim, mas prejudica os demais personagens da trama.

    Netflix/Divulgação

    O episódio final é um dos melhores já feitos no show! A conclusão está repleta de tensão e reviravoltas inimagináveis. Porém o sentimento é de enganação, pois o final em aberto mostra que pode haver uma quinta temporada do show, o que irá depender da Netflix. Algo que contraria o aviso de que essa seria a temporada final. Em resumo, a parte dois da quarta temporada de You (Você) é arrebatadora, mesmo tendo erros aqui e ali em sua história e deixa um gosto de quero mais. Melhor do que ver Joe em ação e assistir quais artimanhas narrativas vão ser usadas pelos roteiristas para tirar o personagem das enrascadas. Aqui eles se superaram.

    Publicidade
    Publicidade
    ANÁLISE GERAL
    NOTA
    Eu ia falar um monte de coisa aqui sobre mim, mas melhor não pois eu gosto de mistérios. Contato: hiccaro.rodrigues@estacaonerd.com
    critica-you-voce-4a-temporada-parte-2 Chegou ao fim a quarta temporada de You (Você). A produção foi dividida em duas partes pela Netflix e revela o destino do serial killer mais amado da atualidade. O novo ano segue mostrando a história do obsessivo e mortalmente charmoso, Joe, um homem...
    Sair da versão mobile